Matérias Mais Lidas

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemRitchie Blackmore revela como o impactou a chegada de Jimi Hendrix na Inglaterra

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemO clássico dos Rolling Stones que levou mais de 30 anos para ser tocado ao vivo

imagemMetallica faz doação para complexo de saúde e educação em Curitiba

imagemA simpatia de James Hetfield ao conversar com pais de bebê que nasceu durante show

imagemOzzy Osbourne é visto caminhando com dificuldade ao sair de estúdio

imagemRobert Trujillo conta como uma abelha e "migué" quase causaram treta com James Hetfield

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemLuciano Hang processa vocal do Fresno e quer indenização de R$ 100 mil por danos morais

imagemFreddie Mercury revelou em 1985 como foi conciliar carreira solo e o Queen

imagemJonathan Davis, do Korn, explica qual seu problema com o Cristianismo

imagemDaniel Cavanagh, do Anathema, sobrevive a tentativa de suicídio


Stamp

Guitarrista do Tesla fala sobre álbum de covers

Por César Enéas Guerreiro
Fonte: Blabbermouth
Em 15/06/07

Lisa Sharken, do site KNAC.COM, entrevistou recentemente o guitarrista do TESLA, Frank Hannon, que falou sobre o álbum de covers "Real To Reel".

KNAC.COM: Fale um pouco sobre "Real To Reel". O que levou o TESLA a gravar um álbum inteiro de covers e como vocês selecionaram o material?

Hannon: "Estávamos pensando em gravar um álbum de covers e achamos que seria mais simples fazer isso rápido. Mas queríamos que fosse o melhor álbum de covers possível, então deixamos as coisas correrem naturalmente. Quando começamos, cada membro da banda trouxe suas músicas favoritas e tocamos todas. Mas aí percebemos que algumas delas simplesmente não iriam funcionar. Tentamos tudo, desde GOO GOO DOLLS e NIRVANA até músicas mais atuais. Estávamos tentando ser originais porque, quando bandas gravam covers, elas tentam ser originais. Foi aí que surgiu a idéia do ‘Real To Reel’. Quisemos mantê-lo o mais real e honesto possível e, para fazer isso, tivemos que gravar músicas que estivessem em nossas raízes – especialmente dos anos 70, porque crescemos ouvindo essas músicas. Então experimentamos músicas que destacassem o som das guitarras e estivessem mais voltadas para o rock dos anos 70 e eliminamos as que percebemos que não iriam funcionar".

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

KNAC.COM: Bem, é claro que esta não foi a primeira vez que o TESLA gravou covers.

Hannon: "Sempre gravamos covers, como no álbum ‘Five Man Acoustical Jam’, e em nossos shows sempre tocamos sucessos dos BEATLES, do FRAMPTON, ou seja, sempre experimentamos gravar ou tocar covers ao vivo. Para este álbum, passamos quase dois anos experimentando músicas. No início, quando Tommy Skeoch [guitarra] ainda estava na banda, gravamos alguns covers no estúdio do Brian [Wheat, baixo] que provavelmente serão incluídas em um box set. Então gravamos digitalmente com o ProTools no estúdio do Brian, mas depois decidimos que deveríamos gravar este álbum de forma totalmente analógica para que ficasse o mais fiel possível ao som dos anos 70. Então escolhemos gravar em um estúdio totalmente analógico no Texas – um lugar chamado Sonic Ranch. O proprietário, Tony Rancich, possui um monte de guitarras, amplificadores e pedais vintage, além de todo tipo de equipamento legal dos anos 70 e que acabamos usando no álbum".

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

KNAC.COM: Como você e Dave capturaram todas as partes de guitarra no estúdio?

Hannon: "Todas as partes de guitarra e todo o resto da música foi gravada ao vivo. O que fizemos foi ensaiar as músicas de manhã e gravá-las quando estávamos com tudo pronto. Normalmente, a primeira tomada ficava incrível e nos empolgávamos bastante. Então fazíamos uma segunda tomada e tentávamos melhorar mas, de cada dez tentativas, em nove não conseguíamos. Aí fazíamos uma terceira tomada. Usamos o efeito ‘panning’ nas guitarras, com Dave no alto-falante esquerdo e eu no direito – então o som ficou bem parecido com o que você ouve quando tocamos ao vivo. Dave e eu usamos vários canais para gravar os vários amplificadores que usamos, mas tudo é uma performance apenas. Não fizemos ‘double tracking’. Como estávamos usando apenas 24 canais, e cada um estava usando três canais de guitarra, não podíamos fazer ‘overdub’. Então tudo o que você ouve parece ser tocado ao vivo e tudo foi feito com uma tomada apenas. Eu usei dois cabeçotes Hiwatt de 100 watts. Um era normal, com um som grave bem pesado, e o outro foi modificado e tinha bastante ganho. Ambos eram provavelmente modelos 1979 DR. Eu também usei um cabeçote Marshall JCM900 de 50 watts. Eu usei três gabinetes separados – um para cada cabeçote. Um era um velho Marshall 4x12 roxo com dois alto-falantes Celestion de 25 watts que Tony tinha no estúdio. Também usei um Marshall 4x12 com falantes JBL. E o terceiro gabinete tinha Celestions de 100 watts. Conectamos todos e colocamos cada um em seus respectivos canais. Também usei um gabinete com falante rotativo Leslie 360, então eu queimei mais alguns canais em ‘Thank You’ e ‘Bellbottom Blues’, no primeiro disco, e ‘Do You Feel Like We Do’, no segundo. Dave [Rude] usou uns cabeçotes plexi Marshall de 100 watts, que pertenciam ao estúdio, e seu amplificador Marshall Slash".

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Leia a entrevista completa (em inglês) no www.knac.com.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O tempo é implacável: a turma do rock/metal não sabe envelhecer?



Sobre César Enéas Guerreiro

Nascido em 1970, formado em Letras pela USP e tradutor. Começou a gostar de metal em 1983, quando o KISS veio pela primeira vez ao Brasil. Depois vieram Iron, Scorpions, Twisted Sister... Sua paixão é a música extrema, principalmente a do Slayer e do inesquecível Death. Se encheu de orgulho quando ouviu o filho cantarolar "Smoke on the water, fire in the sky...".

Mais informações sobre

Mais matérias de César Enéas Guerreiro.