Vinnie Paul: "HellYeah precisava de um batera"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por César Enéas Guerreiro, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Andre Mihsin, do site ChartAttack.com, entrevistou recentemente o baterista Vinnie Paul Abbott (HELLYEAH, PANTERA, DAMAGEPLAN), que relatou como ingressou no HELLYEAH, seu papel como líder na banda e a saída do baixista Jerry Montano.

The Simpsons: 10 melhores aparições de roqueiros no desenhoPropriedade privada: 5 bandas de hard rock e metal com "um dono só"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre a formação do HELLYEAH com membros do MUDVAYNE e do NOTHINGFACE:

"Eles precisavam de um baterista e queriam um cara que pegasse pesado; aí eles lembraram de mim. Bem, eu acho que a persistência compensa porque eles sempre me chamam, chamam, chamam. Uma noite eu disse 'Quer saber, essa idéia parece boa pra caramba. Vamos tentar'. E foi assim quer tudo começou".

Sobre o fato dele não ter tocado numa banda desde que seu irmão, o ex-guitarrista do PANTERA "Dimebag" Darrell Abbott, foi assassinado no palco em 8 de dezembro de 2004:

"Eu sabia que iria tocar novamente. Só não sabia em que momento isso iria acontecer. Algumas pessoas me contataram querendo que eu tocasse, mas eu não sentia que já era o momento certo e não era nada que me deixasse realmente super empolgado. Eu disse a mim mesmo que precisaria ser uma situação muito especial, e isso foi o que aconteceu agora".

Sobre o seu papel de liderança durante as sessões de gravação do álbum do HELLYEAH:

"Eu sempre achei que era muito mais do que apenas um baterista. Eu sempre quis ser o produtor de todos os discos dos quais eu participei. Na verdade, eu não toco bem nenhum outro instrumento, então a minha maneira de contribuir, de criar músicas, é poder produzi-las e esse foi o papel que assumi neste álbum. Os caras aprenderam bastante comigo e trabalhamos juntos muito bem".

"A química entre a gente é excelente e isso foi o mais importante desde o início. Quando começamos, não havia egos. Cada um apenas trouxe suas cartas para a mesa e isso aconteceu bem rápido. Compusemos sete músicas nos primeiros oito dias que ficamos juntos e, naquele momento, sentimos que estávamos fazendo algo realmente especial".

Sobre a saída do baixista Jerry Montano após um incidente na festa de lançamento do CD do grupo, quando Montano supostamente ficou bêbado e violento:

"Todos nós estamos com saudades de Jerry e desejamos a ele tudo de bom. Apenas achamos que era o momento certo para o HELLYEAH seguir em frente e fazer sucesso".

Sobre o primeiro show do HELLYEAH, que foi realizado em 20 de maio em Baltimore:

"Foi incrível, cara. Muito mais do que eu poderia ter sonhado. Foi muito legal ter todo o apoio dos fãs desde o início. A platéia ficava gritando 'HELLYEAH' desde o momento em que subimos no palco. Eles sabiam todas as músicas e acompanhavam cantando o tempo todo. A casa ficou lotada, o que fez daquela uma noite muito especial. E cada noite desde então tem sido igual àquela, se não melhor. As coisas têm sido incríveis".

Leia a entrevista completa (em inglês) no www.chartattack.com.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Hell Yeah"Todas as matérias sobre "Damageplan"Todas as matérias sobre "Pantera"Todas as matérias sobre "Mudvayne"Todas as matérias sobre "Vinnie Paul"


Anselmo: se Dimebag fosse vivo, estaríamos tocando juntosAnselmo
"se Dimebag fosse vivo, estaríamos tocando juntos"

Hellyeah: Vinnie Paul se preocupava com morte prematura, afirma guitarristaHellyeah
Vinnie Paul se preocupava com morte prematura, afirma guitarrista


The Simpsons: 10 melhores aparições de roqueiros no desenhoThe Simpsons
10 melhores aparições de roqueiros no desenho

Propriedade privada: 5 bandas de hard rock e metal com um dono sóPropriedade privada
5 bandas de hard rock e metal com "um dono só"


Sobre César Enéas Guerreiro

Nascido em 1970, formado em Letras pela USP e tradutor. Começou a gostar de metal em 1983, quando o KISS veio pela primeira vez ao Brasil. Depois vieram Iron, Scorpions, Twisted Sister... Sua paixão é a música extrema, principalmente a do Slayer e do inesquecível Death. Se encheu de orgulho quando ouviu o filho cantarolar "Smoke on the water, fire in the sky...".

Mais informações sobre César Enéas Guerreiro

Mais matérias de César Enéas Guerreiro no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336