Dezperadoz: "Western é tema perfeito para metal!"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale, Fonte: Mundo Rock
Enviar Correções  

Entrevista originalmente concedida
para o portal Mundo Rock.

Mesmo que você não curta o velho oeste, este é um CD que merece uma conferida. O projeto Dezperadoz, liderado por Alex Kraft (Onkel Tom) mistura heavy metal, hard rock, country music, e uma atmosfera que nos leva para os velhos salões e as cadeias do oeste. Com o apoio de Dennis Ward (Pink Cream 69) e Alex Weigand (baixo) e Sascha Tiger (baterias), Alex lança o segundo CD de sua banda (antes chamava-se Desperados e tinha Tom Angelripper como vocalista), "The Legend And The Truth", nos contando a saga de Wyatt Earp. Falamos com um simpático Alex, que antes de tudo, contou a história de sua vida.

publicidade

Mundo Rock – Alex, você toca na banda paralela de Tom Angelripper (Onkel Tom), e a primeira versão do Dezperadoz (na época Desperados) tinha Tom como vocalista. De quem foi a idéia de formar o grupo?

Alex Kraft – Foi uma idéia que eu já vinha desenvolvendo há muito tempo, desde que morava em Los Angeles nos anos 70, aonde estudava. Tinha contato com diversos estilos musicais, e sempre quis ter um projeto aonde rolasse liberdade suficiente para trabalhar com um espectro musical bem amplo.

publicidade

Mundo Rock – E como você analisa a resposta ao primeiro CD, "The Dawn Of Dying"?

Alex Kraft – Foi boa, considerando que era nosso primeiro trabalho e que o mesmo estava mais próximo ao thrash metal. Tom queria fazer um CD natalino (risos) e ao assistir um filme de western acabamos concordando em dar ao CD este direcionamento.

Mundo Rock – Falo isto porque os dois CD’s ("The Dawn Of Dying" e "The Legend And The Myth" acabaram saindo no Brasil quase simultaneamente, com intervalo de 6 meses aproximadamente, mas por selos diferentes.

Alex Kraft – É mesmo? Não sabia deste fato... sabia que "The Dawn Of Dying" seria licenciado para o Brasil, mas se isso aconteceu fico muito satisfeito.

publicidade

Mundo Rock – E logo após lançar o primeiro CD a banda acabou não continuando na ativa. O que aconteceu na época? Você e Tom ainda se falam?

Alex Kraft – Não tivemos conflitos. Ainda sou amigo de Tom e toco com ele no Onkel Tom. Só que passei por uma série de problemas pessoais e com isso acabei me afastando do meio musical. Quando consegui re-encontrar meu eixo decidi retomar as atividades do Desperados, e contactei Tom. Só que ele foi sincero e disse que esta era a minha banda, a minha história e que eu seria o melhor para continuar com a trajetória da mesma. Como ele mesmo disse "você é o melhor para o Desperados".

publicidade

Alex Kraft – Curiosamente alguns meses atrás fizemos um show conjunto com o Sodom, o Onkel Tom e o Dezperadoz, e o Sodom abriu para nós! Foi demais rever Tom no palco, e a resposta a nosso novo trabalho.

Mundo Rock – E eu não poderia deixar de perguntar o porque de você mudar o nome da banda de Desperados para Dezperadoz, já que a sonoridade é a mesma.

Alex Kraft – Cara... coloque Desperados no Google e você verá o porque! (risos). São milhões de resultados. Com isso pensei em trocar o "s" por "z" e deixar o nome mais original, já que Dezperadoz só existe um, a minha banda.

publicidade

Mundo Rock – Dee Snider (Twisted Sister) também tinha um projeto...

Alex Kraft – (interrompendo) SIM! EU SEI! (risos). Pude ouvir algumas músicas e adorei. Encontrei Dee em Bali, quando estava passando férias e lhe dei o CD. Ele chegou e disse "Cool! Este é o SEU CD!". (gargalhadas).

Mundo Rock – Você é o vocalista neste novo CD. É algo definitivo ou você pensa em chamar alguém para cantar no próximo trabalho?

Alex Kraft – Sou e serei o vocalista. Desde o começo eu sempre estive à frente das composições da banda. Este é o meu projeto, o meu trabalho, onde coloco minhas idéias, músicas, letras, exorcizo meus problemas. Logo não teria porque não cantar neste novo CD, e acho que me saí bem (risos). Estamos planejando um DVD ao vivo, e acho que será maravilhoso assistir ao resultado de um grande trabalho que tive nos CD’s.

publicidade

Mundo Rock – A primeira coisa que me veio à mente quando peguei este novo CD era que eu estava diante de mais uma ópera-metal. Só que acabei me deparando com um bom CD de metal. Você chegou a pensar em fazer algo mais voltado para os CD’s conceituais de metal com orquestras?

Alex Kraft – Cara... é sensacional ouvir isso. Porque Dezperadoz não é apenas um projeto musical, é uma história real, com cavalos, mas não cavaleiros e espadas (risos). Wyatt Earp é mais do que um tema para Hollywood, ele é história, é real. Sinto como se estivesse escrevendo um roteiro de filme.

publicidade

Mundo Rock – Você escolheu o velho oeste como tema de suas músicas. Qual sua ligação com o Western?

Alex Kraft – Sou um grande fã destas histórias, mas não destes filmes de "Western" que saem em Hollywood, com heróis, vilões, toda essa coisa para vender ingresso de cinema. Curto mais os velhos filmes dos anos 70.

Mundo Rock – Clint Eastwood por exemplo?

Alex Kraft – Talvez no começo da carreira, porque naquela época a coisa era mais direta, mais simples, mais cotidiana. Podíamos ver os seres humanos vivendo uma época, e não uma história. Havia mais humanidade, e isso se perdeu nos filmes mais atuais.

Alex Kraft – Quando estava nos Estados Unidos vi muitos destes filmes, e as coisas eram mais intensas, e para mim este contexto é perfeito para o heavy metal. Curto e grosso, forte e humano, não tanto quanto o "Helloween Metal", aonde o cantor só fica gritando "AAAAAAAA!". (gargalhadas).

Mundo Rock – Já que você citou o Helloween, como foi ter Michael Weikath na faixa "First Blood"? Ele chegou a participar da composição?

Alex Kraft – Não. Na verdade nenhum dos convidados neste CD tocou ou cantou nada. Todos apenas fizeram locuções e discursos. Eu os conhecia diretamente e apresentei a idéia a todos. Eu queria mesmo meio que fazer um filme, com narradores, com personagens, e daí tive a idéia de convidar músicos famosos, mas sem que eles participassem nas músicas. Claro que eles sabiam que estariam num CD de heavy metal, mas todos adoraram a idéia.

Mundo Rock – Ao mesmo tempo você mostra uma veia country em músicas como "Deadman Walkin’". Seria uma influência?

Alex Kraft – Maneiro falar sobre isso! Eu adoro a country music, e nos EUA pude ouvir muito. Johnny Cash é meu herói! (risos). E te digo sem medo, ele é mais heavy que metade das bandas que temos por aí dizendo que tocam heavy metal (gargalhadas). Eu gosto de muitos estilos musicais, como Jazz, Country, Rock, mas sou capaz de ouvir desde o bom e velho Testament ao Frank Sinatra.

Mundo Rock – Mantendo o foco na country music, "Hellbilly Square" me lembrou um pouco o ZZTOP, que também mistura country com rock.

Alex Kraft – ZZTOP? Sim! Eu gosto deles. Pude vê-los há uns 8 anos atrás, um grande show. Mas gosto mais dos trabalhos do Lynyrd Skynyrd. Mas é uma grande banda.

Mundo Rock – E a participação de Dennis Ward? Ele é membro da banda? Ou apenas o produtor?

Alex Kraft – Ele não tocou no CD. Só participou de alguns shows. É um cara super gente fina, um grande produtor. O melhor da Alemanha, digo sem erro. Fizemos alguns shows juntos, mas sua agenda o impede de ficar junto conosco. Mas sempre haverá espaço para ele no Dezperadoz. Estabilizamos a formação e agora somos uma banda completa, mas Dennis é sensacional.

Mundo Rock – A saga de Wyatt Earp é interessante e cheia de detalhes. Vários filmes o citam ou falam diretamente sobre ele. Você chegou a ver todos os filmes? Como foi seu trabalho de pesquisa sobre o grande xerife Earp?

Alex Kraft – Eu de fato vi vários filmes, e estive em sua terra (Arizona). Notei que os americanos têm orgulho dele. Este foi o primeiro passo, algo que eu tinha que fazer para que a banda engrenasse. Li todos os livros que pude sobre ele, e acabei finalizando a pesquisa vendo o último filme feito sobre sua história ("Wyatt Earp"). O que mais me chamou a atenção é que ele não era o típico herói, apenas um homem simples que perdeu sua esposa, acabou se tornando um bandido, depois xerife. Após 3 anos de uma vida confusa, ele recobrou sua consciência do que ele mesmo queria ser e acabou se tocando que era apenas um ser humano, um cuzão como qualquer outro. Isso mexeu muito comigo, e comecei a escrever.

Mundo Rock – E como foram os primeiros shows? Há planos para 2007?

Alex Kraft – Fizemos alguns shows como headliners. Procuramos criar um pouco da história do velho oeste em nossos shows. Colocamos um galo no palco, cowboys, cactus. Só não pudemos usar armas, porque não queremos também estimular que soltem tiros por aí (risos). Tom participa cantando as músicas antigas, e pomos dançarinas no palco, como aquelas que os "saloons" do velho oeste sempre tinham, e durante o show distribuímos notas de um dólar com a marca Dezperadoz...

Mundo Rock – (interrompendo) Como o AC/DC!

Alex Kraft – (gargalhadas) EXATAMENTE! Jogo uísque nas garotas, fazemos um show muito legal, que quero levar para todos os cantos do mundo.

Mundo Rock – E existe algo pronto para um próximo CD de estúdio?

Alex Kraft – Estou sempre trabalhando. Sempre compondo. Decidi falar de uma história sobre um cara que mora no sul, e que espera sua presa, para a matar, mas não chamarei Arnold Schwaznegger para tal (gargalhadas). Não quero adiantar muito, até porque as idéias fervilham em minha cabeça, mas planejo fazer as pessoas pensar se é válido matar alguém, se em nome de um ideal vale a pena tirar uma vida. Algo meio parecido com a atual situação dos EUA.

Mundo Rock – Alex, obrigado pela entrevista e parabéns por este novo CD.

Alex Kraft – Eu que agradeço e espero que todos possam curtir "The Legend And The Myth", porque é algo que até hoje mexe comigo quando eu ouço, e como sempre espero poder levar tudo isso ao Brasil.

Mundo Rock – Ok! Quando vier guarde minha nota de 1 dólar!

Alex Kraft – (gargalhadas) Ok! Pode deixar!

Site Oficial: http://www.dezperadoz.com

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Top 10: dez roqueiros que se foram aos 27 anos de idadeTop 10
Dez roqueiros que se foram aos 27 anos de idade

A História Impopular dos Rolling StonesA História Impopular dos Rolling Stones


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin