Angra: "A cena de melódico nos EUA não é forte!"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Vitor Rangel, Fonte: Metal Asylum
Enviar correções  |  Comentários  | 

O Metal Asylum recentemente entrevistou o vocalista do ANGRA, Edu Falaschi. Entre outros assuntos, o vocalista comentou a cena do metal melódico nos Estados Unidos.

870 acessosRafael Bittencourt: "Eu nunca fui tão feliz", making of #235000 acessosBig Four: astros da cena Heavy escolhem banda preferida

Metal Asylum: O ANGRA fez apenas algumas apresentações nos Estados Unidos. Por que é tão difícil para a banda vir aos EUA?

Edu: Bem, eu acho que a razão principal para ser tão difícil tocar nos EUA é porque a cena do heavy metal melódico não é tão forte. Mas espero que no futuro ela se torne melhor pois você tem bandas como IRON MAIDEN e JUDAS PRIEST voltando a fazer shows nos EUA. Eu acho que os rostos conhecidos deles irão fazer com que as outras bandas menos conhecidas sejam mais aceitas. Acho que os americanos gostam mais do thrash, metalcore ou do nu metal, os sons mais extremos. Para nós, não é tão fácil nos tornarmos populares por causa disso. Mas agora estamos trabalhando com o SPV e eles estão ajudando a banda. E além disso, acho que o novo álbum, “Aurora Consurgens”, é um pouco mais moderno, direto ao ponto. Eu acho que a direção que a banda está tomando com este álbum é uma ótima introdução para os fãs americanos.

Metal Asylum: O que você acha que faz ser tão difícil para que bandas de metal melódico com a sua sejam reconhecidas nos EUA?

Edu: Eu não sei muito bem porque, mas eu acho que quando o SEPULTURA apareceu no início dos anos 90, as pessoas ficaram realmente interessadas nesse metal forte e extremo. Eu acho que o cenário do metal melódico, mesmo no passado, nunca foi forte nos EUA. Mas muitas bandas agora, como DRAGONFORCE, que tocam esse tipo de power metal, irão mudar algumas coisas. É muito importante para nós esse tipo de reconhecimento que eles estão recebendo, pois mesmo eles sendo similares, nós ainda temos as raízes brasileiras na nossa música, o que nos torna diferente do resto. É claro que temos influências de IRON MAIDEN, JUDAS PRIEST e especialmente HELLOWEEN, mas especialmente com esse novo álbum, nós misturamos a atmosfera brasileira na música, utilizando percussões brasileiras, elementos do clássico e jazz e música cubana. Nós realmente temos influências parecidas com as do STRATOVARIUS ou BLIND GUARDIAN mas ainda somos diferente, pois somos brasileiros. Essas bandas são da Finlândia e Alemanha e nós viemos do Brasil. Então é óbvio que nós teremos o nosso próprio som vindo dessa parte do mundo. Nós somos como uma banda de metal étnico.

Leia a entrevista completa no link abaixo.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

870 acessosRafael Bittencourt: "Eu nunca fui tão feliz", making of #23300 acessosRedeTV!: Sonoridades entrevista a banda Angra nesta quinta-feira525 acessosAngra Fest: Fabio Lione e Pompeu convidam fãs para o festival3743 acessosNando Moura: a trolagem do Megadeth e o Top 5 do Kiko Loureiro3775 acessosAngra: "É o melhor baixista com quem eu já trabalhei, um MONSTRO!"5000 acessosKiko Loureiro: "minha resposta para o Nando Moura"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

Melhores de 2014Melhores de 2014
As escolhas do redator Samuel Coutinho

Metal SPMetal SP
Documentário sobre Heavy Metal em São Paulo

Top 20Top 20
Discos recentes de bandas clássicas tão bons quanto os antigos

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"


Big FourBig Four
Astros da cena Heavy escolhem banda preferida

Astros do rockAstros do rock
O patrimônio líquido de cada um

Heavy MetalHeavy Metal
As piores capas dos grandes artistas do gênero

5000 acessosGibson: as dez melhores composições épicas do rock5000 acessosIron Maiden: ouça o baixo de Steve Harris isoladamente5000 acessosSabaton: Exército brasileiro retribuiu homenagem da banda sueca5000 acessosJethro Tull: Ian Anderson fala sobre sua sexualidade5000 acessosChuck Berry: relato policial da morte do lendário músico5000 acessosChina: as 100 músicas proibidas pelo governo

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 30 de novembro de 2012


Sobre Vitor Rangel

Um carioca apaixonado pela boa música que no momento está cursando o 5º período de Publicidade na PUC-Rio. Teve seu primeiro contato com o rock ainda na infância, quando sua irmã colocava os discos de Iron Maiden e Pantera no toca-fitas de sua casa. Nos últimos anos, tem se dedicado inteiramente à música e à guitarra. Sua banda favorita é Metallica e também é fã incondicional de Zakk Wylde, Steve Vai e John Petrucci. Escuta de tudo um pouco, desde Madonna até Sepultura. Espera que um dia o Metallica ainda venha fazer um show no Brasil e não tem vergonha em dizer que chorou no show do Black Sabbath, em 2004, no Ozzfest.

Mais matérias de Vitor Rangel no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online