Zakk Wylde: "caixão-guitarra" ou "guitarra-caixão"?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Antonio Parreira, Fonte: Epiphone.com
Enviar correções  |  Comentários  | 






A conhecida marca de guitarras Epiphone (que pertence à Gibson) colocou no mercado em 2009 uma guitarra assinada (ou assassinada!) pelo mestre das 6 cordas, Zakk Wylde (OZZY, BLACK LABEL SOCIETY), a Graveyard Disciple.

Clique aqui para página oficial da guitarra na Epiphone

O seu primeiro modelo assinatura com a Gibson e a Epiphone, a Les Paul pintada com círculos em preto e branco criando tipo um alvo (acho que tem alguma coisa ligada ao fato de Zakk gostar de armas e de atirar em animais), chamada de Zakk Wylde Bullseye LP, é sem dúvida uma bela e marcante guitarra. Só para constar: o preço de uma Epiphone Bullseye aumentou consideravelmente nos últimos anos, nos dando a pista de que é uma guitarra que vende muito bem.

Sua imagem se tornou tão vendável que deu origem à diversos outros modelos como a Zakk Wylde Camo, versão camuflada da Bullseye, a Zakk Wylde Buzzsaw, a belíssima (e caríssima!) Zakk Wylde Flying V Custom e a recente Zakk Wylde ZV Custom, também muito bonita.

Apesar do visual um pouco excêntrico, todos esses modelos citados acima, são adaptações muito bem feitas em guitarras mais ou menos "normais" e dentro dos padrões estéticos aceitos pela maior parte das pessoas, guitarristas ou leigos.

Como grande apreciador da arte em geral, acho complicado fazer comentários puramente pessoais de alguma coisa criada com a intenção de agradar aos outros (lembremos que as guitarras são produzidas aos milhares, em série, e precisam ser vendidas a pessoas que acharam a idéia no mínimo "interessante"), mas depois de receber o e-mail da Epiphone anunciando o lançamento da novíssima Graveyard Disciple eu não consegui deixar de escrever algumas linhas sobre ela.

Algumas guitarras podem ser comparadas a verdadeiras obras de arte (tem uma ótima matéria sobre o assunto aqui no Whiplash!), enquanto que algumas são realmente aberrações da natureza. Uma que sempre me vem a memória é uma outra Gibson (coincidência?), a Reverse Flying V. O tipo de frase que se encaixa bem com essa guitarra é do tipo "... essa aí SABE ser feia!" ou senão "... QUIQUÉISSU??? Cruz-credo!". Bom, mas isso é assunto suficiente para uma outra matéria.

O foco aqui é a ovelha negra da família Wylde... a Graveyard Disciple. O press release já começa bem, com a discutível frase "Scary Good Looks!", algo como "visual assustadoramente bom"! Concordo que é realmente assustador esculpir o corpo de uma guitarra em forma de caixão, mas é difícil concordar com o "Good" na frase em questão.

Lendo também no press release que Zakk Wylde desenhou a guitarra junto com a equipe da Epiphone dá para desconfiar que o talento que ele tem para a música é inversamente proporcional ao seu talento como designer. Também vale ressaltar a falta de "culhões" da equipe de designers da Epiphone em não dizer na cara do guitarrista que sua idéia era um lixo!

Só para finalizar a análise de texto do release publicado pela Epiphone: eles dizem que é só você empunhar uma dessas guitarras no palco para literalmente "acordar os mortos"! Se você é um dos bravos que gostou da nova guitarra-caixão (ou caixão-guitarra) e vai encarar a mocréia, tome cuidado para que os mortos acordados por você não fiquem irritados e resolvam comer o seu cérebro!

Para não dizer que a crítica é 100% negativa, dá para dizer que o estojo em forma de caixão é bem legal (vocês notaram que o meu problema não é com o elemento caixão) e os acessórios (captadores, ponte, tarrachas) são classe A!

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

5000 acessosGaleria - Mais que instrumentos, obras de arte5000 acessosRock Japonês: alguns instrumentos únicos dos músicos5000 acessosInstrumentos: algumas das guitarras mais doidas já feitas

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 03 de dezembro de 2014
Post de 07 de julho de 2016

PreçoPreço
Quanto mais caro, melhor o instrumento?

121 acessosRobert Baker: cinco dicas de como melhorar suas frases de guitarra208 acessosGuitarras: Steve Stine explica como fazer seu solo soar mais rock151 acessosGuitarpedia: 11 dicas para um comportamento mais profissional - Pt2182 acessosRecorde: sujeito toca guitarra por mais de 114 horas seguidas371 acessosBateria: como mudar a afinação da caixa no meio do show0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Instrumentos"

CamisetaCamiseta
Que tal tocar guitarra ou bateria em uma?

SpikeSpike
Os sete piores solos de guitarra

Heavy MetalHeavy Metal
As 10 maneiras de se segurar a guitarra

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades0 acessosTodas as matérias sobre "Instrumentos"0 acessosTodas as matérias sobre "Black Label Society"

Rock e MetalRock e Metal
E se as capas dos álbuns fossem honestas?

Collectors RoomCollectors Room
Baixos, guitarras, calcinhas, e máquina de pinball do Kiss?

EnjauladosEnjaulados
Os crimes mais chocantes da história do rock

5000 acessosRafael Serrante: Ele invadiu o palco do Maiden no Rock In Rio5000 acessosThrash Metal: 20 bandas brasileiras de qualidade inquestionável5000 acessosVocalistas: belíssimos timbres de alguns cantores de rock5000 acessosRevolver Magazine: Os 20 melhores álbuns de 20145000 acessosMetal: alguns dos melhores guitarristas do Brasil em vídeo5000 acessosArch Enemy: técnica vocal e vegetarianismo

Sobre Antonio Parreira

Antonio Parreira, aka Tunão, aka Anton Parr, é arquiteto, designer gráfico e músico. Interessado por música desde sempre, tornou-se fanático por rock depois de descobrir bandas como Kiss, Iron Maiden, Judas Priest e AC/DC. No início dos anos 80 acompanhou o nascimento do Thrash Metal, estilo que se tornou seu preferido de todos os tempos. Tocou em várias bandas nessa linha "Thrash Bay Area" durante os anos 80 e 90: Napalm, Damage, Overthrash, The Still e Avalon. Atualmente é vocalista do Buffalo Theory MTL, banda de Southern Metal de em Montreal, Canadá. Leitor do Whiplash! desde os anos 90 e atualmente colaborando com textos e traduções, diretamente da "terra do Voïvod".

Mais matérias de Antonio Parreira no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online