Matérias Mais Lidas


Stamp

Resenha - White Snake - David Coverdale

Por Carlos Swancide
Postado em 19 de janeiro de 2023

Com o fim do Deep Purple em Março de 1976, David Coverdale foi obrigado a trilhar uma carreira-solo.

Não que o vocalista (originalmente dos Fabulosa Brothers) desejasse manter a banda em ação.

Após 3 anos exaustivos de comparações com Ian Gillan, brigas de egos, vícios e a saída de Ritchie Blackmore, Coverdale se demitiu no palco do último show da banda, em Liverpool. Jon Lord e Ian Paice - membros fundadores - então comunicaram ao vocalista que já não havia mais uma banda.

Após jams com o Uriah Heep e sondagens para o Bad Company, Coverdale gravou seu primeiro disco como solista. "White Snake" acabaria dando nome à sua futura banda (ele prefere trabalhar em grupo), sem porém insinuar o som dos seus futuros sucessos da década de 1980.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - GOO
Anunciar no Whiplash.Net Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O disco - lançado pela gravadora do Deep Purple, "Purple Records" - foi produzido por Roger Glover (baixista da formação Mark II). Glover tocou sintetizador no álbum. A formação se completou com Mick Moody nas guitarras, De Lisle Harper no baixo, Tim Hinckley nos teclados e Simon Philips na bateria (atuou no disco Sin After Sin do Judas Priest), além das backing vocals Liza Strike, Helen Chappelle e Barry St. John (que trabalharam, entre outros com o KISS).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - CLI
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Lançada no auge do Punk Rock britânico (1977), a estréia de Coverdale nadou contra a corrente. O disco passou despercebido. O que não quer dizer que seja um trabalho atemporal ou desconectado da música feita então nas ilhas britânicas ou mesmo no resto do planeta.

A faixa de abertura - "Lady" - mescla o Rock dos Rolling Stones e The Faces de meados da década de 1970 com ecos Funk herdados do Purple (o naipe de metais). Coverdale soa despretensioso, no seu papel de bon vivant da noite londrina. A letra sexy acompanha o ritmo desbragado da esbórnia setentista. Lembra músicas de Rita Lee e Made in Brazil feitas na mesma época, não era algo inovador ou descontextualizado. Autêntico, sem ser original.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - DEN
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Blindman" traz um registro vocal mais baixo e introspectivo, sob uma camada de sintetizadores distantes e a slide guitar melancólica de Moody. A faixa traz o misticismo de Coverdale atravessando as nuances de sua voz alternadamente grave e límpida. De repente, a festa de "Lady" acaba numa busca por sentido na estrada da vida. O que parecia homenagem ao Bad Company se debruça num solo percussivo de guitarra que tira o vocalista da zona de conforto e ele solta o Blues da garganta. A soma das paixões uivantes da guitarra e voz levaria Coverdale adiante por décadas. "Blindman" foi regravada pelo Whitesnake em 1980 (ironicamente, tendo Jon Lord e Ian Paice como integrantes)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - GOO
Anunciar no Whiplash.Net Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Soul e Gospel são as matrizes da sonoridade de Coverdale desde a adolescência; No seu disco de estréia, a faixa que melhor retrata essa paixão é "Goldies' Place", narrativa que remete ao Chitlin' Circuit da década de 1950. Inicialmente a música parece hesitar. Sobre um rastreado Funk, os trechos musicais se entrelaçam devagar. Coverdale toma seu tempo e fôlego para se encaixar nas backing vocalizes. Quando a soma se efetua, temos um vocalista relaxado em seu ambiente preferido, culminando num refrão que oscila entre as vocalistas e David, num ping-pong melódico que lembra Eric Clapton. Até pensamos por que Glenn Hughes não teve essa chance com Coverdale!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - CLI
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O Rock retorna com a faixa título. Numa cavalgada de baixos e guitarras (alô, Iron Maiden...) "White Snake" não anuncia a chegada de um novo som, ou de uma nova banda. O Hard Rock aqui deriva da matriz setentista (as guitarras percorrem "Demon’s Eye", do Deep Purple, o ritmo lembra o Queen e a talking box emula Peter Frampton e Jeff Beck, um favorito de David). Mas o impulso é novo: a faixa pulsa no ritmo dos vocais, diferindo dos tempos de Blackmore e Lord. Retomando uma longa tradição blueseira, Coverdale solta uma infame letra de duplo sentido. "White Snake" traz mais as intenções do que a sonoridade de sua futura banda, mas o amálgama agradou os ouvidos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - DEN
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Time On My Side" não é um cover dos Stones (que também não a compuseram em 1964). De outro modo, é um hino de auto-afirmação digno de "Come Taste the Band". Será que a banda teve chance de recusar essa música? Coverdale ataca os sentidos com vocais sóbrios mas veementes, sem deixar a menor dúvida sobre onde suas esperanças futuras residiam. O Hard Rock aqui emerge da matriz Purple. Os vocais dobrados de Coverdale prenunciam o Whitesnake. Caso Elton John se unisse ao Deep Purple em 1975, essa música seria uma excelente escolha como faixa-título.

"Peace Loving Man" é outra faixa mergulhada no Gospel e no Soul, poderia ser um lado B de Sam Cooke num dia relaxado. Só que Sam (ou Rod Stewart) não seria submergido nos backing vocals. O naipe de metais soa genérico, seguido por um solo de sax e temos algo que as bandas de Coverdale do passado e futuro não gravariam. Se a letra é uma reminiscência de seus dias púrpuras, o efeito é bastante adequado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

"Sunny Days" aprofunda a festa setentista com mais Rock tradicional, num tom mais celebratório. Os metais não deixam dúvidas da influência dos Stones sobre David nessa época (vide "Silver Train") junto a um teclado metalizado que poderia surgir dos Doobie Brothers. Decerto, não é o que os fãs de Whitesnake aguardam – mas os sapatos rock n’roll Coverdale calçou muito antes desses dias.

"Hole in the Sky" remete às baladas da Broadway, trazendo o lado crooner de Coverdale. O moço também toca piano, num arranjo que não faria feio num disco de Barry Manilow. David sempre teve um fraco pelas Love Songs, dessa vez sem qualquer acento Hard Rock ou Blues. Inesperadamente, a faixa prenuncia "Goodbye to Romance" de Ozzy Osbourne e os vocais lembram seu colega Hughes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - GOO
Anunciar no Whiplash.Net Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Celebration" fecha o disco de estréia com percussão latina, guitarra Funk da Filadélfia e clima Disco. Coverdale não estava desconectado de seus arredores em 1977, mas não foi lembrado dessa forma. Sensacionais backing vocals monopolizam o refrão, Mick aperta o taking box e David fica relegado ao papel de MC introduzindo seus amores musicais, sem convencer que essa seria sua carreira-solo. Alquimia digna dos Stones de meados da década ou Earth, Wind and Fire – mas ninguém gostou...

Faixas:
Lady – 8
Blindman – 10
Goldies’ Place – 9
White Snake – 9
Time On My Side – 9
Peace Loving Man – 8
Sunny Days – 8
Hole in the Sky – 8
Celebration – 9

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - CLI
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal
Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Summer Breeze 2024

Perc3ption: a arte levada ao extremo

Resenha do Álbum do Insânia ao vivo no Underground Nativa III

Sentença de Morte: Death Metal para quem curte Death Metal bem executado

Triumph Of Death, projeto de Tom Warrior, resgata ao vivo parte do passado do Hellhammer

Spiritual Cramp acerta a fórmula, mas álbum satura em 26 minutos

Estreia do Superbloom traz de volta o grunge protagonista dos anos 1990

Stratosphere Project: O eco estrondoso da Via-Láctea fundindo-se nas dimensões ocultas

Osbourne: pesado, mas antes de tudo moderno

Resenha - Dark Side of The Moon - Pink Floyd

Resenha - Vovin - Therion

Resenha - P.U.L.S.E. - Pink Floyd


publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS