Matérias Mais Lidas

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemO dia que Serguei fez um react do clipe de "Recomeçar", o hit do Restart

imagemAdrian Smith conta como Iron Maiden permaneceu forte e era grunge passou

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemMetade das pessoas com menos de 23 anos desconhecem Pink Floyd, David Bowie e Bon Jovi

imagemEddie aparece em versão samurai no primeiro show do Iron Maiden em 2022; veja foto

imagem"Metal Tour Of The Year" chega ao fim e Megadeth agradece bandas participantes

imagemAngra: Quantos shows seguidos a voz aguenta sem restrições? Fabio Lione responde

imagemFrank Zappa disse a Steve Vai que ele soava como "um pão com mortadela elétrico"

imagemOzzy Osbourne diz que "tinha muito o que provar" com "No More Tears"


Blind Guardian: disco orquestrado surpreende pelo alto nível apresentado

Resenha - Legacy of the Dark Lands - Blind Guardian

Por Ricardo Seelig
Em 12/11/19

publicidade

É óbvio, mas precisa ser dito: esqueça o Blind Guardian convencional ao ouvir "Legacy of the Dark Lands". O novo álbum do grupo já mostra isso nos créditos, já que é creditado à Blind Guardian Twilight Orchestra e não à banda. Deu pra entender a diferença, certo? Na prática, temos os alemães acompanhados pela Orquestra Filarmônica de Praga, criando a trilha sonora para uma saga que é a sequência do livro Die Dunklen Lande (As Terras Escuras, em português), escrito pelo compatriota Markus Heitz, uma das novas forças da literatura de fantasia.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Quem acompanha a carreira do Blind Guardian sabe que a banda sempre teve o desejo de gravar um álbum acompanhado por uma orquestra. "Legacy of the Dark Lands" é a concretização disso, um processo que demorou mais de vinte anos para ser finalmente realizado e que teve a sua origem ainda na década de 1990, alguns anos antes do magistral "Nightfall in Middle-Earth" (1998). Um ponto importante e que precisa ser mencionado é que este novo trabalho não traz a instrumentação característica do rock – guitarra, teclado, baixo e bateria. Pelo contrário: a parte instrumental é feita totalmente pela orquestra, com Hansi Kürsch postando-se à frente dos músicos e sendo amparado por coros. Logicamente, essa abordagem mostra o Blind Guardian aventurando-se por um terreno totalmente novo e que pode não agradar uma parcela dos fãs.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Legacy of the Dark Lands", como toda obra de música clássica, orquestrada ou erudita – chame como quiser -, não foi feito para ser ouvido de maneira descompromissada e rápida. O trabalho demanda a parceria e a atenção do ouvinte para ser apreciado em sua totalidade. Contando com diversas narrações entre as músicas, que vão apresentando a história e os personagens – e cujos narradores, em muitos casos, são os mesmos de "Nightfall in Middle-Earth" -, o disco funciona como uma grande peça única.

Lembro que muito se falou na época da adaptação cinematográfica da saga O Senhor dos Anéis, de J.R.R. Tolkien, que o Blind Guardian deveria estar na trilha sonora, já que a banda alemã possui uma relação profunda com a obra de Tolkien. Pois bem: Hansi Kürsch e André Olbrich provam com "Legacy of the Dark Lands" que possuem capacidade para realizar um trabalho dessa magnitude. Em diversos momentos é possível imaginar as canções do álbum como trilha para as batalhas com orcs, para as cenas com Aragorn e Legolas, para a jornada de Frodo, para o retorno de Gandalf e diversos momentos marcantes da trilogia dirigida por Peter Jackson.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Legacy of the Dark Lands" é um trabalho criativo, grandioso e épico, sem igual na carreira do Blind Guardian. Mas, sobretudo, é um disco corajoso e destemido, que traz a banda indo por um caminho que nunca pisou de maneira tão profunda, abrindo mão de sua sonoridade clássica e explorando todas as suas aspirações em relação a um elemento que esteve sempre presente em sua música: as orquestrações. O resultado é um disco complexo e muito bonito, que não tem nada de power metal e mostra o Blind Guardian, principalmente Hansi, brilhando de uma maneira que poucos imaginariam.

Vale a pena, e muito.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Lançamento nacional da Shinigami Records.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Kai Hansen: escolhendo as dez maiores bandas de metal da Alemanha



Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig.