RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemA atitude punk da Legião Urbana que causou irritação e deu trabalho na gravação

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemO conselho realista de John Petrucci para bandas que estão começando agora

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemO que faltou para o Overkill entrar no "Big Four" do thrash, segundo D. D. Verni

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagem5 motivos para assistir ao novo RockGol 2023 que estreia em fevereiro


Alter Bridge: a permanência em destaque não é sem motivo

Resenha - Walk The Sky - Alter Bridge

Por Marcio Machado
Postado em 18 de outubro de 2019

Nota: 9

São 15 anos de estrada. Sexto disco de estúdio. Uma formação sólida. Muita, mas muita qualidade. Myles Kennedy, Mark Tremonti, Brian Marshall e Scott Phillips, o Alter Bridge. Banda que parece já ter nascido clássica e a cada lançamento vem mostrando que a permanência em destaque não é sem motivo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como de costume, após três anos a banda traz seu novo trabalho, "Walk the Sky" é o garoto da vez, e mais uma vez a banda acerta em cheio no que nos entrega, mesmo que dessa vez as surpresas não sejam tantas como em outros momentos, ainda assim, o alto nível que o grupo vem apresentando continua impresso ali.

Um breve interlúdio é quem abre o disco, "One Life" vem dar as boas vindas ao ouvinte e deixa só o caminho aberto para o espetáculo começar. "Wouldn’t You Rather" já conhecida do público, é quem coloca os motores para funcionar e o faz muito bem. A faixa é uma dose perfeita de peso, melodia e harmonias muito bem colocadas. Os riffs um tanto marcantes, são extremamente afiados e Kennedy com sua voz, bom, não precisamos falar sobre isso porque seria chover no molhado. Refrão maravilhoso e um ótimo começo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"In the Deep", outro single, procura explorar o lado mais brando da banda, mesmo trazendo alguns momentos mais agitados em seu refrão. Aqui o trabalho vocal fica nítido e mostra totalmente o que Myles é capaz de fazer, brilhando no todo. "Godspeed" é outra que soa mais cadenciada, tem uma levada bastante melódica. E que baita refrão encontramos aqui, a divisão de vozes entre Myles e Mark soa perfeita e o andamento instrumental os carrega para ótimos momentos, como a ponte que é muito bonita, emendando um solo rápido, mas devidamente bem colocado.

"Native Son" é a próxima e que introdução pesada! Aqui a banda mostra o entrosamento total que tem . As melodias do refrão são espetaculares, as guitarras estão em perfeita sincronia e a bateria também ganha um destaque, como sempre nos discos do AB, a mixagem do instrumento é perfeita. A ponte de novo é destaque, um baita trabalho de todos ali. Canção direta e sem enrolação, das melhores aqui.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Outro single dá as caras por aqui, "Take the Crown" alterna entre o peso e as melodias e o faz muito bem, com a banda passeando com extrema naturalidade entre esses momentos. Pega fácil e as harmonias ficam martelando na mente por um bom tempo. A seguinte…aahhhh…

"Indoctrination" é daqueles momentos que a banda se entrega ao todo ao Heavy Metal e aí as coisas soam nervosas. O começo arrastado é cheio de groove e Myles brinca com sua voz. O andamento vai em crescendo, até chegar num refrão que é direto, lembrando muito o estilo de composição do Alice in Chains. Ela segue assim até seu final, com dobras vocais, ritmo cadenciado e muita força, um grande destaque dentro deste disco e candidata a melhor.

"The Bitter End" é o AB se aproximando mais de suas raízes, lá nos dois primeiros álbuns, mas com os ares da experiência que tem atualmente. "Pay No Mind" é um breve flerte também de outrora, mas que vai além, mostra a dinâmica da banda atual e a canção é muito bem construída, trazendo momentos graciosos do conjunto instrumental, principalmente no refrão, as linhas de bateria são de novo muito boas. A ponte com escalas de notas vocais passeando em nossos ouvidos é simplesmente maravilhosa.

"Forever Falling" começa com um dedilhado calmo e pensamos se tratar de uma balada, só pensamos mesmo. O que surge é uma reviravolta com um soco de energia da banda toda aparecendo do nada, groovada e agressiva. Rápida e cadenciada, quem abre as vozes é Mark Tremonti, que já se mostrou um ótimo cantor em seus discos solos. O ritmo que a canção ganha no seu pré refrão é muito marcante, todo quebrado e dinâmico. Lembra muito algo saído do disco "Fortress". Toda a construção da canção é espetacular e também figura entre os destaques aqui e com grandes méritos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Clear Horizon" também começa soturna e cai em outra grande introdução e como amo quando a banda trabalha essas guitarras mais cadenciadas em seus versos. Belas vozes surgem no refrão e um trabalho espetacular das cordas soa junto aqui. E que bela ponte, ponto para a bateria e a explosão de força em seguida. Perfeita!

Já se aproximando de seu fim, "Walk on the Sky" é bastante carregada em seu refrão. Ótimo conjunto de voz e instrumental, e em seguida surge "Tears Us Apart", que assim como sua antecessora, são dos momentos mais calmos e quase apáticos do disco, apesar de trazerem boas passagens, não se destacam muito por tudo que já foi ouvido até então.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Dying Light", é o último single lançado e também responsável por fechar o disco e o faz muito bem. Seu refrão é bem marcante e traz bons versos, ótimas passagens vocais. Encerra de forma de acordo e representa, belo solo, bastante melódico e sombrio como a faixa toda soa.

"Walk the Sky" é de novo a prova de que o Alter Bridge irá se manter por muito tempo no hall das grandes bandas de uma nova safra, que já não é tão nova assim. Como já dito, ele pode não apresentar tantas inovações como em outros momentos, mas ainda assim, a qualidade é notória e vem em peso. Que mais e mais peças como essa surjam!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de Walk The Sky - Alter Bridge

Resenha - Walk The Sky - Alter Bridge

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Velvet Revolver: Os vocalistas já cogitados para a banda

Natal: memórias de Hetfield, Lzzy Hale, Dan Donegan e outros


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Marcio Machado

Estudante de história, apaixonado por cinema e o bom rock, fã de Korn, Dream Theater e Alice in Chains. Metido a escritor e crítico.
Mais matérias de Marcio Machado.