DragonForce: banda conquista a "irreverência madura"

Resenha - Extreme Power Metal - DragonForce

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes
Enviar Correções  

9

Existem muitos nomes no rock e no heavy metal que fazem música "séria", mas demonstram um comportamento absolutamente descontraído e descompromissado nas redes sociais, em entrevistas e mesmo nos shows. Nesta década, é isso que o quarteto inglês de power metal DragonForce virou: uma banda bem-humorada com discos relativamente sérios.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas em 2019, em seu oitavo lançamento de estúdio, o grupo decidiu despirocar de vez. Chutar o balde. Ligar o foda-se. E a mensagem já fica clara logo no título: Extreme Power Metal, o rótulo por vezes atribuído ao som deles, que basicamente consiste num power metal mais alucinado que o usual.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A característica mais importante do disco é ser uma perfeita união da maturidade que a banda demonstrava em seus três trabalhos anteriores com a irreverência de seus lançamentos iniciais, quando seu som chegava a ser caricato de tão artificial e forçado.

Esse casamento está por toda parte, inclusive na estética, profundamente influenciada por games dos anos 1980, como podemos ver na capa e nos clipes de "Highway to Oblivion" e "Heart Demolition". Alguns membros são gamers assumidos e parte da produção do álbum foi transmitida ao vivo pelo guitarrista Herman Li em seu canal no Twitch, evidenciando o quanto a fusão midiática faz sentido para eles.

Mas há outras peças mais "sérias". O pitoresco título "Cosmic Power of the Infinite Shred Machine" esconde um dos pontos altos do disco (inclusive por parte de Coen) e que é sucedido por "The Last Dragonborn" e "Heart Demolition", outros destaques - a primeira por sua roupagem nipônica e a segunda por sua letra sóbria e determinada, que entra em choque com o cômico vídeo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E espere só até ver o clipe de "Razorblade Meltdown", em que versões animadas dos membros literalmente se matam por uma mulher em meio a um sem-número de referências a piadas internas da banda, a maioria das quais eu confesso não ter sido capaz de pegar.

A segunda metade da obra vai intercalando momentos não tão impressionantes quando os iniciais até chegar na dupla final, formada pela curiosa "Remembrance Day", com inéditas gaitas de foles; o improvável cover de "My Heart Will Go On", de Celine Dion; e a faixa bônus "Behind the Mirror of Death", salpicada de Thrash por ter sido composta pelo baixista Frédéric Leclercq.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E falando no talentoso músico francês, Extreme Power Metal marca sua última contribuição para o DragonForce. Pouco antes do lançamento do disco, ele anunciou sua saída do então quinteto, e mais tarde explicou que havia sido convidado para integrar a lenda teutônica Kreator, que pode acomodar de maneira mais apropriada as suas fortes tendências Thrash.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E esta não é a única mudança na formação que ronda o álbum: em 2018, sem alarde e sem despedida oficial, o tecladista Vadim Pruzhanov também foi embora. Eu cantei a bola de que ele faria falta. Contudo, para minha grata surpresa, as teclas são muito competentemente comandadas de forma provisória por Coen Janssen, do Epica.

Ressalto, todavia, que os teclados têm importância grande demais neste grupo para ficarem relegados a um músico de apoio (embora ele tenha até ajudado a compor "The Last Dragonborn"). Então, que achem logo um substituto à altura de Vadim e voltem a ser o sexteto que precisam ser.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Extreme Power Metal, com sua fusão de bom humor e música sóbria, é o álbum definitivo do DragonForce, no sentido literal da palavra, ou seja, é o álbum que melhor define o que a banda é. E é também o lançamento que servirá de parâmetro para trabalhos futuros.

Abaixo, o clipe de "Heart Demolition":

1. "Highway to Oblivion"
2. "Cosmic Power of the Infinite Shred Machine"
3. "The Last Dragonborn"
4. "Heart Demolition"
5. "Troopers of the Stars"
6. "Razorblade Meltdown"
7. "Strangers"
8. "In a Skyforged Dream"
9. "Remembrance Day"
10. "My Heart Will Go On"
11. "Behind the Mirror of Death" (faixa bônus da edição japonesa)

Fonte: Sinfonia de Ideias
http://bit.ly/extremepowermetal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Dragonforce: Ouça cover com músicos do Maranhão, Piauí, Minas Gerais e São Paulo


Dragonforce: e quando o público não sabe a letra?Dragonforce
E quando o público não sabe a letra?

Power Metal: 10 álbuns essenciais segundo About.comPower Metal
10 álbuns essenciais segundo About.com


Slipknot: Corey Taylor não tem a cara limpa por baixo da máscaraSlipknot
Corey Taylor não tem a cara limpa por baixo da máscara

Sons Of Anarchy: a obra-prima televisiva e sua fantástica trilha!Sons Of Anarchy
A obra-prima televisiva e sua fantástica trilha!


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

Goo336 Cli336 GooAdHor Goo336 Cli336 Goo336 Goo336 Cli336