Primal Fear: soando mais contemporâneo em novo trabalho

Resenha - Apocalypse - Primal Fear

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collector's Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Fazia muito tempo que eu não ouvia nada do Primal Fear. E, pra ser ainda mais sincero, nem sabia que a banda é agora um sexteto, formação essa que tem em "Apocalypse" o seu segundo registro em estúdio após a entrada em definitivo de Tom Naumann na terceira guitarra - a estreia ocorreu no trabalho anterior, "Rulebreaker" (2016).

Zakk Wylde e Dave Grohl: A treta por causa de canções para OzzyRolling Stone: os 100 melhores álbuns dos anos 90

"Apocalypse" foi lançado em agosto de 2018 na Europa e está saindo agora no Brasil pela Hellion Records. O trabalho é o décimo-segundo da banda alemã, uma das principais e mais tradicionais referências do power metal em todo o planeta. Produzido pelo baixista Mat Sinner, "Apocalypse" vem com onze faixas e traz um som mais moderno do que aquele que levou o Primal Fear a ser reconhecido por fãs de metal em todo o planeta. Há claras influências contemporâneas na sonoridade da banda, refletidas tanto nos timbres como na construção das canções, na forma como os riffs são tocados e nos arranjos e andamentos apresentados. A presença de três guitarras, ainda que não seja traduzida em harmonias e evoluções na escola do Iron Maiden, compensa isso com uma parede de riffs densa e pra lá de pesada. E tudo isso mantendo o universo do grupo dentro do power metal, o que não deve causar sustos aos fãs mais ortodoxos.

Algo que nunca muda no Primal Fear é a fixação pela obra do Judas Priest, e aqui não é diferente. Tanto estética quanto musicalmente, a influência de Rob Halford e companhia é uma das características mais marcantes dos alemães desde sempre. Músicas como "Blood, Sweat & Fear" reafirmam essa ascendência, algo que não é - e nem nunca foi - necessariamente um problema. Porém, é inegável que a construção de uma identidade original jamais esteve entre as prioridades da turma de Ralf Scheepers.

Tecnicamente, temos um álbum com canções bem executadas e um vocalista acima da média, como sempre. No aspecto criativo, falta aquela canção que faz o ouvido brilhar, apesar de não haver nenhuma música que possa ser classificada como ruim. O Primal Fear sempre foi uma banda com uma legião de fãs, porém jamais se elevou ao primeiro escalão do metal mundial, e os fatores já citados no texto certamente contribuíram para isso.

"Apocalypse" é um bom disco, onde o Primal Fear mantém a média de sua carreira. Não é algo que vá mudar o rumo do power metal nem tampouco ficar para a história, porém é um trabalho agradável para quem é fã do grupo alemão e proporciona uma audição interessante pra quem curte um metal mais tradicional e clássico.

Pedir mais do que isso para o Primal Fear seria não apenas exigir demais da banda, mas também não conhecer a história do sexteto germânico.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Primal Fear"


Power Metal: 10 álbuns essenciais segundo About.comPower Metal
10 álbuns essenciais segundo About.com

Nicko McBrain: pedal duplo é pra caras como Aquiles PriesterNicko McBrain
Pedal duplo é pra caras como Aquiles Priester

Metallica: As 5 melhores versões de terceiros dos seus clássicosMetallica
As 5 melhores versões de terceiros dos seus clássicos


Zakk Wylde e Dave Grohl: A treta por causa de canções para OzzyZakk Wylde e Dave Grohl
A treta por causa de canções para Ozzy

Rolling Stone: os 100 melhores álbuns dos anos 90Rolling Stone
Os 100 melhores álbuns dos anos 90

Novas caras do metal: 40 bandas que você precisa conhecerNovas caras do metal
40 bandas que você precisa conhecer

Pantera: o surreal e constrangedor funeral de Dimebag DarrellPantera
O surreal e constrangedor funeral de Dimebag Darrell

Poeira: Rockstars e as bandas que eles sonhavam fazer partePoeira
Rockstars e as bandas que eles sonhavam fazer parte

Kurt Cobain: ele era ambicioso apesar da imagem de antiastroKurt Cobain
Ele era ambicioso apesar da imagem de antiastro

Eddie Vedder: Coloquei a minha mão na bota dela e ela chutou o ar na horaEddie Vedder
"Coloquei a minha mão na bota dela e ela chutou o ar na hora"


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336