RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA opinião de Slash sobre Dave Mustaine e "Rust In Peace", clássico do Megadeth

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemOs 4 fatores determinantes que levaram Renato Russo a dependência química

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemRolê aleatório: Geoff Tate e Rhapsody se divertem em aeroporto no aeroporto

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemEx-guitarrista do Megadeth não liga para Mustaine e diz que está "fazendo dinheiro para ele"

imagemA medida extrema que Dio pensou em tomar por não curtir "Rainbow in the Dark"

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemMike Portnoy comprou "Piece Of Mind", do Maiden, em excursão escolar

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco


Stamp

Alice Cooper: Resenha do novo álbum Paranormal

Resenha - Paranormal - Alice Cooper

Por Neimar Secco
Postado em 06 de agosto de 2017

De início, vamos nos desapegar um pouco da personalidade de "I'm Eighteen", "School's Out" e "No More Mister Nice Guy" e nos concentrar em outras músicas icônicas da mesma época e também de fases posteriores da carreira de Alice Cooper, tais como "Second Coming" e "Ballad Of Dwight Fry". Embora sejam todas clássicas referências dos primórdios do personagem de Alice Cooper, a personalidade paranoica/paranormal que Alice apresenta nesse álbum está, de certa forma, mais conectada com o personagem da camisa de força, perpetuado sob a alcunha de Dwight Fry, (referência ao ator de filmes de horror, Dwight Frye, das décadas de 1920 e 1930).

Embora não seja exatamente inovador musicalmente, esse novo álbum vem repleto de energia e capricho nos arranjos e na execução de músicas no melhor estilo Alice Cooper: dramáticas, climáticas.

Se eu fosse psiquiatra ou um estudioso da mente humana em qualquer grau, provavelmente contrataria Alice Cooper para dar aulas aos meus alunos ou a interessados (como eu) nas várias nuances e níveis de desencontros da mente humana. Talvez assim todos assumíssemos nosso grau (do mais leve ao mais elevado, dependendo da condição psíquica de cada um), de "paranóias e conflitos internos.

Tudo aqui, cada faixa aborda sentimentos próprios e nos dá lições que alimentam nosso intelecto e nosso espírito. O Alice Cooper cristão reaparece (como vem acontecendo cada vez mais em sua carreira desde os anos 70, mas com mais ênfase a partir de The Last Temptatrion, de 1994, passando pelos dilemas de personagens dos álbuns Brutal Planet, Dragontown, The Eyes Of Alice Cooper, Along Casme A Spider, etc.

Mas se você se incomoda com essa temática, o que exatamente está a procurar ainda na música de Alice Cooper, a não ser mais maturidade e um senso de humanidade mais apurados que a idade traz?

Poderíamos argumentar (de novo) que o cara que canta "School's Out" e "I'm Eighteen" ou mesmo "Poison" não é o mesmo que compôs e que executa esse ótimo álbum. Seria até justificável pensar assim, caso pudéssemos negar a evolução da mente e da maturidade, particularmente de Alice Cooper.

A faixa de abertura, "Paranormal", que conta com Roger Glover do Deep Purple no baixo, contém diversas mudanças rítmicas, nesse sentido, mas apenas nesse, lembrando outro clássico, "Halo of Flies", do álbum Killer, de 1971.

Em "Dead Flies", destaque para o refrão "poderoso" e a batera surpreendente de Larry Mullen do U2, que aliás, toca na maioria das faixas, substituído pelo baterista da banda que gravou os primeiros sete álbuns, Neal Smith, em quatro faixas. (Veja nos créditos abaixo a relação dos músicos que tocam em cada faixa).

"Fireball" é uma daquelas músicas do Alice Cooper, ao longo de sua carreira, em que ele parece estar narrando uma cena ou sequência de cenas de um filme/documentário. Essa faixa conta com a participação especial do lendário Dennis Dunaway, da banda original de Alice Cooper (1964 - 1974).

A fantástica (na minha opinião) "Paranoiac Personality", que contém referência ao tema do filme de Hitchcock, Psicose, talvez seja a faixa mais "radiofônica do álbum.

"Fallen In Love" conta com a guitarra de Billy Gibbons do ZZ Top. O tema remete a "No More Mister Nice Guy" e também a "Desperado", clássicas dos álbuns Billion Dollar Babies e Killer, respectivamente.

"Dynamite Road" continua com as citações a lugares e fases da carreira e da vida de Alice, agora, com citaçõea a Detroit, lembrando as festas regadas (no caso específico de Alice) a muito álcool e também (no caso de seus amigos) drogas mais pesadas.

"Private Public Breakdown" remete a "Elected", tem uma roupagem mais "new wave" e o personagem, consciente de ter colapsos nervosos em público, se diverte com esse fato.

"Holy Water" (que, na verdade é uma regravação do original de outra banda, com inserção de versos de Alice) é a versão religiosa de Alice dando as caras novamente. O arranjo parecido com o de uma big band dos anos 40, com sapateados lembra uma das várias influências extra-rock da carreira de Alice: os musicais da Broadway.

[an error occurred while processing this directive]

"Rats" contém um forte refrão e um arranjo também bastante energéticos que não vão deixar o ouvinte estático ao ouvir.

"The Sound Of A" é a que mais se aproxima de uma balada. Tem uma leve semelhança com "This House Is Haunted" do álbum The Eyes Of Alice Cooper, de 2003.

"Genuine American Girl" conta com a participação de toda a banda original, com exceção obviamente, do falecido Glen Buxton, e ainda traz outro colaborador dos mais ilustres dos anos 1970, Steve Hunter.

"You And All Your Friends" faz lembrar a história de "Inmates (We´re All Crazy), faixa de encerramento do temático From The Inside, de 1978.

[an error occurred while processing this directive]

As faixas ao vivo foram gravadas em Columbus, Ohio, em 2016. Na minha opinião, as que mais se destacam são "Only Women Bleed" (a parceria mais bem-sucedida de todos os bons trabalhos compostos pela dupla Alice Cooper/Dick Wagner) e "School's Out", que com o passar do tempo, fica ainda melhor ao vivo.

Banda ao vivo:
Guitars - Ryan Roxie, Nita Strauss, Tommy Henriksen
Drums - Glen Sobel
Bass - Chuck Garric
Backing Vocals - All

Pode-se dizer que, esse álbum mescla, de certa forma, a "normalidade" dos trabalhos recentes de Alice Cooper a uma temática e execução pulsantes e contagiantes. A voz de Alice está super bem, tendo-se em conta que nem todos os que chegam à sua idade ainda ativos contam com a mesma disposição e "fôlego".

[an error occurred while processing this directive]

CRÉDITOS:

O álbum
Produced by Bob Ezrin with Tommy Henriksen and Tommy Denander
Mixed by Bob Ezrin and Justin Cortelyou
Basic Tracks recorded at Oceanway and Anarchy Studios, Nashville, TN
Gravações adicionais: Anarchy West Studios, Los Angeles, CA. The Saltmine Studios Oasis, Mesa, AZ. Subterranean Studios, Toronto, Canada. X-Level, Stockholm, Sweden.
Mixed at Anarchy Studios

Músicos:

Paranormal:
Guitars - Tommy Henriksen, Tommy Denander
Drums - Larry Mullen Jr
Bass - Roger Glover
Keyboards - Bob Ezrin
Horns - Jeremy Rubolino
Backing Vocals - Tommy Henriksen

Dead Flies:
Guitars - Tommy Henriksen, Tommy Denander
Drums - Larry Mullen Jr
Bass - Jimmie Lee Sloas
Backing Vocals - Tommy Henriksen

[an error occurred while processing this directive]

Fireball:
Guitars - Tommy Denander, Tommy Henriksen, Nick Didkovsky
Drums - Larry Mullen Jr
Bass - Dennis Dunaway
Organ - Bob Ezrin

Paranoiac Personality:
Guitars - Tommy Henriksen, Tommy Denander
Drums - Larry Mullen Jr
Bass - Jimmie Lee Sloas
Percusssion and Backing Vocals - Tommy Henriksen
Sound Effects - Tommy Henriksen and Bob Ezrin

Fallen In Love:
Guitars - Billy Gibbons, Tommy Denander, Tommy Henriksen
Drums - Larry Mullen Jr
Bass - Jimmie Lee Sloas
Backing Vocals - Tommy Henriksen

Dynamite Road:
Guitars - Tommy Denander, Tommy Henriksen
Drums - Larry Mullen Jr
Bass - Jimmie Lee Sloas
Percussion, Backing Vocals & Sound Effects - Tommy Henriksen

[an error occurred while processing this directive]

Private, Public Breakdown:
Guitar - Tommy Denander, Tommy Henriksen, Parker Gispert
Drums - Larry Mullen Jr
Bass - Jimmie Lee Sloas
Backing Vocals - Tommy Henriksen, Bob Ezrin, Parker Gispert, Alice Cooper

Holy Water:
Guitars - Tommy Denander, Tommy Henriksen, Steve Hunter
Drums - Larry Mullen
Bass - Jimmie Lee Sloas
Horns - Jeremy Rubolino, Adrian Olmos, Chris Traynor
Backing Vocals - Demi Demaree, Tommy Henriksen, Johnny Reid

Rats:
Guitars - Tommy Henriksen, Michael Bruce, Tommy Denander
Drums - Neal Smith
Bass - Dennis Dunaway
Percussion, Backing Vocals, Sound Effects - Tommy Henriksen
Keyboards - Bob Ezrin, Tommy Henriksen

The Sound Of A:
Guitars - Tommy Denander, Tommy Henriksen, Nick Didkovsky
Drums - Larry Mullen Jr
Bass - Dennis Dunaway
Organ - Bob Ezrin
Backing Vocals, Sound Effects - Tommy Henriksen
Backing Vocals - Demi Demaree, Tommy Henriksen, Johnny Reid

Genuine American Girl:
Guitars - Michael Bruce, Tommy Denander, Steve Hunter
Drums - Neal Smith
Bass - Dennis Dunaway
Keyboards, Backing Vocals - Bob Ezrin

You And All Your Friends:
Lead Guitar - Steve Hunter
Guitars - Tommy Denander, Michael Bruce, Nick Didkovsky
Drums - Neal Smith
Bass - Dennis Dunaway
Backing Vocals - Tommy Henriksen, Bob Ezrin

Live Tracks from Columbus, OH 2016

Comente: O que você achou do novo álbum de Alice Cooper?


Outras resenhas de Paranormal - Alice Cooper

Resenha - Paranormal - Alice Cooper

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps



Alice Cooper e TNT: a semelhança de Be my Lover e Não Sei

Morte: confira 15 das melhores músicas sobre o tema


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Neimar Secco

Welcome to my nightmare. Sou professor de inglês e de português e também tradutor eventual. Rock sempre foi e continua sendo a minha trilha sonora de todas as horas. Minhas preferências são hard rock, progressivo e classic rock em geral (anos 60, 70 e 80). Bandas favoritas: Alice Cooper, Led Zeppelin, Black Sabbath, Ozzy Osbourne, Pink Floyd, Beatles, Creedence, The Doors, Dire Straits, entre muitas outras.
Mais matérias de Neimar Secco.