Anderson/Stolt: Retorno aos gloriosos dias do apogeu do Yes

Resenha - Invention Of Knowledge - Anderson/Stolt

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Roberto Rillo Bíscaro
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10

Roine Stolt é figura-chave do prog sueco desde os anos 70, quando liderava o Kaipa. Em 94, criou o The Flower Kings, em atividade desde então e um dos líderes da cena prog mundial, juntamente com o Spock's Beard, ex-banda de Neal Morse, que com Stolt é parte do multinacional supergrupo Transatlantic. A comunidade prog não é muito grande. O já 60tão Stolt é da escola sinfônica do prog rock de matriz anos setenta e uma de suas influências confessas e marcantes é o baluarte Yes.

David Coverdale: Em 1974, o Deep Purple Expulsou o ACDC do palcoSuzi Quatro: a importância da linda baixista para o rock

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Depois de ser demitido do Yes em 2008, o inglês naturalizado norte-americano Jon Anderson tem tido mais êxito artístico do que a banda que formou em 1968, com o falecido baixista Chris Squire. Sempre envolvido num projeto ou noutro, Anderson formou a APB, Anderson-Ponty Band, cujo álbum resultante, pode não ser obra-prima, mas é bem bom (link para resenha ao fim desta nota). Já o Yes, lançou o competente Fly From Here (2011), mas depois o imperdoavelmente insosso Heaven & Earth, cada um com um vocalista (links para resenhas ao fim desta nota). A despeito de Anderson ter demonstrado desejo de retornar ao Yes, Steve Howe parece estar feliz sem o baixinho, apelidado de Napoleão por seus colegas no auge do sucesso setentista.

Dia 24 de junho, saiu na Europa o álbum Invention Of Knowledge, colaboração entre a voz d'anjo de Anderson e a celestial guitarra de Roine Stolt. O projeto foi batizado progressivamente de Anderson/Stolt e é nocaute nos ex-companheiros do Yes, porque soa digno do período áureo da banda, entre 72-4.

As 9 faixas dividem-se em 3 suítes, respectivamente com 3, 2 e 3 canções cada e uma última faixa independente, a mais comprida música individual do álbum, com mais de 11 minutos. As suítes são de uma homogeneidade brilhante, recheadas de luxuosa orquestração, floreios de teclados e a lírica guitarra de Stolt, que ponteia as canções conduzindo-as por debaixo d'água e ocasionalmente emergindo para brincar na superfície, qual golfinho. Que seu timbre lembre os melhores momentos de Howe e que fãs do Yes reconheçam trechos reminiscentes de Close To The Edge, Relayer ou mesmo do primeiro solo de Anderson não significa que seja cópia, mas que a marca Yes é tão forte que virou traço de DNA. Stolt tem estilo próprio, mas foi influenciado pelo Yes, então, a sonoridade está lá. Ademais, quantos fãs de Jon Anderson não esperam serem transportados para os gloriosos dias do ápice?

De pouco adianta descrever as suítes e dizer que o início de We Are Truth tem clima indiano e que o final de Everybody Heals é jazzístico. O que importa é que Invention Of Knowledge é onda de prog sinfônico com todo o drama do subgênero e por isso colocará fanáticos de joelhos com as mãos para o céu agradecendo Jon e Roine.

A voz de Anderson está um pouco granulada, mas o cara tem 71 anos. Mesmo assim não dá pra reclamar; ele continua aquele anjão que perdoamos mesmo quando canta que "somos gloriosos" ou "vivemos verdadeiramente no paraíso" - ideias questionáveis para onças olímpicas em Manaus ou gays em Orlando. O timbre agudo da voz sobreposto ao agudo da instrumentação apenas soma ao clima Yes dos Primeiros Dias.

O senão fica com o começo da última canção, a independente. Parte de Know... parece demo. Como nossa apreciação das coisas se dá por comparação, a abundância dos arranjos das suítes destoa da escassez do início de Know... Mas, são apenas minutos, depois a canção se encorpa e assume tom sinfônico setentista. Quando ocorre a descarga de teclado analógico e Anderson faz um malabarismo vocal digno do perfeito Close To The Edge, os olhos marejam.

Em menos de 30 dias, o rock progressivo produziu dois grandes álbuns: dia 27 de maio, Folklore, do Big Big Train e 24 de junho, Invention Of Knowledge, de Anderson/Stolt. 2016 tem sido bom e esses dois álbuns já estão na lista de melhores do ano.

Tracklist
1. "Invention" (09:41)
2. "We Are Truth" (06:41)
3. "Knowledge" (06:30)
Knowing
4. "Knowing" (10:31)
5. "Chase and Harmony" (07:17)
Everbody Heals
6. "Everybody Heals" (07:36)
7. "Better by Far" (02:03)
8. "Golden Light" (03:30)
9. "Know..." (11:13)

The Anderson-Ponty Band: Ex-Yes e Jean Luc Ponty no topo da forma

Yes: Levantando novo voo em 2011

Yes: Voo de Ícaro com o "Heaven & Earth'

Big Big Train: Folklore já é um dos grandes álbuns prog do ano




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Yes"Todas as matérias sobre "Flower Kings"


Yes: os álbuns da banda, do pior para o melhorYes
Os álbuns da banda, do pior para o melhor

Rita Lee: Ela participou de suruba com o Yes e furtou a cobra de Alice CooperRita Lee
Ela participou de suruba com o Yes e furtou a cobra de Alice Cooper


David Coverdale: Em 1974, o Deep Purple Expulsou o ACDC do palcoDavid Coverdale
Em 1974, o Deep Purple Expulsou o ACDC do palco

Suzi Quatro: a importância da linda baixista para o rockSuzi Quatro
A importância da linda baixista para o rock


Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário e edita o Blog do Albino Incoerente desde 2009.

Mais matérias de Roberto Rillo Bíscaro no Whiplash.Net.

adGoo336