Matérias Mais Lidas

imagemRegis Tadeu explica porque Sandy não deve cantar músicas do Metallica

imagemO Metallica não tem mais o que provar, muito menos algo novo para oferecer

imagemNoel Gallagher revela o rockstar que ficou mais impressionado de conhecer pessoalmente

imagemOs curiosos dois significados da expressão "Eu quero ver o oco", segundo Digão

imagemO impagável apelido que Andre Matos deu a Luis Mariutti por sua pontualidade

imagemO surpreendente disco que Tom Morello considera um dos melhores de todos os tempos

imagemOs Raimundos traíram os Titãs? Sérgio Britto comenta e conta a versão dele

imagemPaul Stanley, do Kiss, fala sobre os shows da reunião do Pantera

imagemAngra: Luis Mariutti conta sobre atritos entre Andre Matos e Rafael Bittencourt

imagemGuitarrista Brian Ray conta como é ter Paul McCartney como patrão

imagemMetallica: o que Regis Tadeu achou de "Lux Aeterna", nova música da banda?

imagemAndreas Kisser opina sobre a reunião do Pantera, que começou nesse sábado

imagemRobert Plant confessa de qual música o Led Zeppelin tirou "Gallows Pole"

imagemCinco discos de heavy metal para ouvir sem pular nenhuma faixa

imagemA estratégia do Barão Vermelho para evitar críticas de copiar Titãs nos anos 1990


Summer Breeze
Samael Hypocrisy

Anderson/Stolt: Retorno aos gloriosos dias do apogeu do Yes

Resenha - Invention Of Knowledge - Anderson/Stolt

Por Roberto Rillo Bíscaro
Postado em 30 de junho de 2016

Nota: 10

Roine Stolt é figura-chave do prog sueco desde os anos 70, quando liderava o Kaipa. Em 94, criou o The Flower Kings, em atividade desde então e um dos líderes da cena prog mundial, juntamente com o Spock’s Beard, ex-banda de Neal Morse, que com Stolt é parte do multinacional supergrupo Transatlantic. A comunidade prog não é muito grande. O já 60tão Stolt é da escola sinfônica do prog rock de matriz anos setenta e uma de suas influências confessas e marcantes é o baluarte Yes.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Depois de ser demitido do Yes em 2008, o inglês naturalizado norte-americano Jon Anderson tem tido mais êxito artístico do que a banda que formou em 1968, com o falecido baixista Chris Squire. Sempre envolvido num projeto ou noutro, Anderson formou a APB, Anderson-Ponty Band, cujo álbum resultante, pode não ser obra-prima, mas é bem bom (link para resenha ao fim desta nota). Já o Yes, lançou o competente Fly From Here (2011), mas depois o imperdoavelmente insosso Heaven & Earth, cada um com um vocalista (links para resenhas ao fim desta nota). A despeito de Anderson ter demonstrado desejo de retornar ao Yes, Steve Howe parece estar feliz sem o baixinho, apelidado de Napoleão por seus colegas no auge do sucesso setentista.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Dia 24 de junho, saiu na Europa o álbum Invention Of Knowledge, colaboração entre a voz d’anjo de Anderson e a celestial guitarra de Roine Stolt. O projeto foi batizado progressivamente de Anderson/Stolt e é nocaute nos ex-companheiros do Yes, porque soa digno do período áureo da banda, entre 72-4.

As 9 faixas dividem-se em 3 suítes, respectivamente com 3, 2 e 3 canções cada e uma última faixa independente, a mais comprida música individual do álbum, com mais de 11 minutos. As suítes são de uma homogeneidade brilhante, recheadas de luxuosa orquestração, floreios de teclados e a lírica guitarra de Stolt, que ponteia as canções conduzindo-as por debaixo d’água e ocasionalmente emergindo para brincar na superfície, qual golfinho. Que seu timbre lembre os melhores momentos de Howe e que fãs do Yes reconheçam trechos reminiscentes de Close To The Edge, Relayer ou mesmo do primeiro solo de Anderson não significa que seja cópia, mas que a marca Yes é tão forte que virou traço de DNA. Stolt tem estilo próprio, mas foi influenciado pelo Yes, então, a sonoridade está lá. Ademais, quantos fãs de Jon Anderson não esperam serem transportados para os gloriosos dias do ápice?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

De pouco adianta descrever as suítes e dizer que o início de We Are Truth tem clima indiano e que o final de Everybody Heals é jazzístico. O que importa é que Invention Of Knowledge é onda de prog sinfônico com todo o drama do subgênero e por isso colocará fanáticos de joelhos com as mãos para o céu agradecendo Jon e Roine.

A voz de Anderson está um pouco granulada, mas o cara tem 71 anos. Mesmo assim não dá pra reclamar; ele continua aquele anjão que perdoamos mesmo quando canta que "somos gloriosos" ou "vivemos verdadeiramente no paraíso" – ideias questionáveis para onças olímpicas em Manaus ou gays em Orlando. O timbre agudo da voz sobreposto ao agudo da instrumentação apenas soma ao clima Yes dos Primeiros Dias.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O senão fica com o começo da última canção, a independente. Parte de Know... parece demo. Como nossa apreciação das coisas se dá por comparação, a abundância dos arranjos das suítes destoa da escassez do início de Know... Mas, são apenas minutos, depois a canção se encorpa e assume tom sinfônico setentista. Quando ocorre a descarga de teclado analógico e Anderson faz um malabarismo vocal digno do perfeito Close To The Edge, os olhos marejam.

Em menos de 30 dias, o rock progressivo produziu dois grandes álbuns: dia 27 de maio, Folklore, do Big Big Train e 24 de junho, Invention Of Knowledge, de Anderson/Stolt. 2016 tem sido bom e esses dois álbuns já estão na lista de melhores do ano.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tracklist
1. "Invention" (09:41)
2. "We Are Truth" (06:41)
3. "Knowledge" (06:30)
Knowing
4. "Knowing" (10:31)
5. "Chase and Harmony" (07:17)
Everbody Heals
6. "Everybody Heals" (07:36)
7. "Better by Far" (02:03)
8. "Golden Light" (03:30)
9. "Know…" (11:13)

Resenha - Better Late Than Never - Anderson-Ponty Band

Resenha - Fly From Here - Yes

Resenha - Heaven & Earth - Yes

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Resenha - Folklore - Big Big Train

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Steve Howe conta que só agora o Yes toca "Close to the Edge" como ela foi escrita

Yes: as dez melhores performances de Chris Squire

1978: 70 discos de rock e metal lançados há 40 anos

Rolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutos

Doors - Perguntas e Respostas

Iron Maiden: quanto tem de patrimônio cada um dos integrantes da banda?


Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário e edita o Blog do Albino Incoerente desde 2009.

Mais matérias de Roberto Rillo Bíscaro.