Computer Mind: Uma metal opera sobre a Síndrome de Asperger

Resenha - Aspie Project - Computer Mind

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Muito além de Ayreon e Avantasia, as metal operas viraram praticamente um nicho de mercado, o que nos traz coisas boas e ruins. Felizmente, hoje falaremos de coisa boa. O projeto Computer Mind foi montado tendo como base músicos pouco conhecidos: o líder e baixista Mike van den Heuvel, o guitarrista solo Edwin Kraft van Ermel, o guitarrista rítmico Berry Lakerveld, o tecladista Koen van Amerongen e o baterista David Mulder.

Fotos de Infância: Ozzy OsbourneAC/DC: Brian revela segredo obscuro de Angus Young

O objetivo do projeto, financiado coletivamente, era criar um álbum que falasse da Síndrome de Asperger, um distúrbio que faz parte do espectro do autismo e com o qual o músico convive. A história seria contada como uma autobiografia.

O time de vozes parece retirado de um álbum qualquer do Ayreon: o próprio Arjen Anthony Lucassen (líder do supracitado projeto) aparece, fazendo o papel do Doutor, embora ele só narre, e não cante. O protagonista, inspirado no próprio Mike, é chamado de "O Filho" e interpretado por Wilmer Waarbroek. Não se lembra dele? Ele fez os backing vocals do mais recente disco solo do Arjen, Lost in the New Real, e também gravou todos os vocais da versão demo do álbum mais recente do Ayreon, The Theory of Everything. O time é complementado por Damian Wilson (Threshold, Headspace), Marcela Bovio (Elfonía, Stream of Passion) e Marjan Welman (Autumn), que fazem o papel de O Pai, A Mãe e A Namorada, respectivamente.

O álbum conta ainda com alguns instrumentistas convidados, incluindo violinistas e violoncelistas. A primeira escutada, o resultado final parece uma tentativa de copiar o Ayreon, mas o disco vai sendo digerido com mais audições e logo percebe-se uma identidade mais própria.

Além das faixas convencionais, há uma introdução e quatro interlúdios narrados por Arjen, além de um encerramento instrumental que reprisa o fundo do primeiro interlúdio. As narrações explicam como os portadores da Síndrome de Asperger lidam com as situações do dia a dia. As demais canções descrevem tais situações, incluindo escola, divórcio dos pais, relacionamentos, etc. Os diálogos, embora previsíveis, expressam com honestidade as aflições do personagem e daqueles próximos a ele.

O instrumental chama a atenção pelos arranjos dinâmicos e esmerados, ambientando fúria, medo e angústia de acordo com a temática. Os vocais foram muito bem interpretados, transmitindo emoção verdadeira. Destaque para as dramatizações de Marcela e Damian no vídeo de "Divorce" (veja ao final do texto).

O Ayreon foi uma influência óbvia e talvez até demasiada. Além do elenco, a narrativa e a organização do álbum lembram muito lançamentos recentes do projeto holandês - existem até frases inteiras que parecem extraídas de The Human Equation e The Thoery of Everything. Faltou um pouco mais de originalidade na criação das letras.

Apesar disso, fica o elogio para a ótima instrumentação, e principalmente para a iniciativa de Mike em tratar de um tema tão sério. O metal muitas vezes se esquiva de lidar com problemas gerais, preferindo a fantasia ou aflições pessoais. Que tal um trabalho inteiro dedicado a um distúrbio que afeta muitas pessoas pelo mundo?

O Computer Mind é um projeto bem promissor, que se apresenta ao mundo com uma mensagem de conscientização. Precisa correr atrás de uma proposta e de um estilo de narrativa mais originais, com diálogos menos superficiais. Se o fizerem, já terão alcançado um nível maior.

Abaixo, o vídeo de "Divorce":

Track-list:
1. "Diagnosis"
2. "Talk"
3. "Childhood"
4. "Coma"
5. "Education"
6. "Talk"
7. "Friendship"
8. "Talk"
9. "Relationship"
10. "Blind to Emotion"
11. "Little Box"
12. "Divorce"
13. "Talk"
14. "A Gift Disguised as a Dilemma"
15. "Outro"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Computer Mind"Todas as matérias sobre "Ayreon"


Gigantes do Rock e MetalGigantes do Rock e Metal
Alguns músicos muito, muito altos

Top 10Top 10
Álbuns conceituais


Fotos de InfânciaFotos de Infância
Ozzy Osbourne muito antes da fama

AC/DCAC/DC
Brian revela segredo obscuro de Angus Young

CD vs VinilCD vs Vinil
Não diga que o som do vinil é melhor - porque não é

Restart: Trecho de "Enter Sandman" do Metallica no VMB 2010Metallica: foto rara de formação original do grupoAteísmo: vídeo cristão faz reflexão sobre alguns rockstarsSlipknot: as participações na trilha sonora de filmes

Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336