Peter Frampton: Os 40 anos do álbum Frampton Comes Alive

Resenha - Frampton Comes Alive! - Peter Frampton

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Herick Sales, Fonte: Herick Sales Guitar
Enviar correções  |  Ver Acessos

Há uns dias, venho pensando em escrever sobre o quanto Peter Frampton é subestimado, e falar sobre a qualidade de suas canções e seu talento como guitarrista, até que ao abrir o facebook, na página do próprio, há um recado comemorativo dos 40 anos do álbum ao vivo mais vendido de todos os tempos: Frampton Comes Alive!

Gosto Musical: artistas falam do que devia ser banido para sempreMetallica: o video game da banda que nunca foi lançado

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Você não leu errado. Esse foi o álbum ao vivo mais vendido de todos os tempos, bem mais vendido do que clássicos do rock, como Made in Japan, do Deep Purple, ou Live After Death, do Iron Maiden. Peter Frampton era guitarrista do Humble Pie, onde mostrou no álbum Performance - Rockin' The Filmore, que não devia a nenhum Jimmy Page ou Blackmore, em matéria de improviso no palco. Mas logo após, Frampton decidiu seguir carreira solo, tendo 3 álbuns com boas músicas, mas o auge da sua carreira veio em 76, com o álbum ao vivo Frampton Comes Alive !, que vendeu um milhão de cópias já na primeira semana! Assim como em sua carreira toda, não há virtuosismos em excesso, e sim, boas canções, bem trabalhadas, com guitarras muito bem construídas em torno de seus arranjos. Desse álbum, que saíram as versões de absurdo sucesso das canções "Show Me The Way" ( com seu clássico uso de talk box ), e "Baby, I Love Your Way", duas músicas compostas em apenas um dia. Mas o álbum, e sua carreira no geral vão muito além disso: há baladas acústicas, hard rock vigoroso, blues e pequenas ideias jazzy inseridas em suas canções e fraseados, bastando apenas você dar a devida atenção a músicas como "(I'll Give You) Money", ou ao clássico irretocável "Do You Feel Like You Do", no qual há de tudo: introdução com toques de jazz, frases de blues, riffs de hard anos 70, além de um longo improviso, com uso do talk box ( isso bem antes do Slash ou Richie Sambora ), e muita melodia. E foi assim que Frampton moldou seu estilo: mesclando suas composições com riffs e fraseados melódicos, que sempre contornam a canção com maestria.

Que esse álbum possa entrar na sua lista de álbuns a ser escutados nesse início de 2016, pois ter um álbum ao vivo, que a 40 anos lidera como o mais vendido, é um feito que com certeza, credita a qualidade de um trabalho.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Peter Frampton"


Álbuns ao vivo: 10 grandes registros da história do rockÁlbuns ao vivo
10 grandes registros da história do rock

Hard Rock: as bandas que deram origem aos heróis do gêneroHard Rock
As bandas que deram origem aos heróis do gênero


Gosto Musical: artistas falam do que devia ser banido para sempreGosto Musical
Artistas falam do que devia ser banido para sempre

Metallica: o video game da banda que nunca foi lançadoMetallica
O video game da banda que nunca foi lançado


Sobre Herick Sales

Herick Sales, professor de guitarra e violão há 12 anos, amante de blues e rock em geral.

Mais matérias de Herick Sales no Whiplash.Net.

Goo336x280