Avantasia: "Ghostlights" é a cereja do bolo na sua discografia

Resenha - Ghostlights - Avantasia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcelo Araújo, Fonte: Ogro do Metal
Enviar Correções  

Toda vez que um novo álbum do Avantasia chega ao mercado, a expectativa cresce bastante em torno do resultado final, já que por trás desse grandioso projeto, existe um cara que faz toda a diferença: Tobias Sammet. Em "Ghostlights", 7º registro de estúdio da banda, o dono do espetáculo arrebenta mais uma vez, e traz composições magníficas envoltas em seu já tradicional cenário fantasioso, com pitadas de todos os seus trabalhos anteriores. É a cereja do bolo na sua impecável discografia.

Andre Matos: Tobias Sammet relembra o Maestro e divulga vídeo incrível dele

Dio: as músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalista

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O álbum começa com uma atmosfera pra lá de contagiante na faixa "Mystery Of A Blood Red Rose", possuindo um refrão grudento que nem chiclete. Lembra muito algo na linha do Meat Loaf, responsável por emplacar várias canções em trilhas sonoras de filmes. Nota 9

Em "Let The Storm Descend Upon You", no alto dos seus mais de 12 minutos, a empolgação toma conta com as participações de Jorn Lande, Ronnie Atkins (Pretty Maids) e Robert Mason (Warrant, ex-Lynch Mob). Mais uma obra-prima criada por Tobias que combina agressividade, melodia e um grandioso refrão. Nota 10

Dee Snider (Twisted Sister) aparece dando o ar da sua graça em "The Haunting", que lembra muito "The Toy Master" do álbum "The Scarecrow" (2008), porém, sem a mesma intensidade e brilho. Não chega a ser uma música ruim, apenas não mantém o mesmo nível das duas primeiras. Nota 7,5

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em "Seduction Of Decay", Geoff Tate (ex-Queensryche) mostra que ainda consegue conduzir o baile tendo uma boa composição nas costas, fazendo a gente até esquecer do péssimo álbum "The Key", lançado pela sua nova banda Operation: Mindcrime em 2015. A faixa não é destaque logo de primeira, mas depois de algumas repetidas audições, você com certeza mudará de ideia. Ponto para Tobias, que trouxe uma sonoridade experimental repleta de peso, melodia e mistério. Nota 8

Para quem estava com saudade das faixas rápidas, tais como "Shelter From The Rain", "Wastelands" ou "Where Clock Hands Freeze", pode se deliciar com "Ghostlights", que cumpre seu papel de forma brilhante, apresentando um dueto fantástico entre Michael Kiske e Jorn Lande. Nota 10

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A faixa "Draconian Love", com participação de Herbie Langhans (Sinbreed, ex-Seventh Avenue), chega de forma sorrateira, e acaba no final das contas, conquistando espaço numa vertente gótica com flertes no rock industrial. Nota 7,5

Para os fãs do Nightwish, "Master Of The Pendulum" chega de forma devastadora com a cativante participação de Marco Hietala. A faixa começa lenta e se transforma num Heavy Metal cheio de atitude e com um refrão capaz de deixar Tuomas Holopainen morrendo de inveja. Nota 10

A balada "Isle Of Evermore" contém um refrão memorável, conduzido de forma impecável por Sharon den Adel (Within Temptation). Pena que o resto da canção soa um tanto artificial e sem sal, comprometendo todo o trabalho. Nota 5,5

Em "Babylon Vampyres", as coisas tornam-se agitadas novamente, com um ótimo trabalho de guitarras, lembrando um pouco a "pegada" de "Another Angel Down" (2007), mas sem o estonteante refrão. Nota 8,5

Jorn Lande inicia "Lucifer" de forma suave, ao som de um piano, para depois tomar um rumo completamente diferente e ganhar uma sonoridade bastante vibrante. Apesar de ficarmos com a sensação de algo inacabado, o registro é lindíssimo e digno de figurar entre os destaques do álbum. Nota 9

Em "Unchain The Light", Ronnie Atkins e Michael Kiske unem forças para apresentar uma faixa muito bem trabalhada, onde o destaque fica por conta do poderoso refrão, que carrega aquela manjada fórmula da alegria contagiante, tomando a todos de assalto. Nota 9,5

O álbum termina com Bob Catley (Magnum) mandando ver na envolvente "A Restless Heart And Obsidian Skies", trazendo arranjos magníficos imersos em uma atmosfera emocional bastante profunda, cujo refrão lembra um pouco "The Story Ain't Over" (2007). Uma ótima maneira de se terminar o disco. Nota 10

Pode ser que para quem até hoje está preso no passado, e fica esperando um novo "Metal Opera" a cada lançamento inédito do Avantasia, esse álbum seja decepcionante. Mas se você encarar de mente aberta, cada capítulo desse grandioso espetáculo, absorvendo todas as novas nuances e experimentos que Tobias se propõe a mostrar, esse registro vai deixar você de queixo caído. Palavra do "Ogro".

01. Mystery Of A Blood Red Rose 3:51
02. Let The Storm Descend Upon You 12:09
03. The Haunting 4:42
04. Seduction Of Decay 7:18
05. Ghostlights 5:43
06. Draconian Love 4:58
07. Master Of The Pendulum 5:01
08. Isle Of Evermore 4:28
09. Babylon Vampyres 7:09
10. Lucifer 3:48
11. Unchain The Light 5:03
12. A Restless Heart And Obsidian Skies 5:53


Outras resenhas de Ghostlights - Avantasia

Resenha - Ghostlights - Avantasia

Resenha - Ghostlights - Avantasia

Resenha - Ghostlights - Avantasia




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Andre Matos: Tobias Sammet relembra o Maestro e divulga vídeo incrível deleAndre Matos
Tobias Sammet relembra o Maestro e divulga vídeo incrível dele

Andre Matos: Biografia Oficial é anunciadaAndre Matos
Biografia Oficial é anunciada


Unisonic & Edguy: Michael Kiske trollando Tobias SammetUnisonic & Edguy
Michael Kiske trollando Tobias Sammet

2016: os 5 discos mais decepcionantes de rock/metal do ano2016
Os 5 discos mais decepcionantes de rock/metal do ano


Dio: as músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalistaDio
As músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalista

Metal Alemão: as 10 melhores bandas segundo o About.comMetal Alemão
As 10 melhores bandas segundo o About.com


Sobre Marcelo Araújo

Carioca da gema e fanático por música de qualidade, aprendeu a gostar de Rock aos 10 anos de idade por causa de bandas como Scorpions, Led Zeppelin e Guns N' Roses. A maior decepção foi ver uma de suas bandas preferidas, o Bon Jovi, mudar completamente de estilo e se tornar uma coisa bem chatinha de uns tempos pra cá, algo classificado como uma mistura de Sertanejo Universitário com Pop. Das bandas mais recentes, curte bastante Alter Bridge e Unisonic. Adora tudo relacionado com as curiosidades por trás das canções, álbuns e bandas, sempre escrevendo matérias a respeito desses fatos no blog Ogro do Metal.

Mais matérias de Marcelo Araújo no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280