Vintersorg: Arcane & Cosmic Metal

Resenha - Cosmic Genesis - Vintersorg

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Sobreira
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

Tenho certeza de que no início do Black Metal, ninguém imaginaria que em alguns anos haveria uma expansão drástica no estilo, surgindo ramificações derivadas de mesclas e experimentos supostamente impensáveis de se existir algum dia, e que tinham tudo para ser um sucesso ou um tremendo fiasco. Vindo da Suécia, o Vintersorg é sem dúvidas uma entidade visionária, pois seu mentor e alma desenvolveu uma musicalidade dramática e rica, aliando alguns vocais, a rispidez e a agressividade do Black Metal à sofisticação, melodia e elegância do Rock Progressivo, da Música Clássica e da Folk Music. É como se diz: "quem não arrisca, não petisca"!

Há quem goste: As 10 bandas mais odiadas do universoTamanho é documento?: os Rock Stars mais altos e baixos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Se a mistura exótica de elementos acima lhe despertou suspeitas de excentricidade, ou mesmo não lhe disse nada, de qualquer forma, tire seu cavalo da chuva e fique apresentado a esta original banda, dupla, projeto, 'one man band', ou o que você achar melhor para definir e curta um som especial, feito das profundesas do coração e da mente.

Foi a partir deste Cosmic Genesis que o Vintersorg ("Tristeza de Inverno") começou a apresentar letras em inglês nas composições, pois nos 3 primeiros trabalhos (um EP e dois álbuns) o sueco era a lingua base, sendo que aqui já existe uma mescla entre os dois idiomas. Querendo ou não, uma banda utilizar sua lingua pátria é uma questão de originalidade e de dar um toque extra no seu som, fazendo toda uma diferença. Também, a partir daqui, o lado Progressivo foi ficando mais explicito e maior explorado, tanto, que vemos a curiosa inclusão do cover para o lendário Uriah Heep, com a faixa 'Rainbow Demon', com certeza uma das fontes de inspiração para o líder Andreas (Vintersorg).

Vocais rasgados entram em contraste com vozes limpas (que aparecem com mais destaque), e fica claro quem em todo o som existe esta dualidade de recursos, assim como passagens mais rápidas e outras mais viajantes e misteriosas. Como sempre gosto de deixar os destaques para o final, aqui não vai ser diferente e elejo a fantástica abertura com 'Astral & Arcane', o clima urgente em 'Natturens Galleri' e 'The Enigmatic Spirit', que pode ser chamada de "balada", cada qual com suas características e momentos únicos. Valem ser citadas também; a rápida 'Ars Memorativa', 'Cosmic Genesis', que possui partes tensas que me lembram um pouco do Viking Metal e a marcante 'A Dialog With the Stars'. Destaco também a arte de capa, que ficou muito bonita, principalmente pelos tons de verde explorados pelo artista.

Aqui está mais um álbum de primeira de mais uma 'banda' espetacular. Basta conferir para dizer se estou mentindo ou não!

Músicas:
1. Astral and Arcane
2. Algol
3. A Dialogue with the Stars
4. Cosmic Genesis
5. Om Regnbågen Materialiserades
6. Ars Memorativa
7. Rainbow Demon (Uriah Heep cover)
8. Naturens Galleri
9. The Enigmatic Spirit
(Tempo Total - 50:13)

Formação:
Vintersorg (Andreas Hedlund) - Vocals, Guitars, Guitars (acoustic), Bass, Keyboards, Drum Programming, Lyrics, Composing
Mattias Marklund - Guitars
(Session Musician: Nils Johansson - Additional Programming, Keyboard & Korg MS20 Performance)

Lançamento: Novembro de 2000 - Napalm Records




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Vintersorg"


Geologia: Os 5 lugares mais Metal do planetaGeologia
Os 5 lugares mais "Metal" do planeta


Há quem goste: As 10 bandas mais odiadas do universoHá quem goste
As 10 bandas mais odiadas do universo

Tamanho é documento?: os Rock Stars mais altos e baixosTamanho é documento?
Os Rock Stars mais altos e baixos


Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.

Mais matérias de Vitor Sobreira no Whiplash.Net.

adGoo336