RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA banda que tentou escrever "a música mais estúpida" e acabou criando um hit dos anos 2000

imagemA música pesada do Pink Floyd que assustou o jovem Joey Jordison

imagemO dia que Renato Russo recusou convite de Cazuza para parceria musical e explicou motivo

imagemA guitarra barata que mudou para sempre os rumos da vida de James Hetfield

imagemLendas: Ozzy Osbourne parabeniza o aniversariante Angus Young e manda recado ao guitarrista

imagemBrian May sobre Nuno Bettencourt: "Faz coisas que eu nunca poderia fazer"

imagemO episódio culinário bizarro que foi parar no tribunal e nomeou disco do Guns N' Roses

imagemA música do The Who que Pete Townshend achou que seria o maior sucesso da história

imagemA razão que levou Raul Seixas a escolher o rock como forma de expressão, segundo o próprio

imagemDavid Gilmour elege cinco álbuns fundamentais da história do rock

imagemComo pagodeiros do Revelação ajudaram sem querer Pitty no início da carreira?

imagemO hit da Legião Urbana com pesadas críticas contra militares e inspirada em Tarot

imagemO hit do Jota Quest que pode ser considerado rock progressivo pelos padrões atuais

imagemTornado atinge casa de show nos Estados Unidos logo após show da Crypta

imagemBotafogo, São Paulo e Coritiba embolsam milhões de reais com shows do Coldplay


Summer Breeze B

O Rappa: Lindo esteticamente, mas falta alma

Resenha - Nunca Tem Fim - O Rappa

Por Thiago El Cid Cardim
Postado em 03 de setembro de 2013

Quando a canção "O Horizonte é Logo Ali" abre o novo disco d'O Rappa, "Nunca Tem Fim", com uma levada venenosa de guitarras e a voz de Falcão distorcida por uma série de efeitos eletrônicos, já fica claro: este é, talvez, o disco da banda com a produção mais esmerada e ambiciosa, nas mãos do conceituado Tom Saboia. A tradicional mistura de rock e reggae do grupo ganha tons eletrizados aqui, um belo naipe de metais ali. É realmente tudo muito bonito, esteticamente. Mas…

Bruce Dickinson

…por algum motivo, o resultado final parece soar plástico demais, um tanto sem espírito. Nem estou me referindo aqui à falta de Marcelo Yuka, seu principal letrista, cuja saída de fato deixou um rombo na carreira dos caras. Mas acho que ainda é mais do que isso. A produção parece ter lhes tirado uma boa dose da autenticidade que fica explícita em "Rappa Mundi" (1996), uma vivacidade, uma originalidade que soa natural, experimentações que soam verdadeiras. "Nunca Tem Fim", seu primeiro de inéditas em cinco anos, parece robótico, uma belíssima estátua paralisada e sem vida.

O exemplo mais claro é "Cruz de Tecido", talvez a mais comentada canção do disco. A música tem letra esforçada e um tema inusitado, mas que faz sentido para o histórico de letras sociais do grupo: a impunidade no caso da queda do avião da TAM no aeroporto de Congonhas, em 2007. Mas o resultado final é tão óbvio que chega a ser cansativo, e poderia estar em qualquer um dos discos anteriores da banda. Acaba se parecendo, em estrutura e sonoridade, com uma espécie de irmã-gêmea de "Minha Alma", justamente um de seus maiores sucessos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O mesmo pode ser dito dos dois primeiros singles, "Anjos" (sobre a fé, com direito até a citações à Bíblia) e "Auto-Reverse" (com uma típica mensagem de superação para o brasileiro mediano, que rala um bocado), que parecem sair do repertório-padrão dos caras, como que feitas à base de um template único, de uma linha de fabricação. É muito pouco para um coletivo de músicos que sempre provou não ter medo de ousar, de tocar com parceiros do axé, heavy metal, forró e punk rock, sem exceções, sem preconceitos, tudo em nome da boa música.

Justiça seja feita, no entanto, já que o disco tem lá alguns momentos que merecem destaque – como o empolgante refrão de "Doutor, Sim Senhor", que mescla uma pegada pesada de guitarra com uma interessante camada de metais, gerando um resultado bastante convidativo. Numa linha mais sutil, enquanto o vocalista Marcelo Falcão canta as mazelas típicas do povo brasileiro em uma ótima interpretação, os metais criam um clima poético na igualmente intensa "Sequência Terminal". E a faixa final, "Um Dia Lindo", além dos versos incidentais de "Praia e Sol", samba-rock do veterano Bebeto, traz a participação especial dos vocais incisivos de Edi Rock, dos Racionais Mcs. A mistura gera uma canção quase que de auto-ajuda, mas que funciona bem – o suficiente para se ficar imaginando como ela seria impactante ao vivo.

Anunciar no Whiplash.Net Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Talvez Marcelo Falcão e seus parceiros devessem, numa próxima bolacha, experimentar mais desta simplicidade. Reunidos, cada um com seu instrumento, nos quatro cantos de um estúdio caseiro de gravação, cantando juntos, livres e desimpedidos. Depois de cinco anos sem lançar nada, eles demoraram apenas nove meses para forjar "Nunca Tem Fim". Talvez um pouco mais de tempo tivesse ajudado a amadurecer um pouco mais a obra. Talvez um pouco mais de sujeira ajudasse a tornar a mensagem mais limpa. Mereceria.

Line-up:
Marcelo Falcão - Vocal
Alexandre Menezes (Xandão) - Guitarra
Lauro Farias - Baixo
Marcelo Lobato - Teclados

Tracklist:
O Horizonte é Logo Ali
Auto-Reverse
Boa Noite Xangô
Cruz de Tecido
Fronteira (D.U.C.A)
Anjos (Pra Quem Tem Fé)
Doutor, Sim Senhor!
Sequência Terminal
Vida Rasteja
Um Dia Lindo (Participação Especial Edi Rock)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.
Mais matérias de Thiago El Cid Cardim.