Blaze Bayley: "Tenth Dimension" é um álbum mediano

Resenha - Tenth Dimension - Blaze Bayley

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ricardo Mazzo
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Depois do muito bem criticado “Silicon Messiah” de 2000, o BLAZE BAYLEY levou apenas dois anos para lançar um novo trabalho. Além de contar com os mesmos integrantes de seu irmão mais velho, “Tenth Dimension” possui também o mesmo número de composições, 12. Acho um número um pouco alto e o risco de se deixar o álbum repetitivo e sem tanta criatividade aumenta consideravelmente. No entanto, o segundo CD do Messiah tem 7 minutos a menos que o debutante, o que me agrada. Sinal de músicas mais curtas e diretas ao ponto. Será?
0 acessosBlend Guitar: em vídeo, Top 10 Heavy Metal Bands5000 acessosRimbaud e Morrison: A grande maioria passa pela vida imersa na multidão

Se eu levar minha afirmação acima ao pé da letra, eu já teria que criticar a primeira “faixa”. “Forgotten Future” dura pouco mais de um minuto e não passa de sons estranhos e barulhos industrializados. O mais bizarro, para mim, é colocar nome nessas “músicas”. Para compensar, Blaze Bayley capricha na composição que realmente abre o trabalho e manda mais uma para a lista das melhores de sua carreira. “Kill And Destroy” além de ter um riff muito pesado e bangueável, também conta com um refrão bastante comercial e que fica na cabeça por um bom tempo.

“End Dream” é mais um exemplo de música mal composta. Lenta quase o tempo todo, acelera algumas vezes, mas nada demais. O refrão tenta, mas não consegue. Poderia ter ficado de fora, abaixaria o número de músicas para 11 e o trabalho ainda teria menos de 50 minutos. Na seqüência, a faixa-título. Pesada e rápida como todas devem ser, foi executada no show de 2011 em São Paulo e agradou bastante, apesar de ter sido reconhecida apenas pelos fãs mais fiéis. Contrastando com a música anterior, esta acerta em cheio nas partes lentas e nas voltas bate-cabeça.

“Nothing Will Stop Me” chega cometendo o pecado que Blaze Bayley parece não perceber cometer em suas composições. Durante bom tempo, apenas guitarra e voz. Não, Blaze! No meio da música, para variar, aquela acelerada básica, mas que não recupera o tempo perdido. Mas tudo bem, logo a esquecemos, já que “Leap Of Faith” e seus 3 minutos e 38 segundos chegam e vão sem escalas para o top 5 da banda. Porrada do começo ao fim, me agrada mais ainda por acelerar no refrão, o que não é muito usual em suas composições. Essa era a música para ser tocada ao vivo e deixar os headbangers trocarem cotoveladas na pista sem moderação.

“The Truth Revealed” é desnecessária. Quase dois minutos de balada sem sentido. Por essa e outras, o álbum já deixava claro que não passaria de mediano, apesar de uma ou outra exceção. “Meant To Be”, a oitava do trabalho, confirma minha teoria. Para mim, a voz de Blaze Bayley não é boa para cantar baladas e ponto final. Por mais complexa e bem composta que seja a música, simplesmente não combina. Esse tipo de música é para Klaus Maine, David Coverdale e cia. Fora que é totalmente fora de contexto o final meio EPICA.

“Land Of The Blind”, por ter menos de quatro minutos de duração, já me agradou de saída. No entanto, ao começar, vi que não era nada do que eu esperava. Tenta ser pesada, mas não é tanto. Tenta ser rápida, mas deixa a desejar. O instrumental parece uma dessas bandas de Nu Metal, ou seja, ruim e fraco. “Stealing Time” é um pouco mais pesada, mas não tem a pegada necessária. A salvação poderia ser um refrão mais porrada, mas também não aconteceu. Como podem ver, o trabalho já se mostrava tão mediano quanto eu achava ao ter ouvido pouco mais da metade do mesmo. Uma pena...

O nome “Speed Of Light” indica que, no mínimo, velocidade vem pela frente. E foi aí que identifiquei uma coisa que não me agrada no estilo da banda. Os solos (que muitas vezes funcionam como riffs) são lentos demais, não tem aquela força Power Metal que faz o som ficar muito mais interessante. Mesmo assim, a música é boa e se destaca nessa segunda metade do trabalho. Para fechar esse muito longo “Tenth Dimension”, temos “Stranger To The Light”. Pouco agrega, muito irrita. É longa e sem peso. Mais uma para a lista das desnecessárias da carreira do Messiah.

Aparentemente, Blaze Bayley gastou grande parte de suas fichas em seu primeiro trabalho solo. As composições eram bem mais interessantes e prendiam os ouvintes até o final. Já aqui a coisa mudou de figura. Um álbum mediano, sem muitas novidades, Blaze Bayley cantando igual e sem muitos desafios. Até 2002, Blaze já tinha lançado 24 músicas, das quais 25% eram diferenciadas. Para ser sincero, um percentual muito bom para quem não tinha nome nenhum do ramo de composições. Vida longa ao Messiah!

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Tenth Dimension - Blaze Bayley

1877 acessosResenha - Tenth Dimension - Blaze Bayley

Iron MaidenIron Maiden
Expansão do jogo Legacy Of The Beast terá novo Eddie

0 acessosBlend Guitar: em vídeo, Top 10 Heavy Metal Bands730 acessosTales Of The Iron Maiden: "From Here To Eternity" em novo vídeo2464 acessosIron Maiden: 37 anos atrás, o primeiro álbum era lançado0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Iron MaidenIron Maiden
Video mostra "erros" da banda ao vivo

CarnavalCarnaval
Bloco transforma músicas do Iron Maiden em samba

Iron MaidenIron Maiden
Fantasmas e navegadores na melhor música após volta

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Blaze Bayley"0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"

Rimbaud e MorrisonRimbaud e Morrison
A grande maioria passa pela vida imersa na multidão

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1987

Metal/HardMetal/Hard
Alguns dos maiores e melhores vocalistas atuais

5000 acessosFotos de Infância: Red Hot Chili Peppers5000 acessosFelipe Fleury: Colecionador de ítens do Guns N' Roses5000 acessosCinema: as 11 melhores bandas fictícias das telonas3199 acessosMetal: os 20 melhores discos de 2016 na opinião do PopMatters5000 acessosSlipknot: 20 saltos épicos de Sid Wilson registrados em vídeo5000 acessosScorpions: Michael Schenker "não pode" confiar na banda

Sobre Ricardo Mazzo

Cresci ouvindo muito Punk Rock e Hardcore, mas migrei para o Heavy Metal há alguns anos. No entanto, não abro mão de um bom Bad Religion. Acredito piamente que se Pelé fosse um pouco melhor seria chamado de Kai Hansen ou teria composto a “The Trooper”. Estudei guitarra, tive banda, freqüentei inúmeros shows e criei o blog #dicarock. Up the Irons!

Mais matérias de Ricardo Mazzo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online