Dark Tranquillity: álbum coeso de muitos elementos e maturidade

Resenha - Construct - Dark Tranquillity

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Guilherme Niehues
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Sabemos que a banda DARK TRANQUILLITY é pioneira no que denominamos como "Gothenburg Style" (Estilo de Gothenburg) e um dos pioneiros do Melodic Death Metal do qual conhecemos hoje. Porém, a cada álbum é exibida uma evolução drástica de ideias e novidades que permitem ao ouvinte a não cair no mesmo. Em suma, poderíamos dizer que é um álbum coeso de muitos elementos e maturidade que envolvem o novo lançado da banda, Construct.
324 acessosDark Tranquillity: show em São Paulo no início de setembro5000 acessosExcessos: como os rockstars gastam os seus milhões

A bolacha começa com a ótima For Broken Words que define ao longo do disco o que devemos esperar, uma mescla muito bacana de partes mais melódicas associadas a partes mais pesadas! Além disso, a faixa ainda é uma abertura digna para 3 anos de espera, desde o seu último lançamento We Are The Void (2010). Para quem conhece a banda, sabe que esta música é puramente "Dark Tranquilly" demais, em todos os momentos, desde a construção de riffs, quebradas de pegadas e construção da música em si.

E logo em seguida temos a música The Science of Noise que mantém o ritmo de sua antecessora, não deixando a peteca cair! A música lembra um pouco algumas pegadas do álbum Damage Done (2002) e é muito bem vinda. O principal destaque aqui são os riffs de guitarras e a excelente vocalização de Mikael, que mostra o porque ser um dos melhores vocalistas da atualidade.

E então, chegamos a música Uniformity que foi liberada antes do álbum ser lançado, e retrata a parte mais melancólica da banda, com passagens de vocais limpos e em alguns momentos que relembram o ótimo Projector (1999). De fato, é uma música mais cadenciada e poderíamos dizer que é a primeira "baladinha" do álbum, afinal tem um refrão tão pegajoso quanto. E que novamente ressalto, Mikael tem uma voz ótima para ambos os tipos de vocais, marcante.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

The Silence in Between é uma ótima música para ressaltar o ótimo casamento em partes mais pesadas e mais melódicas, ao menos em seu instrumental. Uma vertente que poucos sabem utilizar e apresentar um resultado positivo. Uma mistura de um ótimo riff, aliados a uma bela construção de passagens permitem ao ouvinte entender melhor o que é a banda hoje. Assim como em Apathetic é possível observar uma maior agressividade da banda, e que flerta facilmente com trabalhos anteriores ao Projector (1999), como por exemplo, The Gallery (1995).

Agora na música What Only You Know é para este que vos escreve, a melhor música da bolacha. Pelo simples fator de mostrar que o trabalho chega a perfeição do útil ao agradável, e quando eu me refiro a isto, digo novamente, ao casamento perto do melódico ao agressivo. Mas, essa música em si, o instrumental está tão de acordo com o vocal seja ele gritado ou limpo, que permite ao ouvinte entender o sentimento por trás dos riffs e batuques.

Endtime Hearts, apresentada como um aperitivo ao ouvinte dispensa apresentações, afinal além de ser velha conhecida remete ao bom e velho Dark Tranquillity, sem mais e nem menos, apenas na dosagem certa.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

State of Trust, segue a mesma linha de Uniformity e What Only You Know e também beira a ser a melhor do álbum. Que aliás, mostra uma batida um pouco diferente do que estamos acostumados a ouvir, mas soa natural e uma clara evolução da banda.

E o álbum fecha com dois socos no estômago, o primeiro Weight of the End e por fim None Becoming, que voltam a trazer o peso demonstrado no inicio do álbum e permitem apreciar uma bela dose de Melodic Death Metal sem qualquer culpa.

E então... você pensa, este é o final do álbum? Bom, ainda existe um CD extra chamado Desconstruct que contam com duas músicas bônus que merecem respeito!

Começamos com a excelente Immemorial, que até agora seria a única a chegar nas casas de 5 minutos e para descrever ela do jeito certo, seria dizer: jogue todos os elementos que fizeram do Dark Tranquillity o que é hoje dentro de um liquidificador e ligue-o. Boom! Esta é a impressão que temos desta música, especialmente na sua quebra de tempo quanto a mudança do lado agressivo para um lado mais meloso e vice-versa.

E por fim, agora, realmente o fim, temos a música Photon Dreams, uma faixa um tanto quanto estranha nos repertórios do Dark Tranquillity, pois ela é totalmente instrumental! E o instrumental que eu me refiro, é digno daquelas músicas que são mais ambientais quando existe os créditos do filme sendo exibidos na tela. Não deixa de ser ruim, porém por ser curta e sem qualquer ligação, poderia ser descartada facilmente.

Em um resumo, este álbum lembra bastante o álbum Projector (1999) que foi um divisor de águas para a banda, mesclado com pitadas dos álbuns Fiction (2007) e uma evolução do We Are The Void (2010).

Em um breve comentário: "entra facilmente como sendo um dos melhores álbuns da banda em anos, e quem sabe se não, o melhor."

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

324 acessosDark Tranquillity: show em São Paulo no início de setembro0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dark Tranquillity"

Metal suecoMetal sueco
Site elege as dez melhores bandas da Suécia

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Dark Tranquillity"

ExcessosExcessos
Como os rockstars gastam os seus milhões

BaixosBaixos
Como conservar e recuperar as cordas do instrumento

SkankSkank
Banda foi enganada ao participar de programa da Xuxa

5000 acessosHeavy Metal: os 10 melhores solos de guitarra de todos os tempos5000 acessosSlash: "não entendo a histeria sobre o Guns N' Roses"5000 acessosOsama Bin Laden: O que havia na sua coleção de cassetes?5000 acessosDetonator: Mais compartilhado que o funk ostentação de MC Gui5000 acessosManowar: "Nunca fui fã e não gosto do Kiss" - diz Eric Adams5000 acessosReligiões: as guerras santas abordadas em letras de Heavy Metal

Sobre Guilherme Niehues

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online