Killswitch Engage: um dos discos mais consistentes da carreira

Resenha - Disarm the Descent - Killswitch Engage

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


"Disarm the Descent", novo disco do Killswitch Engage, é o primeiro trabalho da influente banda norte-americana em quatro anos, desde o auto-intitulado álbum lançado em 2009. O sexto CD do grupo marca o retorno do vocalista original, Jesse Leach, que havia deixado o conjunto em 2002. Completam o time os guitarristas Adam Dutkiewicz e Joel Stroetzel, o baixista Mike D’Antonio e o baterista Justin Foley.
766 acessosCover: Brasileira e polonesa em "My Curse" do Killswitch Engage5000 acessosSeparados no nascimento: Bruce Dickinson e Leopoldo Pacheco

Produzido pelo próprio Dutkiewicz - há tempos já estabelecido também nessa função, com trabalhos de destaque para bandas como All That Remains, Shadows Fall e As I Lay Dying -, "Disarm the Descent" é um dos discos mais consistentes da carreira do quinteto. Considerado um dos pais do metalcore, o Killswitch Engage mais uma vez mostra como o estilo deve soar, mostra como se faz. Unindo com precisão agressividade e melodia, a banda mostra-se inspirada e com gás renovado.

As vozes são o destaque principal do álbum, e não só a de Leach. O cantor, como esperado, tem uma grande performance, mas esse protagonismo é dividido pelos coros muito bem construídos, que levam, invariavelmente, a refrãos grudentos e agradáveis. Esse aspecto simpático, amigável, da música do Killswitch Engage, vem com tudo em "Disarm the Descent", e faz a audição ser um ato de alegria, de diversão, de satisfação.

Mesmo que, de uma maneira geral, seja possível considerar o metalcore um estilo um tanto estagnado nos últimos anos, grande parte dessa sensação se dissipa ao ouvir este disco. Como a história nos ensinou e é de costume, cabe aos pioneiros, aos inovadores, aos originais, abrir caminhos e mostrar novas alternativas, e a banda abusa dessa prerrogativa em "Disarm the Descent". Nada aqui soa datado, cansativo ou arrastado, muito pelo contrário. A energia é quase bruta, adornada por guitarras que despejam melodias inspiradas e que, em diversos momentos, nos trazem à mente nomes aparentemente distantes e antagônicos ao som do Killswitch Engage, como é o caso do Iron Maiden, por exemplo.

A estrutura instrumental das composições traz riffs que ora apresentam influências de thrash metal, ora da NWOBHM e, em alguns momentos mais extremos, até mesmo do death. O uso de blast beats é frequente, e, ao lado do vocal gutural de Jesse Leach, reforça a agressividade proposta pelo Killswitch Engage.

Ouça com atenção músicas como a paulada “The Hell in Me” (que abre o trabalho), “Beyond the Flames”, “New Awakening” e “In Due Time. Nelas está o DNA de uma das bandas mais influentes surgidas na última década. Essa capacidade, esse domínio que o grupo ostenta em relação ao gênero que executa, faz o Killswitch Engage explorar o metalcore como um todo, em todas as suas cores, em todas as possibilidades, fugindo da escolha fácil e comum a nomes menos talentosos que, ao se aventurar pelo estilo, soam repetitivos ao se limitar à óbvia estrutura “versos agressivos + refrão melodioso e com vocal limpo”.

"Disarm the Descent" representa um retorno necessário. Ele soa como a intervenção de um pai ao ver seus filhos perdidos no mundo e sem saber quais caminhos seguir, chamando-os para uma conversa e dizendo, do alto de sua calma e experiência: “Olhem, é por aqui”.

Que todos ouçam esse conselho, pois ele é excelente!

Faixas:
1 The Hell in Me
2 Beyond the Flames
3 New Awakening
4 In Due Time
5 A Tribute to Fallen
6 The Turning Point
7 All That We Have
8 You Don’t Bleed for Me
9 The Call
10 No End in Sight
11 Always
12 Time Will Not Remain

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Disarm the Descent - Killswitch Engage

2338 acessosKillswitch Engage: de volta às raízes mais agressivas

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 24 de abril de 2013

766 acessosCover: Brasileira e polonesa em "My Curse" do Killswitch Engage0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Killswitch Engage"

Metal SucksMetal Sucks
Os 522 melhores álbuns de metal do século 21

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Killswitch Engage"

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Bruce Dickinson e Leopoldo Pacheco

HumorHumor
Os dez maiores picaretas da música internacional

Frances BeanFrances Bean
Filha de Kurt Cobain assustada com tatuagem de fã

5000 acessosResenha - Sgt. Peppers - Beatles5000 acessosAC/DC: setlist, fotos e vídeos do show arrasador com Axl Rose5000 acessosBruce Dickinson: Ele lamenta não ter dado um soco em Axl Rose5000 acessosMegadeth: "Eu amo você não importa o quão babaca você seja"5000 acessosDimmu Borgir: "Somos uma banda satânica"5000 acessosSepultura: drum cam de Igor Cavalera tocando "Territory"

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online