Elton John: em 1971, uma das pérolas da carreira do músico

Resenha - Madman Across The Watter - Elton John

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Reginald Kenneth Dwight, conhecido mundialmente como ELTON JOHN, esteve fazendo shows recentemente no Brasil e encantando pequenas multidões nas cidades que tiveram a sorte de recebê-lo. Apesar de ter se rendido nos últimos anos a um insosso pop açucarado (essa mistura é possível?) que marcou presença na maioria das novelas das 8, a discografia do pianista tem verdadeiras pérolas, especialmente na primeira década de sua carreira. Um deles é "Madman Across The Water", de 1971, um verdadeiro compêndio de grandes músicas, com um flerte muito nítido com o rock progressivo (principalmente pela participação de outro operário das teclas, o grande gênio RICK WAKEMAN). Imagine um grande pianista chamado um gênio dos teclados para tocar ao seu lado. Pois é. O resultado é algo como "Madman Across The Water".

5000 acessosIron Maiden: Fã em cadeira de rodas emociona Bruce em Belo Horizonte5000 acessosBlack Sabbath: mais uma do Tony Iommi pra cima do pobre Bill Ward

Injustamente, apenas duas músicas deste álbum ganharam destaque maior através dos anos. No entanto, o álbum é mais um dos citados no livro "1001 discos para ouvir antes de morrer", de Robert Dimery.

Este foi o quinto disco de estúdio da carreira de ELTON JOHN e, impressionantemente, o sexto em apenas dois anos (sem contar com um disco ao vivo). Para ele, seu grande parceiro, Bernie Taupin, criou um rosário de pequenas estórias, várias Eleanores Rigby, focando em cada música algum deles ou um par e suas relações.

Foi este disco que apresentou ao mundo "Tiny Dancer", um dos grandes sucessos da carreira do pianista/vocalista, uma balada que é presença obrigatória em qualquer show de ELTON JOHN. Uma estorieta de um pianista e uma bailarina transformada em singela canção de amor. A próxima na lista, também é um grande sucesso, apesar de não tão conhecida quanto a faixa de abertura. Estamos falando de "Levon", mais uma canção em que Bernie Taupin foca em um personagem e ELTON JOHN transforma a estória em uma belíssima música. O nome do personagem seria uma homenagem a Levon Helm, baterista do THE BAND, mas o Levon, da música, seria um muquirana, filho de um tal de Alvin Tostig e teria nascido num dia de natal, o mesmo dia em que o New York Times noticiara a morte de Deus: o início de uma guerra. Os Tostings sonhavam que o recém-nascido seria um bom homem, mas, ele tornara-se apenas mais um discípulo do Tio Patinhas. Enquanto isso, Jesus, filho de Levon, sonhava em ir para Vênus nos balões que eram o negócio da família, deixando para trás o pai que morreria lentamente. Apesar de hoje parecer na letra que o personagem Levon Tosting seria um velho rabugento, fazendo as contas percebemos que na época em que o disco foi lançado, ele teria cerca de 32 anos (considerando-se que a guerra mencionada seria a segunda grande guerra) ou 56 (se considerarmos a primeira). Ou seja, talvez fosse mesmo um velho rabugento, mas prematuramente, um personagem tão solitário e triste que poderia se confessar com o Padre McKenzie (da canção dos BEATLES que eu já citei lá em cima). Outra curiosidade a respeito da música, Levon seria um dos nomes dados por ELTON JOHN e seu marido David Furnish ao filho adotivo dos dois, Zachary, que também nasceu num dia de natal.

Razor Face não faz jus ao disco e se mostra uma canção bem enfadonha apesar da boa introdução ao piano de ELTON JOHN e das reviravoltas de WAKEMAN. É talvez a pausa necessária antes de contemplar a loucura descrita em "Madman Across The Water", talvez a canção mais influenciada pelo rock progressivo em toda a carreira do pianista. Tudo nesta canção é contundente, mas se encaixa perfeitamente. Sem deixar a emoção diminuir, "Indian Sunset" traz ELTON JOHN incorporando um índio que lamenta ao assistir, desolado, descrente, ao declínio de sua civilação. Aqui temos outra obra prima de Taupin musicada por JOHN. A Lua amarela irá, em breve, nos deixar e a raça do homem vermelho está se acabando. "Que tipo de palavras são essas que escuto da boca de Cachorro Vermelho, a quem o homem branco teme?", diz o personagem, um jovem guerreiro que encontra a paz que só vem em um buraco de bala.

Deixando os personagens de lado, Davey Johnstone e Caleb Quaye e seus dedilhados no solo final e ao longo de toda a música fazem de "Holliday Inn" outra canção bonita. A letra é uma espécie de homenagem aos roqueiros viajando em turnês, gastando seus dedos em dúzias de bandas e dormindo e fazendo dos hotéis os seus lares. "Rotten Peaches" é um rockzinho mais agitado, mas é quase estragado (olhe só que paradoxo) pelo coro que repete o refrão. O percursionista Ray Cooper participa da bela "All The Nasties", mas o brilho é todo garantido pelo coral CANTORES IN ECLLESIA. Ao contrário do que acontece em sua sucessora, a participação do coral fecha muito bem a faixa. Se o disco terminasse aí, já seria um grande final. Mas, ELTON JOHN resolveu terminar com a curta (adivinhe) "Goodbie". Nela, a única em que o pianista toca sozinho, ele "pede perdão por ter gasto o seu tempo", ao ouvinte. Que é isso, ELTON JOHN? Foi um prazer.

Track List:

6:12 Tiny Dancer
5:37 Levon
4:40 Razor Face
5:22 Madman Across The Water
6:45 Indian Sunset
4:22 Holiday Inn
5:14 Rotten Peaches
5:08 All The Nasties
1:48 Goodbye

Algumas canções deste disco você pode ouvir abaixo:

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Elton John"

OutOut
Os 100 álbuns mais gays segundo a revista

Elton JohnElton John
Axl Rose nunca foi homofóbico

Astros do rockAstros do rock
Os pedidos de desculpas mais "notórios"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Elton John"0 acessosTodas as matérias sobre "Rick Wakeman"


Iron MaidenIron Maiden
Fã em cadeira de rodas emociona Bruce em Belo Horizonte

Black SabbathBlack Sabbath
Mais uma do Tony Iommi pra cima do pobre Bill Ward

Capas clássicasCapas clássicas
Os locais onde foram feitas nos dias de hoje

5000 acessosIron Maiden: ouça o baixo de Steve Harris isoladamente5000 acessosThe Voice: candidato canta Slipknot e passa para a próxima fase5000 acessosTeoria da Conspiração: Slipknot troca membros em shows ao vivo?3219 acessosDave Mustaine: o que ele pensa de quem o chama de "bundão"5000 acessosSebastian Bach: qual a banda mais louca com quem já fez turnê5000 acessosManowar: fora de "Bíblia do Metal" pois eles se acham demais

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 19 de março de 2013


Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.