Coldness: heavy metal de luxo em debut.

Resenha - Existence - Coldness

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


"Heavy metal de luxo" é um termo que eu já tinha usado para definir a música da COLDNESS e não acho inapropriado continuar usando. Um artigo luxuoso é um artefato elaborado com extremo cuidado e cheio de nuances que nem sempre se mostram à primeira vez, um artigo que nunca é plano. É preciso olhar de outros ângulos para descobrir segredos que, se não se escondem, não se revelam gratuitamente.

AC/DC: isso sim é uma bela estrada para o infernoBlack Sabbath: um Tony Iommi que você não conhecia

Criada em 2003, a COLDNESS é uma banda cearense de heavy metal formada por uns quase garotos e lançou este ano o seu debut. O excelente CD "Existence" foi gravado e masterizado nos estúdios Agna e Pro Audio e lançado pela Gallery Productions, selo que tem frequentemente investido no talento de bandas locais e alcançado resultados magníficos, tornando públicas joias como essa que não podem mais ficar escondidas (algo que deve ser salientado).

O projeto gráfico reflete a melancolia encontrada em muitos aspectos desse disco, que abre com "On A Great Speed", carro-chefe que abre as cortinas para um excelente trabalho, num crescente avassalador. É a música de trabalho, mas não a melhor da banda. A que a segue, "In The Mirror (No Choices)", com sua introdução de baixo matadora, teclados onipresentes num ambiente ora soturno, ora empolgante, riffs de guitarra dignos de bandas maiores e um grande solo (grande no sentido de grandiosidade, não exatamente no tamanho). Impossível não se emocionar.

Os teclados de Gabriel Andrade (autor da maioria das músicas) dominam toda a terceira faixa, "Justify Your Existence", acompanhando, solando e ao som de piano na primeira das duas melhores faixas do disco. Nesta música os instrumentos travam uma grande batalha, começando com um teclado empolgante e logo vem a guitarra dialogar e tomar o territorio. no fim, e o piano pungente que ganha a briga. A verdade é que, tanto ao vivo quanto no registro em estúdio a vontade é que esta música não acabe. "Legacy Of a King" vem em seguida, trazendo algo de épico, egípcio talvez, mas é na quinta faixa que a coisa se torna épica de vez, com a belíssima e cheia de reflexão, "Lost In The Valley of Eternity", uma daquelas músicas com potencial para ficar na cabeça horas depois que a ouvimos.

A viagem continua com "Live Now" e um belo coro onde se reunem Diego, George Rolim e Chico Saga (convidado especial para todos os backing vocals). A mais direta "My Forgotten Memories" e "Insight", com sua belíssima introdução e seu quase solo de baixo inesperado, seguem o mesmo caminho e abrem as portas para "The Clash of Time", o real ponto alto do debut. Esta faixa é um caso especial. Apesar de ser a mais longa do disco, todo o clima criado nos faz, quase sem perceber, colocá-la pra tocar novamente logo que acaba. Aqui, chegamos a pensar que não estamos ouvindo uma banda em seu primeiro disco, mas algum medalhão que faz rock desde os anos setenta.


Tudo funciona perfeitamente, os teclados de Gabriel Andrade, um dos grandes músicos de sua geração, a bateria com o peso adequado de Pedro Neto, a guitarra pungente de Wilton Bezerra, o baixo competente de George Rolim e também o vocal de Diego Celedônio. Apesar da grande potência vocal, este, em alguns momentos, chega a ser um tanto irritante, com o timbre comparando-se ao vocal de Geddy Lee, do RUSH, ou James LaBrie, do DREAM THEATER, numa primeira audição. No palco, o cantor mostra que tem potência vocal para fazer frente a seus colegas. Sinto informar aos truezões de plantão, os "COLDNESS" não serão do underground por muito tempo. Esta banda, adicionando muito suor, tem os elementos necessários para alcançar o mainstream. É claro que há pontos há melhorar, mas, se boas composições são o alicerce para que esses caras façam como o recém-reunido VIPER e conquistem países como o Japão, eles já podem tirar as fotos para seus passaportes. Que mantenham suas raízes, mas que alcem longos voos. Espero vê-los brevemente (e muitas vezes) em shows por aí e outros CDs com músicas tão melodiosas e bonitas como as do "Existence" nos próximos anos.

Track List:
1. On A Great Speed
2. In The Mirror (No Choices)
3. Justify Your Existence
4. Legacy Of A King
5. Lost In The Valley Of Eternity
6. Live Now
7. My Forgoten Memories
8. Insight
9. Clash Of A Time




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Coldness"


AC/DC: isso sim é uma bela estrada para o infernoAC/DC
Isso sim é uma bela estrada para o inferno

Black Sabbath: um Tony Iommi que você não conheciaBlack Sabbath
Um Tony Iommi que você não conhecia

James Hetfield: Você não iria gostar de mim se soubesse minha históriaJames Hetfield
"Você não iria gostar de mim se soubesse minha história"

Megadeth: as 10 maiores tretas de Dave MustaineIron Maiden: Bruce Dickinson e sua preferência pelo BrasilKarl Golden: em vídeo de humor, como foi a audição de Axl pro AC/DC?Pearl Jam: baixista reage ao ódio que banda recebe por opiniões políticas

Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.