Coldness: heavy metal de luxo em debut.

Resenha - Existence - Coldness

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


"Heavy metal de luxo" é um termo que eu já tinha usado para definir a música da COLDNESS e não acho inapropriado continuar usando. Um artigo luxuoso é um artefato elaborado com extremo cuidado e cheio de nuances que nem sempre se mostram à primeira vez, um artigo que nunca é plano. É preciso olhar de outros ângulos para descobrir segredos que, se não se escondem, não se revelam gratuitamente.
342 acessosPraça do Rock: O pré-carnaval do metal em Fortaleza5000 acessosO Clube dos 27: 17 roqueiros que sucumbiram à idade fatídica

Criada em 2003, a COLDNESS é uma banda cearense de heavy metal formada por uns quase garotos e lançou este ano o seu debut. O excelente CD "Existence" foi gravado e masterizado nos estúdios Agna e Pro Audio e lançado pela Gallery Productions, selo que tem frequentemente investido no talento de bandas locais e alcançado resultados magníficos, tornando públicas joias como essa que não podem mais ficar escondidas (algo que deve ser salientado).

O projeto gráfico reflete a melancolia encontrada em muitos aspectos desse disco, que abre com "On A Great Speed", carro-chefe que abre as cortinas para um excelente trabalho, num crescente avassalador. É a música de trabalho, mas não a melhor da banda. A que a segue, "In The Mirror (No Choices)", com sua introdução de baixo matadora, teclados onipresentes num ambiente ora soturno, ora empolgante, riffs de guitarra dignos de bandas maiores e um grande solo (grande no sentido de grandiosidade, não exatamente no tamanho). Impossível não se emocionar.

Os teclados de Gabriel Andrade (autor da maioria das músicas) dominam toda a terceira faixa, "Justify Your Existence", acompanhando, solando e ao som de piano na primeira das duas melhores faixas do disco. Nesta música os instrumentos travam uma grande batalha, começando com um teclado empolgante e logo vem a guitarra dialogar e tomar o territorio. no fim, e o piano pungente que ganha a briga. A verdade é que, tanto ao vivo quanto no registro em estúdio a vontade é que esta música não acabe. "Legacy Of a King" vem em seguida, trazendo algo de épico, egípcio talvez, mas é na quinta faixa que a coisa se torna épica de vez, com a belíssima e cheia de reflexão, "Lost In The Valley of Eternity", uma daquelas músicas com potencial para ficar na cabeça horas depois que a ouvimos.

A viagem continua com "Live Now" e um belo coro onde se reunem Diego, George Rolim e Chico Saga (convidado especial para todos os backing vocals). A mais direta "My Forgotten Memories" e "Insight", com sua belíssima introdução e seu quase solo de baixo inesperado, seguem o mesmo caminho e abrem as portas para "The Clash of Time", o real ponto alto do debut. Esta faixa é um caso especial. Apesar de ser a mais longa do disco, todo o clima criado nos faz, quase sem perceber, colocá-la pra tocar novamente logo que acaba. Aqui, chegamos a pensar que não estamos ouvindo uma banda em seu primeiro disco, mas algum medalhão que faz rock desde os anos setenta.


Tudo funciona perfeitamente, os teclados de Gabriel Andrade, um dos grandes músicos de sua geração, a bateria com o peso adequado de Pedro Neto, a guitarra pungente de Wilton Bezerra, o baixo competente de George Rolim e também o vocal de Diego Celedônio. Apesar da grande potência vocal, este, em alguns momentos, chega a ser um tanto irritante, com o timbre comparando-se ao vocal de Geddy Lee, do RUSH, ou James LaBrie, do DREAM THEATER, numa primeira audição. No palco, o cantor mostra que tem potência vocal para fazer frente a seus colegas. Sinto informar aos truezões de plantão, os "COLDNESS" não serão do underground por muito tempo. Esta banda, adicionando muito suor, tem os elementos necessários para alcançar o mainstream. É claro que há pontos há melhorar, mas, se boas composições são o alicerce para que esses caras façam como o recém-reunido VIPER e conquistem países como o Japão, eles já podem tirar as fotos para seus passaportes. Que mantenham suas raízes, mas que alcem longos voos. Espero vê-los brevemente (e muitas vezes) em shows por aí e outros CDs com músicas tão melodiosas e bonitas como as do "Existence" nos próximos anos.

Track List:
1. On A Great Speed
2. In The Mirror (No Choices)
3. Justify Your Existence
4. Legacy Of A King
5. Lost In The Valley Of Eternity
6. Live Now
7. My Forgoten Memories
8. Insight
9. Clash Of A Time

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

342 acessosPraça do Rock: O pré-carnaval do metal em Fortaleza0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Coldness"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Coldness"

O Clube dos 27O Clube dos 27
17 roqueiros que sucumbiram à idade fatídica

Maximus FestivalMaximus Festival
Marilyn Manson, a idade é implacável!

System Of A DownSystem Of A Down
Daron Malakian ensina como ser músico

5000 acessosMais Alto!: A diferença entre headbangers e humanos comuns5000 acessosNoisecreep: dez melhores canções de Metal (e Hard) dos 80s5000 acessosJoey Ramone: em 1989 falando de Metallica, AC/DC e GN'R5000 acessosSlash: Comentários sobre Guns, pornstars e Michael Jackson5000 acessosGuns N' Roses: mini-reuniões ao longo da história5000 acessosSupernatural: ouça 10 músicas que marcaram a série

Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online