Running Wild: "Gates..." é rápido, rebelde, intenso

Resenha - Gates To Purgatory - Running Wild

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Diego Simi
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


1984, as sementes de Heavy Metal lançadas pelo saudoso Accept começavam a gerar seus primeiros frutos no fértil solo alemão. Brotava no cenário pesado germânico uma safra de bandas rápidas, agressivas e ao mesmo tempo melódicas, que mais tarde dariam vida ao que conhecemos hoje por Power Metal. Em meio a nomes como Helloween, Grave Digger e Avenger, havia uma das mais promissoras bandas dessa safra: o Running Wild.
5000 acessosHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 19865000 acessosEmo: gênero que todos amam odiar sem conhecer absolutamente nada

Neste ano de 1984 o Running Wild lançou seu primeiro e talvez melhor disco, o debut “Gates to Purgatory”. O som rebelde, obscuro e “cru” destes jovens de Hamburgo que se vestiam com correntes e couro e usavam em suas letras imagens satânicas metaforizando ideais libertários, chamou a atenção dos headbangers ao redor do globo, obtendo a boa marca de 235 mil discos vendidos.

“Victim of State Power” abre alas e já logo de cara ilustra qual é a essência deste disco: o ritmo acelerado e elétrico impresso pelo futuro pirata Rolf Kasparek e seus parceiros, especialmente pelo bom baterista Wolfgang Hasche.

Diferentemente do que se vê a partir do então vindouro “Under Jolly Roger”, de 1987, onde os vocais são mais harmônicos, aqui a voz de Rolf é mais rasgada e suja, o que casava perfeitamente com as metáforas demoníacas que a banda usava em suas canções.

Seguindo o disco, “Black Demon”, dona de um refrão explosivo, e “Preacher”, preparam o terreno para as fantásticas “Soldiers of Hell”, que tem um furioso solo de guitarra, e “Diabolic Force”, onde Rock’N’Rolf manda ver nos agudinhos e a porradaria do baixo de Stephan Boris envolto pela bateria come solta.

Na metade final de “Gates to Purgatory”, se encontra uma dos mais emblemáticos temas do grupo, a canção do filho de Satã, “Adrian S.O.S.”, é a música que dá nome ao velho lobo do mar mascote da banda e com certeza é uma das favoritas dos fãs mais saudosistas. Realmente é uma porrada ultra-veloz com um refrão que te obriga a cantar: “Adrian...son of Satan! Adrian...son of Satan!”. Foda.

“Genghis Khan”, sétima música do álbum, dá continuidade à correria.

Pra finalizar a triunfante estréia do Running Wild, vem uma música que tem cara de hino, jeito de hino, pegada de hino e que nunca pôde faltar nos shows porque é realmente um mega clássico do Metal alemão. “Prisoner of Our Time” é seu nome. Só de ouvir os memoráveis acordes iniciais já dá pra sentir aquele arrepio na espinha que todo banger que gosta de Metal de verdade sente. O refrão então é o mais bacana da história da banda. Do caralho!

Ao lado de “Under Jolly Roger”, “Gates to Purgatory” é o melhor disco do Running Wild. Rápido, rebelde, intenso, e com a famosa temática satânica dando um clima a mais. Só ouvindo um disco como esse dá pra entender porque tem headbanger que só ouve Metal dos anos 80.

Track-list:
01. “Victim of State Power” – 3:36
02. “Black Demon” – 4:25
03. “Preacher” – 4:22
04. “Soldiers of Hell” – 3:23
05. “Diabolic Force” – 4:58
06. “Adrian S.O.S.” – 2:49
07. “Genghis Khan” – 4:11
08. “Prisoner of Our Time” – 5:22

Line-up:
Rolf Kasparek – vocais, guitarra
Gerald “Preacher” Warnecke – guitarra
Stephan Boris – baixo
Wolfgang Hasche – bateria

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 12 de maio de 2012


0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Running Wild"

Top 10Top 10
Os mais influentes álbuns de Metal Tradicional

Metal AlemãoMetal Alemão
About.com elege as melhores bandas

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Running Wild"


Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1986

EmoEmo
Gênero que todos amam odiar sem conhecer absolutamente nada

Marilyn MansonMarilyn Manson
Ele ganharia o Grammy por incitação a mortes

5000 acessosSeparados no nascimento: Ozzy Osbourne e Renato Aragão5000 acessosSimone Simons: a nudez na capa de Divine Conspiracy5000 acessosStrip-Tease: algumas canções que combinam com o tema5000 acessosBruno Sutter: ouça em primeira mão o 1º single, "The Best Singer in the World"5000 acessosBarry Levine: "Yngwie Malmsteen é um idiota!"5000 acessosSlipknot: Ozzy quis entrar pra banda segundo Corey Taylor

Sobre Diego Simi

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online