Resenha - Power Within - DragonForce

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Os fãs de DRAGONFORCE esperavam duas coisas com The Power Within, quinto trabalho de estúdio do grupo: Como se sairia o novo vocalista Marc Hudson, selecionado entre dezenas de outros que participaram de um campeonato via YouTube para escolher o substituto de ZP THEART, e se a banda ainda mantinha as suas marcas registradas: solos cheios de "fritação", sons de video-games, letras com conteúdo fantasioso e épico, riffs rápidos.

Dragonforce: ouça novo single da banda, "Heart Demolition"Megadeth: Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu Gomes

As respostas para as duas indagações são positivas. MARC HUDSON mostrou-se uma excelente substituição. Deu nova cara à banda, o que é evidenciado pelo seu timbre um tanto mais grave que o de ZP (se bem que a primeira vez em que ele abre a boca no álbum, na intensa abertura "Holding On", é para dar um daqueles agudos de arrepiar). Quanto ao som da banda, continua essencialmente o mesmo: riffs acelerados, solos ágeis, batidas extremas. As novidades por aqui ficam por conta dos backing vocais de EMILY OVENDEN, vocalista da banda de power metal conterrânea PYTHIA. CLIVE NOLAN, mais uma vez, também deu sua contribuição como segunda voz.

Contudo, o álbum tem dois defeitos que impedem qualquer resenha de concedê-lo nota máxima: o primeiro é a atuação do tecladista VADIM PRUZHANOV, que traz em "Last Man Stands" o seu único solo "considerável" do álbum inteiro (sem contar "Seasons", em cujo solo ele acompanha as guitarras e mal é percebido em meio à melodia). No resto do álbum, limitou-se a dar alguma atmosfera às faixas, com mais destaque em algumas e menos em outras. Recentemente, ele afirmou na série de vídeos sobre o making of do álbum que ele procurou fazer um som mais orgânico e manter-se longe de arpeggiators e afins - o resultado pode decepcionar alguns.

Outro defeito é a ausência de faixas longas. Enquanto nos álbuns anteriores as músicas eram de no mínimo cinco ou seis minutos de duração, em The Power Within a média não ultrapassa os quatro ou cinco minutos. A única que foi bem mais longe que a média, "Wings of Liberty", chega aos 7:22 mas não se destaca entre as demais. Não que duração seja o fator determinante da qualidade do som da banda, mas para um grupo que vem fazendo isso há mais de dez anos, soa decepcionante ver um álbum cheio de faixas curtas.

Mesmo assim, The Power Within não deixa de ser um bom álbum. Destaque para a abertura "Holding On"; "Fallen World", a primeira faixa liberada e acertadamente divulgada como "a mais intensa e rápida faixa do RAGONFORCE até hoje" (embora outras mais antigas como "Fury of the Storm" não devam nada a ela); "Seasons", que veio com uma versão acústica como faixa bônus; e "Heart of the Storm", que além de ser muito boa ainda vem em uma versão com refrão diferente, dando a opção de escolha para o fã (se é que ele não gostará das duas).

MARC HUDSON fez uma estreia excelente e demonstrou ter muito potencial. O resto da banda, como nos álbuns anteriores, mostrou tudo aquilo que fez dela uma das maiores forças do power metal atual. Resta apenas esperar que o sexteto continue fritando muito em seus instrumentos e não deixem de investir em suas faixas longas nos próximos trabalhos.

"Holding On" - 4:56
"Fallen World" - 4:09
"Cry Thunder" - 5:17
"Give Me the Night" - 4:29
"Wings of Liberty" - 7:22
"Seasons" - 5:05
"Heart of the Storm" - 4:44
"Die by the Sword" - 4:39
"Last Man Stands" - 5:12
"Seasons (Acoustic Version)" - 4:26

Fonte: Sinfonia de Ideias http://sinfoniadeideias.wordpress.com/2012/04/15/the-power-within-nao-decepciona-mas-faixas-longas-e-solos-de-vadim-fazem-falta/


Outras resenhas de Power Within - DragonForce

Dragonforce: Ampliado os horizontes do que já existia




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dragon Force"


Dragonforce: ouça novo single da banda, "Heart Demolition"DragonForce: Baixista Frédéric Leclercq deixa a banda

Dragonforce: banda revela detalhes do próximo álbumDragonforce
Banda revela detalhes do próximo álbum

Ultimate Guitar: 12 bandas que nunca mudamUltimate Guitar
12 bandas que nunca mudam

Power Metal: os dez álbuns essenciais do gêneroPower Metal
Os dez álbuns essenciais do gênero

Power Metal: 10 álbuns essenciais do estiloPower Metal
10 álbuns essenciais do estilo


Megadeth: Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu GomesMegadeth
Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu Gomes

Rolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutosRolling Stone
As melhores músicas com mais de sete minutos

Música Brasileira: Quais os discos mais vendidos da história?Música Brasileira
Quais os discos mais vendidos da história?

Pink Floyd: a história por trás de "Animals"Dossiê Guns N' Roses: A versão de Slash para os fatosKarl Golden: em vídeo de humor, como foi a audição de Axl pro AC/DC?Pearl Jam: baixista reage ao ódio que banda recebe por opiniões políticas

Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.