Europe: Adeus ao passado com som cada vez mais retrô

Resenha - Bag Of Bones - Europe

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por João Renato Alves, Fonte: Van do Halen
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Uma das maiores polêmicas dos últimos anos no Hard Rock foi o retorno do Europe com um som bem distante daquele que o consagrou na era The Final Countdown e que levou o grupo para uma fase bem água com açúcar (ainda que excelente). A volta de Joey Tempest e companhia traz um pé fincado no atual e o outro nas influências originais dos músicos. Na verdade, confesso que me surpreende ver algumas pessoas tendo essa dificuldade para assimilar. Não pelas músicas em si, pois é de cada um gostar ou não. Mas o fato é que o Europe sempre mudou bastante desde o início da carreira. Aliás, não fosse assim, The Final Countdown não teria existido.
2208 acessosEurope: confira fotos do show em São Paulo5000 acessosMetallica: Hetfield elege as suas dez músicas favoritas

Senão vejamos: a banda começou apostando em um Hard quase Heavy em seus dois primeiros discos. Aí veio o estouro comercial, embora algumas características ainda tenham sido conservadas. Daí pra frente, investiu em um som melódico, resvalando no AOR. Retornou com um estilo mais obscuro em Start From The Dark, passou por Secret Society e lançou o excelente Last Look At Eden, que foi seu maior sucesso em termos de números desde Out Of This World. Portanto, não dá mais para esperar que o Europe oitentista reapareça, pois ele já foi enterrado por seus próprios criadores – exceto na hora de executar essas faixas ao vivo, o que fazem até mais em homenagem aos fãs que por uma grande vontade pessoal.

Portanto, tendo essa realidade em vista, vamos ao novo álbum. Bag Of Bones já surpreende desde sua concepção por trazer o quinteto sueco junto do consagrado produtor Kevin Shirley, de folha corrida mais que conhecida. Mergulhando cada vez mais na mistura de Hard, Classic Rock e Blues, o grupo oferece outro grande trabalho para quem estiver disposto a aceitar sua proposta atual. A coisa já esquenta na abertura com “Riches To Rags”, com interpretação poderosa de Tempest e performance inspirada da banda, especialmente do riffmaker Norum, sempre excelente.

A próxima é o single “Not Supposed To Sing The Blues”, que conta com um ótimo refrão e melodia marcante, remetendo ao trabalho anterior. Vale também destacar a letra, cheia de referências históricas. “Firebox” traz uma pegada matadora de Ian Haugland, conduzindo o ritmo com precisão. Já a faixa-título começa com belos violões e cai num Rock dos bons, cheios de variações, remetendo a Bad Company e outras da mesma espécie. Um dos pontos altos! A vinheta “Requiem” dá um tom de mistério para “My Woman My Friend”, densa e carregada de emoção. Para contrabalancear, a porrada certeira de “Demon Head”, com trejeitos Zepellinianos em sua composição.

A curta e acústica “Drink And A Smile” deixa no ar o clima que o título sugere e mostra como mesmo na simplicidade o Europe é diferenciado na categoria de seus integrantes. “Doghouse” muda completamente o clima, sendo a mais para cima de todas, com uma levada gostosa de acompanhar. Talvez a mais acessível de todas. O peso volta a tomar conta em “Mercy You Mercy Me”, com mais um show de John Norum nas seis cordas, mostrando porque Michael Schenker é um de seus guitarristas preferidos. O tracklist normal é encerrado com “Bring It All Home”, que dá uma baixada de bola que vem a calhar para o momento. A bônus para o Japão é “Beautiful Disaster”, menos carregada, talvez a que mais remeta ao passado.

Com certeza estamos falando de outra banda quando colocamos o Europe atual em comparação à sua fase de maior sucesso. Mas eles também só chegaram aonde chegaram justamente mudando o conceito original. E talvez essa seja realmente a maior motivação para continuar juntos, a capacidade de se reinventar a cada novo trabalho. Por isso, Bag Of Bones pode até surpreender um pouco na sonoridade, mas jamais na proposta em si. A única semelhança com tempos mais gloriosos é que o parâmetro de qualidade segue lá em cima. E John Norum – sim, estou citando-o mais uma vez – está cada dia melhor.

Joey Tempest (vocals)
John Norum (guitars)
John Levén (bass)
Ian Haugland (drums)
Mic Michaeli (keyboards)

01. Riches to Rags
02. Not Supposed to Sing the Blues
03. Firebox
04. Bag of Bones
05. Requiem
06. My Woman My Friend
07. Demon Head
08. Drink and A Smile
09. Doghouse
10. Mercy You Mercy Me
11. Bring It All Home
12. Beautiful Disaster (Japan Bonus Track)

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Bag Of Bones - Europe

2147 acessosEurope: Banda entra de cabeça nos anos 70

EuropeEurope
Ingressos para o show com 50% de desconto no Peixe Urbano

2208 acessosEurope: confira fotos do show em São Paulo0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Europe"

Canal CMRCanal CMR
Os piores covers de clássicos do Rock

BurnnBurnn
Os maiores guitarristas Hard & Heavy da história

EuropeEurope
Toco de Lemmy, pito de Freddie, mijada com Axl Rose

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Europe"

MetallicaMetallica
James Hetfield elege as suas dez músicas favoritas

PanteraPantera
About.com elege os cinco melhores álbuns da banda

CamisetasCamisetas
Beldades globais e sua paixão pelo rock

5000 acessosMetal: nomes do gênero que assumiram ser cristãos5000 acessosBlack Sabbath: "Iron Man" em inusitado baixo artesanal5000 acessosMulheres e guitarras: as mais importantes segundo a Gibson5000 acessosCannibal Corpse: "a merda do nu-metal está esquecida agora"5000 acessosPhil Anselmo: vocalista conta história de suas tatuagens em vídeo5000 acessosPhil Anselmo: "Minha missão era matar o glam rock"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 02 de maio de 2012

Sobre João Renato Alves

27 anos, jornalista formado pela Universidade de Cruz Alta. Kissmaníaco inveterado, um verdadeiro apaixonado pela banda de Gene Simmons e Paul Stanley. Idolatra com quase a mesma paixão Queen, Van Halen e Black Sabbath. Aprecia desde o Rock dos anos 50 (Elvis, Little Richard, Chuck Berry, entre outros) e 60 (Beatles, Rolling Stones, The Who, Led Zeppelin...), Hard Rock dos 70's (AC/DC, Deep Purple, Alice Cooper...) e 80's (Mötley Crüe, Def Leppard, Europe, Talisman...), Metal Tradicional (Judas Priest, Dio, Ozzy...), NWOBHM (Iron Maiden, Saxon, Angel Witch...) e Thrash oitentista (Slayer, Destruction, Kreator...). Já teve um programa de rádio, chamado "Lavagem Cerebral", na Unicruz FM. Solteiro e seguidor das idéias de Gene Simmons em relação ao casamento.

Mais matérias de João Renato Alves no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online