Dark Angel: Em 1991, sonoridade a frente do seu tempo

Resenha - Time Does Not Heal - Dark Angel

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Durr Campos
Enviar Correções  


Dark Angel é sempre bem-vindo. O grupo norte-americano de thrash metal sempre foi sinônimo de velocidade, mudanças de andamento e letras mega inteligentes – tudo isso por "culpa" do sobrenatural baterista Gene Hoglan, logicamente sem desmerecer os demais integrantes. Dona de uma carreira um tanto quanto irregular, a banda lançou apenas quatro trabalhos de estúdio, sendo que o derradeiro deles, "Time Does Not Heal", sobre o qual este texto irá tratar, data de 1991.

Maridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'AnnoMetallica: Casal toca "Master" no casamento e ganha encontro com a banda

Relançado em 2011 no mercado nacional pela gravadora Shinigami, este importante registro mostrou à época em que fora editado uma sonoridade cheia de frescor e até a frente do seu tempo. Certamente que os riffs característicos estavam lá intactos, bem como a temática lírica e todo o nível de qualidade característico do Dark Angel desde seu essencial debut "We Have Arrived", de 1985. Mas havia algo inédito por ali, mesmo que a comparação ao "...And Justice For All", de um até então criativo Metallica, fosse inevitável. Sendo mais específico, o quinteto mergulhara de cabeça na veia progressiva ensaiada no anterior, "Leave Scars", posto no mercado cerca de dois anos antes.

"Time Does Not Heal" também trouxe a melhor performance vocal de Ron Rineheart, substituto do lendário Don Doty. Ouvir delícias sonoras como "Act of Contrition", "Trauma and Catharsis", "Pain's Invention, Madness" ou mesmo a faixa-título é, no mínimo, enriquecedor! E o que falar da dupla matadora de guitarristas composta por Eric Meyer e pelo avassalador Brett Eriksen que, junto a Hoglan, assinou sete das nove composições do full-length?

A sorte bate novamente à sua porta, caríssimo leitor. Não perca a chance de ter em mãos um dos álbuns mais inovadoras do início da década de 90. A reedição traz ainda dois bônus ao vivo: a ótima "The Promise of Agony" e "I Don’t Care About You", cover dos punks californianos do Fear (nota do redator: Indico também a audição da versão original, presente no clássico "The Record", lançado em 1982).

Dark Angel – Time Does Not Heal
Shinigami Records – 2011 – Nacional
Relançamento do original de 1991

Tracklist
1. Time Does Not Heal 06:39
2. Pain's Invention, Madness 07:43
3. Act of Contrition 06:09
4. The New Priesthood 07:14
5. Psychosexuality 08:55
6. An Ancient Inherited Shame 09:15
7. Trauma and Catharsis 08:21
8. Sensory Deprivation 07:35
9. A Subtle Induction 05:10
10. The Promise of Agony (live)
11. I Don’t Care About You (live)

Line-up
Ron Rinehart – Vocals
Eric Meyer – Guitars
Brett Eriksen – Guitars
Mike Gonzalez – Bass
Gene Hoglan - Drums, Rhythm guitar

Links relacionados

http://www.myspace.com/darkfuckinangel
https://www.facebook.com/pages/Dark-Angel/292438694004?ref=t...


Outras resenhas de Time Does Not Heal - Dark Angel

Resenha - Time Does Not Heal - Dark AngelResenha - Time Does Not Heal - Dark Angel



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metal: dez álbuns provam que 1986 foi o ano do ThrashMetal
Dez álbuns provam que 1986 foi o ano do Thrash

Thrash: os dez álbuns essenciais do gêneroThrash
Os dez álbuns essenciais do gênero


Maridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'AnnoMaridos traídos
Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'Anno

Metallica: Casal toca Master no casamento e ganha encontro com a bandaMetallica
Casal toca "Master" no casamento e ganha encontro com a banda


Sobre Durr Campos

Graduado em Jornalismo, o autor já atuou em diversos segmentos de sua área, mas a paixão pela música que tanto ama sempre falou mais alto e lá foi ele se aventurar pela Europa, onde reside atualmente e possui família. Lendo seus diversos artigos, reviews e traduções publicados aqui no site, pode-se ter uma ideia do leque de estilos que fazem sua cabeça. Como costuma dizer, não vê problema algum em colocar para tocar Napalm Death, seguido de algo do New Order ou Depeche Mode, daí viajar com Deep Purple, bailar com Journey, dar um tapa na Bay Area e finalizar o dia com alguma coisa do ABBA ou Impetigo.

Mais matérias de Durr Campos no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin