Dio: Prova irrefutável do quão grande e único ele foi

Resenha - Donington UK Live 1983 & 1987 - Dio

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A morte de Ronnie James Dio em 16 de maio de 2010 pegou o mundo de surpresa. É claro que todos sabiam que o vocalista estava em uma batalha dura contra um câncer no estômago, mas o fato é que é muito difícil imaginar que nossos ídolos possam sucumbir a algo tão cotidiano como o fim da vida.

Em 29/08/2009: Ronnie James Dio fazia o último show de sua gloriosa carreiraSeguidores do Demônio: as 10 bandas mais perigosas do mundo

Passada a dor, superada a perplexidade, permanece a saudade e solidifica-se a admiração pela obra de Ronnie James Dio. Nesse aspecto, o ao vivo "Dio at Donington UK: Live 1983 & 1987" é uma prova irrefutável do quão grande e único foi o pequeno Ronnie.

Primeiro lançamento do Niji Entertainment Group, selo criado pelo vocalista ao lado de sua esposa Wendy, o disco é duplo, traz duas apresentações da banda Dio no lendário festival inglês e chega ao Brasil via Hellion Records. O CD 1 contém o show realizado em 20 de agosto de 1983, quando o grupo formou o line-up do hoje infelizmente extinto Monsters of Rock ao lado de Diamond Head, Twisted Sister, ZZ Top, Meat Loaf e Whitesnake, enquanto o segundo disco traz a apresentação ocorrida no dia 22 de agosto de 1987, quando Dio dividiu o palco com Cinderella, W.A.S.P., Anthrax, Metallica e Bon Jovi.

Os tracklists dos dois concertos capturam a banda de Dio em dois momentos distintos. O primeiro, de 1983, traz aquela que é considerada a formação clássica do grupo, com Dio, Vivian Campbell (guitarra), Claude Schnell (teclado), Jimmy Bain (baixo) e Vinny Appice (bateria), enquanto o de 1987 tem Craig Goldy no lugar de Campbell.

Ambos os shows foram retirados do arquivo da BBC, restaurados, remasterizados e lançados para o grande público. A apresentação de 1983 é irrepreensível. Recém-formada, a banda liderada por Ronnie James Dio estava afiadíssima e pra lá de entrosada. Divulgando o clássico álbum "Holy Diver", o grupo fez uma apresentação antológica em Donington, tocando depois do Diamond Head e antes do Twisted Sister.

Baseando o tracklist nas faixas de "Holy Diver", Dio e sua gangue despejam sobre o público uma inacreditável sequência de faixas que se tornariam hinos do heavy metal. "Stand Up and Shout" abre os trabalhos bombasticamente, seguida por "Straight Through the Heart", com uma antológica performance vocal de Dio. As imortais "Rainbow in the Dark" e "Holy Diver" mostram todo o seu poder de fogo em versões memoráveis.

O grupo executa também faixas das marcantes passagens de Dio pelo Black Sabbath e pelo Rainbow. "Children of the Sea" e "Heaven and Hell" soam um pouco mais rejuvenescidas do que as versões que nos acostumamos a ouvir quando tocadas pela guitarra de Tony Iommi e pelo baixo de Geezer Butler. A juventude, o talento e a classe de Vivian Campbell fazem com que essas duas faixas saiam dos alto-falantes tinindo e trincando, pois Campbell - e toda a banda - as executam de uma maneira menos soturna e sorumbática que a forma habitual com que o Black Sabbath sempre as tocou - basta comparar essas versões com as presentes no ao vivo "Live Evil" ou nos bootlegs da primeira passagem de Dio pelo Sabbath.

Do Rainbow chegam as excepcionais "Stargazer", "Man on the Silver Mountain" e "Starstruck". Pessoalmemente, a minha fase preferida de toda a longa carreira de Ronnie James Dio é a que ele esteve acompanhado por Ritchie Blackmore, notadamente o período entre os álbuns "Rising" (1976) e "Long Live Rock'n'Roll" (1978). O contraste com os discos ao vivo do Rainbow é gritante, principalmente pela ausência dos vôos instrumentais de Blackmore. Dessa maneira, enquanto as composições perdem pela imprevisibilidade de Ritchie, que as levava sempre a lugares diferentes a cada noite, ganham na energia e no fogo que o grupo coloca em suas releituras, mais objetivas, mais diretas e, em certos momentos, até mesmo mais pesadas que aquelas presentes nos discos ao vivo do Rainbow.

O segundo CD de "Dio at Donington" traz a segunda passagem de Dio pelo Monsters of Rock, desta vez em 1987 e como uma das atrações principais - a banda tocou depois do Metallica e antes do Bon Jovi, headliner daquele ano. Com Craig Goldy no lugar de Vivian Campbell, o grupo soa naturalmente diferente do registro de quatro anos antes. Promovendo o álbum "Dream Evil", a banda toca um tracklist bastante diferente do primeiro disco.

"Dream Evil" abre o show, seguida de "Neon Knights", pedrada de "Heaven and Hell", primeiro álbum gravado por Dio com o Black Sabbath. "Naked in the Rain" e a ótima "Rock and Roll Children", essa última do álbum "Sacred Heart", abrem caminho para a contagiante "Long Live Rock'n'Roll", eternizada pelo Rainbow.

A estupenda "The Last in Line", uma das melhores músicas compostas por Dio em toda a sua carreira, ratifica o status de clássico em uma versão arrepiante. O Black Sabbath volta à ordem do dia com "Children of the Sea", seguida de "Holy Diver" e "Heaven and Hell". A parte final da apresentação resgata mais um clássico do Rainbow - "Man on the Silver Mountain" - e duas faixas da banda Dio - a então recente e excelente balada "All the Fools Sailed Away" e "Rainbow in the Dark".

De uma maneira geral, o set list do primeiro disco é mais equilibrado que o segundo, fato esse que, combinado com a entrada de Goldy no lugar de Campbell - um guitarrista nitidamente superior - faz com que o show de 1987, mesmo sendo muito bom, seja inferior ao de 1983, que capturou o grupo em um momento inspiradíssimo.

Fechando o pacote, a embalagem digipack dá um ar mais refinado e luxuoso ao projeto. Além disso, o encarte traz textos do renomado crítico inglês Dante Bonutto, e inúmeras fotos do grupo.

"Dio at Donington UK: 1983 & 1987" é um lançamento imperdível, e marca o início de uma série de itens que devem chegar às lojas concedendo à obra de Ronnie James Dio um tratamento à altura de sua importância para o heavy metal.

Seja pelo valor histórico, seja pelo lado sentimental, esse CD é um daqueles discos que não dá pra deixar passar, e deve ser colocado em posição de destaque em qualquer coleção dedicada à música pesada.

Desde já um clássico!

Faixas:

CD 1: 1983
1 Stand Up and Shout
2 Straight Through the Heart
3 Children of the Sea
4 Rainbow in the Dark
5 Holy Diver
6 Drum Solo
7 Stargazer
8 Guitar Solo
9 Heaven and Hell
10 Man on the Silver Mountain
11 Starstruck
12 Man on the Silver Mountain (Reprise)

CD 2: 1987
1 Dream Evil
2 Neon Knights
3 Naked in the Rain
4 Rock and Roll Children
5 Long Live Rock 'n' Roll
6 The Last in Line
7 Children of the Sea
8 Holy Diver
9 Heaven and Hell
10 Man on the Silver Mountain
11 All the Fools Sailed Away
12 The Last in Line (Reprise)
13 Rainbow in the Dark




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dio"


Em 29/08/2009: Ronnie James Dio fazia o último show de sua gloriosa carreiraEm 29/08/2009
Ronnie James Dio fazia o último show de sua gloriosa carreira

Dio: Epiphone anuncia linha de guitarras "Les Paul Diver"Collectors Room: os discos que marcaram a carreira de Dio (vídeo)

Dio: diversos clipes do cantor chegam oficialmente ao YouTubeDio
Diversos clipes do cantor chegam oficialmente ao YouTube

Heavy Metal: os vinte melhores álbuns da década de 80Heavy Metal
Os vinte melhores álbuns da década de 80

O passado quase desconhecido de alguns rockstarsO passado quase desconhecido de alguns rockstars
O passado quase desconhecido de alguns rockstars

Túmulos: alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUATúmulos
Alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUA


Seguidores do Demônio: as 10 bandas mais perigosas do mundoSeguidores do Demônio
As 10 bandas mais perigosas do mundo

Di'Anno: Harris é como Hitler e o Maiden é entediante!Di'Anno
"Harris é como Hitler e o Maiden é entediante!"

Morbid Angel: banda satânica, eu jamais voltaria, diz SandovalMorbid Angel
"banda satânica, eu jamais voltaria", diz Sandoval

Musos do Heavy Metal: Agora é a vez das garotas!Linkin Park: Chester Bennington abre o jogo sobre seu vícioSlipknot: 20 saltos épicos de Sid Wilson registrados em vídeoBlack Sabbath: As curiosidades sobre o álbum Paranoid

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336