Rob Zombie: numa linha mais voltada às raízes do rock

Resenha - Hellbilly Deluxe 2 - Rob Zombie

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7


O atraso foi grande, pois o disquinho ficou na gaveta por nada menos do que dois anos desde sua gravação... O motivo, provavelmente, é em função de os últimos tempos o ocupadíssimo Rob Zombie ter se dedicado à direção de inúmeros filmes, mas, enfim está chegando ao mercado "Hellbilly Deluxe 2", um quarto álbum de estúdio que visa resgatar o sucesso conquistado por sua multi-platinada versão homônima de 1998.

Slipknot: Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saídaChris Cornell: a emocionante despedida de Tom Morello

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Porém, ainda que Rob Zombie esteja no rol dos mais criativos e influentes artistas norte-americanos, a adoção deste título poderá ser considerado um equívoco. As versões 1.0 e 2.0 de "Hellbilly Deluxe" simplesmente não possuem a conexão musical que seus nomes sugerem. A vibração é outra... Enquanto as antigas canções eram modernóides e quase dançantes, o novo disco segue uma linha mais voltada às raízes do rock, ainda que as estranhas experimentações estejam presentes.

Agora, se desvincularmos o fato de "Hellbilly Deluxe 2" ser a sequência de algo tão diferente, seu repertório funciona, afinal, toda a excentricidade de seu Rock'n'Roll pesadão consegue permanecer grudento e manter as atenções sobre o público que aprecia o lado mainstream do gênero. A temática, como não poderia deixar de ser, segue adequadamente preenchida pelos tradicionais fetiches com mulheres gostosas, filmes B, C e D (haja zumbis, monstros, alienígenas e outras obsessões macabras!), com o sempre singular timbre de Rob Zombie.

Ainda que as faixas escolhidas como singles sejam a nauseabunda "What?" (título perfeito para tal esquisitice sonora) e "Sick Bubblegum", este escriba não abre mão de ocasiões mais diretas como "Mars Needs Women", "Werewolf, Baby!" e a sabbáthica "A Virgem Witch". Na realidade, "The Man Who Laughs" poderia ser a mais impressionante canção em função de sua versatilidade, mas infelizmente há um irritante solo de bateria de uns três minutos interrompendo todo o clima, e bem no meio da composição... Pena!

Após a audição, percebe-se que usar o nome "Hellbilly Deluxe" certamente é uma tentativa (mal sucedida) de vender mais através dos méritos de um consagrado predecessor que rendeu hits como "Living Dead Girl", "Dragula" e "Superbeast". Como já disseram por aí, é uma 'atitude enganosa', artifício que, convenhamos, é totalmente desnecessário para um artista com o currículo de Rob Zumbie. De qualquer forma, o disco oferece boa distração, exibindo todo o senso de diversão pervertida que parece guiar a vida deste artista.

Contato:
http://www.robzombie.com
http://www.myspace.com/robzombie

Formação:
Rob Zombie - voz
John 5 - guitarra
Piggy D - baixo
Tommy C - bateria

Rob Zombie - Hellbilly Deluxe 2
(2010 - Roadrunner Records / Loud&Proud Records - nacional)

01. Jesus Frankenstein
02. Sick Bubblegum
03. What?
04. Mars Needs Women
05. Werewolf, Baby!
06. Virgin Witch
07. Death And Destiny Inside The Dream Factory
08. Burn
09. Cease To Exist
10. Werewolf Women Of The SS
11. The Man Who Laughs




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Rob Zombie"


Rob Zombie: fazer turnê com o Slayer não foi tão legal assimRob Zombie
Fazer turnê com o Slayer não foi tão legal assim

Rob Zombie: sua lista dos 5 Melhores Filmes de ZumbiRob Zombie
Sua lista dos 5 Melhores Filmes de Zumbi


Slipknot: Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saídaSlipknot
Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saída

Chris Cornell: a emocionante despedida de Tom MorelloChris Cornell
A emocionante despedida de Tom Morello


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336