Eclectika: uma formação que consegue fugir do convencional

Resenha - Dazzling Dawn - Eclectika

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 6

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


São poucas as bandas da França que conseguem alguma repercussão fora de seu país... Tendo iniciado suas atividades em 2001, o Eclectika possui uma formação que consegue fugir do convencional, com três vocalistas, Alexandra Lemoine, Aurélien Pers e Sebastien Regnier, sendo que este último é o responsável por tocar todos os instrumentos. E agora o trio está liberando seu segundo disco, o bizarro "Dazzling Dawn", através do conterrâneo selo Asylum Ruins.
5000 acessosPlanet Rock: 40 melhores discos ao vivo de todos os tempos5000 acessosTimo Tolkki: surtando no Facebook com a filha contra brasileiros?

O próprio Eclectika define sua música como Pós-Black Metal experimental. E este é um termo bastante apropriado para situar o leitor acerca de uma proposta tão curiosa, repleta de passagens instrumentais, atmosferas sombrias, depressivas e melancólicas se combinando de alguma forma com arranjos neoclássicos, breves flertes eletrônicos e muito Heavy Metal extremo, daqueles bem crus, além, é claro, de toda uma gama de vocalizações, que vão do gutural ao operístico, cantando em inglês.

Mas, ainda que todo experimentalismo geralmente mereça ser estimulado, o repertório carece de uma maior unidade que torne o fluxo de canções realmente dinâmico – vide “11 Corps Décharnés”, com seus 10 minutos soporíferos. Além de a bateria programada não soar bem, outro ponto que compromete é a atuação de Alexandra, que realmente fica deslocada quando se envereda pelos cantos líricos. Infelizmente, sua voz não tem o alcance necessário para tal.

É claro que a boa intenção progressiva do grupo gerou faixas muito boas, em especial a sinfônica “Dazzling Dawn”, a mais lenta "Les Démons Obsédants Du Regret" e a caótica "There Is No Daylight In The Darkest Paradise". De qualquer forma, apesar dos percalços, sempre haverá um público receptivo pelo que "Dazzling Dawn" oferece. Se este é você, dê uma conferida no Eclectika, quem sabe, talvez até role uma empatia...

Contato:
http://www.eclectika.fr
http://www.myspace.com/thelastbluebird

Formação:
Alexandra Lemoine - voz
Aurélien Pers - voz
Sebastien Regnier - voz, todos os instrumentos

Eclectika - Dazzling Dawn
(2010 / Asylum Ruins - importado)

01. The End
02. Dazzling Dawn
03. Sophist Revenge
04. Les Démons Obsédants Du Regret
05. There Is No Daylight In The Darkest Paradise
06. Experience 835
07. The Next Blue Exoplanet
08. Marble Altar
09. Stockholm Syndrome
10. 11 Corps Décharnés

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Eclectika"

Planet RockPlanet Rock
Os 40 melhores álbuns ao vivo de todos os tempos

Timo TolkkiTimo Tolkki
Surtando no Facebook com a filha contra brasileiros?

AC/DCAC/DC
Brian revela segredo obscuro de Angus Young

5000 acessosGuns N' Roses: Axl desafina guitarra de Slash e pede desculpas5000 acessosZakk Wylde: O assassinato atribuido à "seita" do guitarrista5000 acessosRolling Stone: os 10 piores covers da história5000 acessosDave Mustaine: "Minha vida não se resume somente a brigas"5000 acessosHeavy Metal: as 10 melhores bandas da era moderna5000 acessosOutro Chris Cornell subiu ao palco em Detroit anteontem e precisamos falar sobre isso

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online