Matérias Mais Lidas

imagemMaranhão Open Air anuncia line-up com 24 bandas em dois dias

imagemPrika Amaral esclarece por que contratou apenas mulheres europeias para a Nervosa

imagemA opinião de Dave Mustaine sobre a clássica "The Unforgiven", do Metallica

imagemAudioslave: Tom Morello recorda seu sinistro primeiro encontro com Chris Cornell

imagemCinco músicas lançadas após o ano 2000 que se tornaram clássicos do rock - Parte II

imagemCinco músicos que começaram vida nova após saírem de grandes bandas de heavy metal

imagemNando Reis e a linda música que Samuel Rosa dispensou por ter recebido na hora errada

imagemGene Simmons sobre o Ramones: "Punk nos EUA não significava nada"

imagemVocalista do Anvil afirma que Rob Halford e Ian Gillan são personagens

imagemIggor Cavalera relembra quando Max foi para delegacia e delegado palmeirense o salvou

imagemLegião Urbana e a surpreendente música que serviu de base para "Ainda é Cedo"

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemJanis Joplin: última gravação dela em vida foi feita para um Beatle

imagemAs faixas do "Black Album" que James Hetfield e Lars Ulrich não curtem

imagemBlaze Bayley diz que um dos menores shows da carreira do Maiden foi o seu melhor


Stamp

Sonic Syndicate: mal interpretado pelos fãs de Heavy Metal

Resenha - Love And Other Disasters - Sonic Syndicate

Por Clóvis Eduardo
Em 24/12/08

Nota: 7

Uma banda com dois vocalistas. Tá aí uma coisa que não se vê todo dia. E não é questão de backing vocals ou participações isoladas. O que Richard Sjunnesson e Roland Johansson fazem no Sonic Syndicate é algo incomum, mas que se bem explorado, pode dar resultados incríveis.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O visual, o estilo e até mesmo o som do Sonic Syndicate pode ser muitas vezes mal interpretado pelos fãs de Heavy Metal, tão acostumados às pesadas e morteiras bandas suecas, como In Flames, Soilwork, Opeth ou Dismember. Longe de ser uma novidade ou revelação, o Sonic Syndicate faz um som calcado na melodia, na habilidade da dupla de vocalistas em alternar tons urrados ou limpos e no acréscimo de partes de teclado ou sintetizadores mais destacadas que a própria linha de guitarras. De longe, lembra um pouco as bandas de Metal Core que aparecem aos milhares na América do Norte, mas com aquela depressão típica sueca que a gente aprendeu a admirar.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Tem muito peso e energia nesta banda! Os irmãos Richard, Roger e Robin Sjunnesson dão conta de criar as passagens marcantes, e desdobramentos ao longo das canções. Os dois últimos são os guitarristas do grupo, e apesar dos elogios, não são nada de espetaculares, até por que se você procura solos ou riffs inovadores, está no lugar errado. Mas vai ouvir uma seqüência de ritmos manjados e que combinam como a natureza melancólica e raivosa das letras, como mesmo induz o próprio título do álbum.

Para quem gostou de "Only Inhuman", disco antecessor, há motivo de ficar ainda mais orgulhoso do trabalho feito pelo Sonic Syndicate, pois a formatação das músicas está muito idêntica ao disco lançado no início de 2007. A gatinha com cara de malvada Karin Axelsson segue a linha simples no baixo acompanhando o baterista John Bengtsson em incursões rápidas nas viradas e nos bumbos, como em "Encaged", canção que abre o disco e já dá uma prévia do que é a grande sacada da banda. O refrão é de primeira, com a participação dos dois vocalistas, mas perceba como as guitarras ficam quase em segundo plano quando a harmonia de teclado entra em cena.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

"Hellgate - Worcester" já começa mais intensa, mas lá pelas tantas o refrão descamba para o mesmo ritmo que os fãs já estão acostumados a ouvir. Duetos entre Richard (tom mais rasgado) e Roland (parte limpa) fazem de cada composição um momento singular. Mas no conjunto da obra, o Sonic Syndicate fez um álbum muito parecido, linear, apesar do bom número de baladas.

Mesmo com as repetições, o estilo que os suecos desenvolveram no trabalho ficou muito bom. É que quem souber aproveitar o máximo de opções em seu ramo, principalmente na hora de dividir os vocais, terá liberdade em aproveitar melhor cada música. E a banda, apesar de nova, já colhe frutos bem doces do trabalho, tendo participado de grandes festivais europeus, como o gigantesco Wacken Open Air, o sonho de qualquer banda que se preze. Só faltou darem crédito ao dono dos arranjos de teclado, afinal, ele merece!

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal


Outras resenhas de Love And Other Disasters - Sonic Syndicate

Resenha - Love And Other Disasters - Sonic Syndicate

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Power Metal: os dez álbuns essenciais do gênero

Andreas Kisser: "Eloy Casagrande talvez não seja humano"


Sobre Clóvis Eduardo

Clóvis Eduardo Cuco é catarinense, jornalista e metaleiro.

Mais matérias de Clóvis Eduardo.