Armory: esbarrando na mesmice do metal melódico europeu

Resenha - Dawn of Enlightenment - Armory

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Clóvis Eduardo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Ainda há espaço no metal melódico para bons grupos apresentarem novidades, criatividade e destrezas. O que não pode acontecer de jeito nenhum, é a nova geração copiar as fórmulas que já mostraram certo “sucesso”, como é o caso do que o Edguy ou o finado Stratovarius fizeram ao longo das últimas décadas.
5000 acessosLars Ulrich: O motivo pelo qual o Big Four tocou "Am I Evil"5000 acessosO lado escuro do rock: você acredita em magia negra?

O Armory, grupo formado na cidade de Townseed, em Massachusetts nos Estados Unidos, tem motivos para levar uma bronca, mas também um elogio. Apesar de difícil ver uma banda de power/speed metal vinda da América do Norte, o quinteto apresenta um CD bem gravado, e com uma boa proposta, mas que esbarra na mesmice do que já nos foi apresentado anos e anos atrás pelos colegas europeus.

A banda é boa, e isso não podemos negar. A dupla de jovens guitarristas Joe Kurland e Chad Fisher, que formou o Armory em 2001 é a grande responsável por este disco. Originalmente lançado em 2004 e re-lançado com nova mixagem ao final de 2007, o trabalho mostra o talento dos rapazes, que, mesmo sem baterista de estúdio, não desanimaram do ideal. Joe assumiu as baquetas e colocou muita garra na gravação. Para os shows, a banda recrutou Tom Vieira, que também não vem decepcionando.

As músicas são um pouco repetitivas, naquele estilo puro e simples do metal melódico. Uma balada aqui, uma música mais “raise your hands” ali, e por aí vai. As letras são baseadas em filosofia, história, fantasia e na velha história de “avante e lute!”. Como qualquer clichê do power metal, a faixa de introdução (chuva, trovoadas, raios, efeitos orquestrados e instrumentais), é acompanhada de uma canção rápida e com refrão emotivo. Simples assim, mas difícil de agüentar por muito tempo. No restante do disco, as músicas ficam naquele chove não molha, com instrumental bem tocado, mas ao mesmo tempo estacionado, sem atrativos, mesmo com o esforço do vocalista Adam Kurland (irmão de Joe, guitarrista). O tom de voz dele é bom, inclusive muito semelhante ao de Tobias Sammet (Edguy/Avantasia), mas apesar de ter um gogó de ouro, é outro que viaja nos estridentes e dispensáveis gritinhos.

A equipe é completada ainda com a presença do tecladista Peter Rutcho, o grupo ganha uma maior harmonia instrumental, e um ponto a mais nos duelos durante os solos. Thomas Preziosi comanda o baixo e se dá bem no que faz, pois não se mantém apenas em fazer aquela base boba tão comum.

Como músicas destaque, experimente a sexta canção, “Warrior Forlon” pelos duelos de guitarra contrastados pelo bonito coro entonado por Adam, e a sétima música (por ironia, apenas instrumental), “Forged In Dragon Flame”, cheia de virtuoses. Mas não se esqueça de dar uma passada pelo cover de “Flight Of Icarus”, do Iron Maiden, que por sinal, ficou bem bacana, apesar dos deslizes do nobre vocalista. Para fechar, “Dr. Willy”, cançãozinha de dois minutos utilizada como trilha no jogo de vídeo-game “Mega Men”.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Armory"

Lars UlrichLars Ulrich
O motivo pelo qual o Big Four tocou "Am I Evil"

GhostGhost
O lado escuro do rock: você acredita em magia negra?

BizarricesBizarrices
Ozzy Osbourne, Rolling Stones, The Who e outros

5000 acessosGhost: Nergal revelou a identidade de Papa Emeritus II?5000 acessosSlipknot: "pastor" detecta mensagens subliminares nas capas5000 acessosNo alto do castelo há uma linda princesa...5000 acessosGuns N' Roses: cover de AC/DC em homenagem a falecido cão de Axl Rose5000 acessosQueen: estudo diz que Bohemian Rhapsody é melhor que sexo5000 acessosMötley Crüe: "não somos como o Bon Jovi", diz Nikki Sixx

Sobre Clóvis Eduardo

Clóvis Eduardo Cuco é catarinense, jornalista e metaleiro.

Mais matérias de Clóvis Eduardo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online