Corja: sarcasmo e energia bruta e espontânea

Resenha - Al Qaeda's Greatest Hits - Corja

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Primeiramente, e para evitar alguma confusão: de “grandes hits”, o Corja traz somente uma coleção de fúria e sarcasmo tipicamente urbanos e que só sobrevive no underground mesmo. A banda surgiu em 1998 na capital goiana tocando rap-core com letras engajadas, mas a sonoridade foi se alterando junto com a formação, passando por uma fase mais rap até um mix de thrash, funk e hard rock setentista. Bom, esta fase de experimentalismo e busca pela sonoridade ideal já passou; o Corja participou da coletânea "Não Nasci Para Ser Herói", lançada pelo selo paulista Agah Records e, enfim, está debutando com “Al Qaeda´s Greatest Hits”.
5000 acessosVanessa Frehley: amor sem limites ao Kiss5000 acessosGuns N' Roses: Como Slash explica a separação em sua biografia?

Como o próprio nome do grupo sugere – e fica ainda mais evidente com o título do disco – a intenção aqui é ser totalmente politizado e com mensagens subversivas, algo que parece estar em extinção, pelo menos com o nível de honestidade que exala do Corja. Muitas das formas tão hipócritas pela qual a sociedade vive com tanto orgulho são escarnecidas sem piedade por Camboja (voz e guitarra), Segundo (voz e baixo) e Daniel (bateria). Os caras enfiam o dedo na ferida e cospem em cima, literalmente.

Musicalmente a coisa segue na mesma linha... Agora o trio enfia os dedos na tomada e manda ver, destilando a raiva com tudo o que está ao seu redor. Seu estilo é o que se pode chamar de rock underground, crossover barulhento prá cacete. Uma salada de punk, hardcore e metal, tudo naturalmente despejado de forma básica e cantado a duas vozes, rendendo ótimas faixas como “A realidade bate à sua porta”, “Revolta”, “Fogo na patricinha” (quantas será que eles queimaram?), “Ode ao burguês” (cuja letra foi escrita em 1922 pelo ilustre Mário de Andrade, e que ainda continua tão atual), e por aí vai.

Mas, como foi dito, a energia é bruta e espontânea. E isso muitas vezes acaba por resultar em canções que deveriam ser mais bem trabalhadas, como em "Pagano pau” e “Mas é claro que o sol vai voltar...”, onde o vocalista desafina e força tanto que parece que vai ter um ataque (cuidado com o coração, meu filho!), e acaba não agradando mesmo. São estes os pontos que prejudicam o que poderia ser um repertório muito bom.

Controvérsias por questionarem e incitarem a revolta? Se houver reclamações, podem ter a certeza de que provavelmente o Corja as transformará em música e incluirão em seu próximo CD. E, caro leitor, faça um esforço e adquira seu “Al Qaeda´s Greatest Hits”. O pessoal merece por trabalhar de forma tão honesta e tentando evitar as armadilhas da indústria cultural.

E quem sabe assim eles conseguem comprar seus próprios instrumentos para gravar o próximo disco...

Contato:
corja2000@yahoo.com.br
http://www.myspace.com/corja

Corja – Al Qaeda´s Greatest Hits
(2006 / Two Beers or Not Two Beers)

01. A realidade bate à sua porta
02. Revolta!
03. Fogo na patricinha
04. Haverá paz?
05. Allende Mandar
06. Atos de vandalismo pela cidade
07. Molotov em sua mansão
08. Ode ao burguês
09. Pagano pau
10. Lésbica riot grrl?
11. Melhor pra você?
12. Mas é claro que o sol vai voltar...
13. Carniça de urubu

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Corja"

Collectors RoomCollectors Room
Uma coleção impressionante de ítens do Kiss

Guns N RosesGuns N' Roses
Slash explica, em biografia, como ocorreu a separação

Dave MustaineDave Mustaine
"Tocar com o Metallica foi purificador"

5000 acessosNazareth: 40 anos de rock5000 acessosSeparados no nascimento: James Hetfield e Mano Menezes5000 acessosNirvana: o bizarro gosto gráfico de Kurt Cobain5000 acessosVinil: 21 coisas que ninguém nunca lhe conta sobre colecioná-lo5000 acessosKerry King: certo que fez coisa legal na sua carreira5000 acessosGwar: "Oderus Urungus" é queimado em memorial ao vocalista

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online