After Forever: um nível superior em "Remagine"

Resenha - Remagine - After Forever

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Rodrigo Simas
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Floor Jansen. É difícil começar a escrever sobre o quarto CD “full lenght” do After Forever sem citar a vocalista. Não que ela já não fosse o maior destaque dos outros trabalhos, mas o nível atingido em “Remagine” é muito superior. As linhas melódicas estão mais trabalhadas, sua voz está mais agressiva e ela parece ter controle absoluto sobre o que está fazendo. Até mesmo nas partes operísticas (que foram deixadas um pouco de lado – uma boa escolha), onde ela perde um pouco sua identidade, o resultado é muito bom.
5000 acessosOut: os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revista5000 acessosSlipknot: 12 histórias que retratam o quão insana a banda é

Além disso, Remagine é o CD que menos pode se enquadrar na categoria Gothic Metal, em que muitos ainda tentam rotula-los. Tirando as partes operísticas já citadas e os vocais urrados de Sanders Gommans, restam poucos resquícios do estilo. A nova sonoridade também foi influenciada pela adição do teclado de Joost Van Den Broek (ex-Ayreon e Sun Caged), que participou ativamente da composição e teve extrema importância no resultado final, mesmo com alguns dos arranjos soando datados, principalmente as batidas eletrônicas e os sons sintetizados, remetendo ao pop dos anos 80.

A banda ainda esbarra em diversos clichês do heavy metal e em algumas partes soa como um clone de outros ícones do heavy metal atual, como o Nightwish. Mas isso não diminui por completo a qualidade das composições e dos vocais de Floor Jansen. E é aí que reside a maior força do After Forever: músicas bem construídas, com bons riffs e boas melodias. Destaques para “Face Your Demons”, “Free Of Doubt”, a bela “Strong” (escrita para a mãe de Floor, que passava por problemas de saúde) e a mais experimental “Only Everything”.

"Remagine" não vai mudar sua vida, mas irá agradar em cheio os fãs da banda e de metal em geral, e com certeza vai abrir novas portas para o After Forever. Se a pequena mudança de direção foi acertada, agora só falta lapidar os excessos e os vícios do estilo nos próximos trabalhos, já que com uma vocalista como Floor Jansen na banda, metade do trabalho está feito.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Remagine - After Forever

3589 acessosResenha - Remagine - After Forever5000 acessosTradução - Remagine - After Forever

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "After Forever"

Metal SinfônicoMetal Sinfônico
Dez álbuns essenciais do gênero

NightwishNightwish
"Encontros com fãs são luxo, não obrigação", diz Floor

Metal sinfônicoMetal sinfônico
Os 10 melhores segundo o TeamRock

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "After Forever"

OutOut
Os 100 álbuns mais gays segundo a revista

SlipknotSlipknot
12 histórias que retratam o quão insana a banda é

Elvis PresleyElvis Presley
A filmografia do Rei do Rock

5000 acessosO futuro do Rock nacional: bandas autorais devem "se tocar"5000 acessosMetal: As bandas mais expressivas surgidas nos últimos 15 anos5000 acessosSemelhança: vocalistas de rock com vozes quase iguais5000 acessosRafael Serrante: Ele invadiu o palco do Maiden no Rock In Rio4746 acessosUdo: vocalista conta porque não tem mais relações com o Accept5000 acessosBlack Sabbath: 35 anos do acidente de "Trashed"

Sobre Rodrigo Simas

Designer, carioca e tricolor. Começou a ouvir música aos 11 anos, com Iron Maiden, Metallica e Rush. Tem como hobby quase profissional, a música. Além de produzir shows e eventos, trabalhou por 5 anos em loja especializada em Heavy Metal, e já escreveu para alguns sites e revistas de música. Hoje escuta de tudo um pouco, e cada vez mais descobre que existem apenas dois tipos de música: a boa e a ruim, independente do estilo. Bandas e artistas favoritos: Dave Matthews Band, Peter Gabriel, Rush, Iron Maiden, Led Zeppelin, Ben Harper, Radiohead, System of a Down... e a lista continua…

Mais informações sobre Rodrigo Simas

Mais matérias de Rodrigo Simas no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online