Resenha - Instant Clarity - Michael Kiske

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Luis Wasques
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A carreira de Michael Kiske pós Helloween é recheada de polêmica. Declarações “bombásticas” e álbuns controversos foram suficientes para abalar os nervos dos fãs da fase ”Keeper of the Seven Keys”, de sua ex-banda. “Instant Clarity” (1996) é o primeiro trabalho solo do vocalista e qualquer um que esperasse sua poderosa voz acompanhada de guitarras rápidas e levadas de bumbo duplo, quebraria a cara (ou os ouvidos) ao se deparar com um disco completamente heterogêneo.
5000 acessosGuns N' Roses: A crítica de Portnoy ao trabalho de Matt Sorum5000 acessosMetal: adolescentes que ouvem o gênero fazem mais sexo?

A começar por “Be True to Yourself”, a faixa de abertura, já é possível notar a intenção de flertar com o grunge. A diferença é que essa música é muito mais legal do que a maioria das músicas do movimento de Seattle. Possui refrão e riffs matadores, além de uma ambientação fantástica que nos remete diretamente à arte do álbum (raios e tempestade). Em seguida uma música que muitos fãs do Helloween (e do Iron Maiden também) não torceriam o nariz: “The Calling”, com participação de Adrian Smith, cujos riffs iniciais lembram muito o que Bruce Dickinson faria pouco tempo depois em “Accident of Birth”.

Em “Somebody Somewhere” toques de country e pop permeiam a estrutura da música que tem um refrão bem esquisito harmonicamente; não soou bem. A balada “Burned Out” dá conta do recado e mostra um dos fortes de Michael Kiske que é a composição de músicas lentas e intimistas. Dando seqüência ao álbum, “New Horizons” revê o passado “headbanger” do vocalista e ainda conta com a participação de seu ex-companheiro de banda Kai Hansen.

“Hunted” possui algumas boas sacadas de vocal mas vai se tornando bem chata e soa sem imaginação em algumas partes. Uma das mais belas canções de todo álbum atende pelo nome de “Always”, mais uma balada que expõe toda a musicalidade de Kiske. O vocalista agradece aos fãs na divertida “Thanx a Lot!” e faz um rock a lá “Sessão da Tarde” em “Time´s Passing By”.

A inusitada “So Sick” é um protesto de Kiske contra a “arte vendida” e provavelmente tem algo a ver com sua desilusão frente ao “mundo do metal”, como declarado em muitas entrevistas. O álbum fecha com “Do I Remember a Life”, que em seus mais de dez minutos mostra toda a versatilidade vocal de Kiske em momentos intensos e outros mais tranqüilos resultando em um grande “épico-balada”.

É fácil perceber que com “Instant Clarity”, Michael Kiske dava suas primeiras investidas na busca de se desvincular de seu passado Heavy Metal. O primeiro trabalho solo do vocalista que fez história no Helloween é bastante surpreendente e imprevisível, dividindo opiniões até hoje. Acima de tudo é um exemplo de ousadia e qualquer tentativa de se fugir da mesmice e de se criar algo novo deve ser aplaudida.

1."Be True to Yourself" (Kiske)
2."The Calling" (Kiske, Adrian Smith)
3."Somebody Somewhere" (Ciriaco Taraxes, Kiske)
4."Burned Out" (Taraxes)
5."New Horizons" (Smith, Kiske, Kai Hansen)
6."Hunted" (Kiske, Taraxes)
7."Always" (Kiske)
8."Thanx a Lot!" (Kiske)
9."Time's Passing by" (Kay Rudi Wolke, Taraxes)
10."So Sick" (Kiske)
11."Do I Remember a Life?" (Kiske, Taraxes)

Michael Kiske
•Michael Kiske – vocais
•Ciriaco Taraxes – guitarra
•Jens Mencl – baixo
•Kay Rudi Wolke – bateria

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Instant Clarity - Michael Kiske

5000 acessosMichael Kiske: abra sua mente e compre este CD

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Michael Kiske"

HelloweenHelloween
As melhores composições de Michael Kiske

SeparadosSeparados
Michael Kiske e Lord Varys (Game of Thrones)

Michael KiskeMichael Kiske
A Adoração ao Mal no Cenário do Heavy Metal

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Michael Kiske"

Guns N RosesGuns N' Roses
A crítica de Portnoy ao trabalho de Matt Sorum

MetalMetal
Adolescentes que ouvem o gênero fazem mais sexo?

Pink FloydPink Floyd
The Wall: uma obra de arte conceitual

5000 acessosKing Diamond: Alguém já o viu sem a maquiagem?5000 acessosAxl Rose: Um dos vocalistas com maior alcance5000 acessosDeath Metal: menina de 6 anos detona no America's Got Talent5000 acessosAngela Gossow: Não existe deus! Simplesmente lide com isso!5000 acessosMetallica: o que rola nas playlists de James e Lars?5000 acessosNinguém é perfeito: os 25 piores álbuns feitos por bandas lendárias

Sobre Luis Wasques

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online