Resenha - Rebel Meets Rebel - Rebel Meets Rebel

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 9

Este é um CD que trará muitas alegrias a qualquer fã de boa música. "Rebel Meets Rebel" trás três dos quatro integrantes de uma das bandas de heavy metal mais importantes dos anos noventa tocando ao lado de uma das maiores lendas do country americano. A mistura, que a princípio teria tudo para soar indigesta, surpreende até o ouvinte mais experiente.

Rock in Rio: algumas das maiores vaias em edições nacionaisSpike: os sete piores solos de guitarra

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


O som do Rebel Meets Rebel soa como a alquimia perfeita entre o clássico southern rock de grupos como Lynyrd Skynyrd, Black Oak Arkansas, Blackfoot e Allman Brothers, ao heavy metal cheio de energia imortalizado pelo Pantera na última década. Se você por acaso vive em outro mundo e não está entendendo o que eu estou falando, os tais integrantes de um dos grupos mais importantes da última década são nada mais nada menos que Dimebag Darrel, Vinnie Paul e Rex Brown, que ao lado de Phil Anselmo injetaram peso e combustível na música pesada durante os anos noventa.

Os vocais de David Allan Coe são cheios de vida, de uma paixão pela música que ultrapassa qualquer tentativa de enquadrá-la (ou confiná-la, dependendo do ponto de vista que você escolher) a um estilo específico. O mesmo vale para Dimebag e Vinnie Paul. Sem medo de soar bobo, sem medo de rótulos, sem temer julgamentos, o que temos em "Rebel Meets Rebel" é uma afirmação de amor à música.

As faixas são bastante variadas. "Nothin' To Lose" é um cruzamento de Pantera com o rockabilly dos anos 50. Já "Rebel Meets Rebel" é a música perfeita para tocar em qualquer espelunca ao longo da mítica Route 66. Dimebag brilha na instrumental acústica "Panfilo", que parece saída de um disco da Charlie Daniels Band. "Heart Worn Highway" soa como um Allman Brothers mais pesado. Ecos da clássica "Cemetery Gates" podem ser ouvidos em "Arizona Rivers", enquanto "One Nite Stands", "Get Outta My Life" e "Cherokee Cry" possuem riffs tipicamente Pantera.

David Allan Coe e Dimebag Barrel brilham intensamente em "Rebel Meets Rebel". O primeiro mostra todo o seu talento em vocais cheios de personalidade, não soando deslocado nem forçado em nenhum momento. Já a guitarra de Dimebag irá levar às lágrimas os mais saudosistas e emotivos. Darrel estava muito inspirado quando gravou o disco, e isso fica evidente em todas as faixas. Aliando o seu estilo característico às raízes do rock americano, que é a essência do som do Rebel Meets Rebel, mostra técnica, feeling e criatividade, alternando momentos de puro peso a outros onde a melodia fala mais alto.

Um CD muito legal e bastante interessante, e que deverá agradar não apenas os fãs do Pantera e do falecido guitarrista, mas todo e qualquer apreciador de boa música, acima de tudo, e de qualquer estilo.

Pode comprar tranquilo.

Faixas:
1. Nothin' To Lose
2. Rebel Meets Rebel
3. Cowboys Do More Dope
4. Panfilo
5. Heart Worn Highway
6. One Nite Stands
7. Arizona Rivers
8. Get Outta My Life
9. Cherokee Cry
10. Time
11. No Compromisse
12. N.Y.C. Steets


Outras resenhas de Rebel Meets Rebel - Rebel Meets Rebel

Resenha - Rebel Meets Rebel - Rebel Meets Rebel




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Rebel Meets Rebel"


Rock in Rio: algumas das maiores vaias em edições nacionaisRock in Rio
Algumas das maiores vaias em edições nacionais

Spike: os sete piores solos de guitarraSpike
Os sete piores solos de guitarra


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336