Resenha - Mother Head's Family Reunion - Richie Kotzen

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Mais de uma década após seu lançamento original, uma das maiores obras de Richie Kotzen, o álbum "Mother Head's Family Reunion", ganha versão brasileira. Demorou? Muito! É tarde demais? De jeito nenhum!

Dane-se Bruce Dickinson: Simone Simons no metrô é muito melhorSlayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido

Para boa parte dos fãs, as doze músicas aqui presentes constituem o ápice da carreira do compositor norte-americano. E bem, inegavelmente presenciamos um momento mágico, de altíssima inspiração.

Contextualizando o leitor na proporção e importância deste CD, voltemos à época em que ele foi escrito. Após um bom debute auto-intitulado com produção de Jason Becker, Kotzen parecia partir para rumos diferentes daqueles geralmente procurados pelos guitarristas dos anos 80. Ele se mantinha na famosa gravadora Shrapnel, mas passava, pouco-a-pouco, a dar um toque distinto a suas composições, com muitos vocais, rock 'n' roll, funk, fusion, blues, e soul.

Os excelentes "Fever Dream" (1990) e "Electric Joy" (1991) levariam-no a participar da trilha sonora do filme "Bill & Ted - Dois Loucos no Tempo" e posteriormente a adentrar o Poison para gravar "Native Tongue" (1993). Estes dois grandes passos na indústria fonográfica foram justamente os predecessores de seu quarto trabalho solo, não outro que este do qual tratamos.

Acompanhado por Atma Anur na bateria e John Pierce no baixo (John Moore entrara na banda após as gravações em estúdio), Kotzen despejava vigor em solos rápidos e técnicos. Nada de novo até aí. Pelo contrário, tudo dentro dos padrões para um garoto que, então aos 21 anos de idade, já aparecia como uma realidade e via seu nome efetivado e comentado exaustivamente na cena musical.

Se por um lado tudo estava nos conformes... os vocais energéticos, as harmonias de blues, o funk, e as inúmeras passagens nos remetendo a Hendrix, Vaughan, e outros, certificavam a retirada de qualquer resquício de mesmice do ar, e superavam as barreiras do óbvio.

Sucessos como "Socialite", "Soul To Soul", "Testify", além da faixa-título e do esplêndido cover de "Reach Out I'll Be There" do The Four Tops, davam a tônica de um álbum a ser cultuado, admirado, e lembrado.

Assim foi, e ainda hoje o indispensável "Mother Head's Family Reunion" (1994) impera na trajetória de Richie Kotzen. De lá pra cá, apenas algumas mudanças: uma nítida melhoria vocal, e o surgimento de discos como "Inner Galactic Fusion Experience" (1995), "Slow" (2001), e "Get Up" (2004), surpreendentemente aptos a desafiarem um reinado de doze anos.

Site Oficial - http://www.richiekotzen.com

Richie Kotzen (Vocais - Guitarra - Hammond - Piano - Teclado - Baixo)
Atma Anur (Bateria - Percussão)
John Pierce (Baixo)

Material cedido por:
WET MUSIC LTDA. - http://www.wetmusic.com.br
Telefone: +55 (11) 4121-4747
Email: contato@wetmusic.com.br




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Richie Kotzen"


Richie Kotzen: Músico fala de ensaios com Ozzy e praga do PoisonRichie Kotzen
Músico fala de ensaios com Ozzy e praga do Poison

Guns N' Roses: Richie Kotzen fez teste em segredo para a banda, diz FortusGuns N' Roses
Richie Kotzen fez teste em segredo para a banda, diz Fortus

Richie Kotzen: suas influências, Mr Big, projetos, e maisRichie Kotzen
Suas influências, Mr Big, projetos, e mais


Dane-se Bruce Dickinson: Simone Simons no metrô é muito melhorDane-se Bruce Dickinson
Simone Simons no metrô é muito melhor

Slayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecidoSlayer
Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido

Separados no nascimento: Ozzy Osbourne e Jim CarreySeparados no nascimento
Ozzy Osbourne e Jim Carrey

Exodus: Rick Rubin é uma verdadeira fraude, diz Gary HoltExodus
"Rick Rubin é uma verdadeira fraude", diz Gary Holt

Heavy Metal: um conforto para os jovens brilhantesHeavy Metal
"um conforto para os jovens brilhantes"

Soundscan: os 25 discos mais vendidos na década de 2010 a 2019Soundscan
Os 25 discos mais vendidos na década de 2010 a 2019

Guns N' Roses: como Axl Rose e Slash fizeram de Duff McKagan um músico melhorGuns N' Roses
Como Axl Rose e Slash fizeram de Duff McKagan um músico melhor


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336