Resenha - Slave To The Grind - Skid Row

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


1991 - Ano em que houve dois mega-lançamentos hard rock: os pretensiosos “Use Your Ilusions” do Guns, e o “Slave to the Grind”, segundo trabalho dos recém-novatos Skid Row.
1011 acessosSebastian Bach: cantor faz cirurgia relacionada ao vocal5000 acessosUncut Magazine: fãs elegem as 10 melhores músicas do Pink Floyd

Skid Row, banda de New Jersey, desde a época de seu primeiro lançamento homônimo em 1989, já conseguiram fazer alguma diferença no saturado mercado hard rock norte-americano, trazendo faixas um pouco mais pesadas que a grande maioria das bandas da época e tendo emplacado vários hits nas rádios, além das óbvias e famosas baladas. Apadrinhados por Jon Bon Jovi, fazendo extensas turnês pelo mundo ao lado destes, de Kiss, Aerosmith e Mötley Crüe ajudaram a consolidar seu estrondoso sucesso.

Sebastian Bach, Dave “the Snake” Sabo, Scotti Hill, Rachel Bolan e Rob Affuso elaboraram “Slave to the Grind” de maneira que este saísse nada romântico e bem mais heavy metal, ou seja, o oposto de seu antecessor. Produzido por Michael Wagener, que conseguiu extrair dos membros da banda muita energia de seus instrumentos e feeling na marcante voz de Sebastian, resultando num álbum de puro hard rock pesadíssimo com algumas influências de Aerosmith e Kiss dos bons e velhos tempos, que deixou de boca aberta a grande maioria das pessoas que ouviu este trabalho na época de seu lançamento.

O álbum já abre com seu maior hit, “Monkey Business”, com seu início instigante para explodir em puro peso, com riff galopantes, refrão facilmente assimilável, solos entre as duas guitarras, tudo o que uma boa música pede. A faixa “Slave to the Grind”, acreditem se quiser, tem seu começo quase thrash e refrões bem rock n´roll. “The Threat”, boas guitarras e um contrabaixo pulsante, bem na manha mesmo, cuja letra segue uma temática de juventude rebelde que segue por todo o álbum.

Até mesmo as baladas “Quicksand Jesus”, “In a Darkened Room” e a melhor de todas: “Wasted Time”, são diferentes, não se encaixando em nada no padrão meloso de seu primeiro disco. “Psycho Love” é outro exemplo da linha pesada e anti-romântica que Skid Row adotou e que ficou excelente, principalmente as intervenções de baixo de Rachel Bolan. Outro grande destaque é “Livin´ on a Chain Gang”, música seca e crua, onde Sebastian de sobressai em muito. A influência punk de Bolan mostra sua cara em “Riot Act”, bem direta. E por aí vai, porrada atrás de porrada.

Em seu próximo álbum de estúdio, o Skid Row decide novamente seguir novos rumos, lançando um álbum bem interessante, mas que foi ignorado pelo público, o que não teve um final nada feliz, acabando pela dissolução da bandas por vários anos, voltando pouco tempo atrás, sem Sebastian e Affuso e lançando um trabalho pouco mais que mediano.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Slave To The Grind - Skid Row

4024 acessosSkid Row: A banda que chutou a porta dos anos noventa

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Skid RowSkid Row
Banda se apresenta no Brasil em dezembro, diz jornal

1011 acessosSebastian Bach: cantor faz cirurgia relacionada ao vocal0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Skid Row"

Sebastian BachSebastian Bach
Como é a rotina de ser um rock star?

NovelasNovelas
10 clássicos do Rock que a Globo ajudou a popularizar

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1989

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Skid Row"

Uncut MagazineUncut Magazine
Fãs elegem as 10 melhores músicas do Pink Floyd

Fãs de RockFãs de Rock
Você conhece o estilo de se vestir de cada um

Porta dos FundosPorta dos Fundos
Andreas Kisser e a cobrança dos metaleiros

5000 acessosVanessa Frehley: amor sem limites ao Kiss5000 acessosPearl Jam: banda tenta tocar Rush em homenagem a Geddy Lee mas desiste5000 acessosSexo Anal: saiba onde encontrar esse prazer no cenário Rock5000 acessosNightwish: Steve Harris novamente se declara fã da banda5000 acessosRush: Análise vocal de Geddy Lee5000 acessosRockstars: algumas imagens de momentos pessoais emocionantes

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online