Resenha - Fallen - Evanescence

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


É impressionante como a mídia pode por uma banda no topo em questão de semanas. E tirá-la do topo tão rapidamente quanto a pôs. Você abre uma revista e dá com fotos da banda, dizeres afirmando que trata-se da nova sensação, um som nunca visto e original ao extremo. Foi o caso do Evanescence. Formado nos anos 90 e só agora lançando seu "début", a banda alcançou tanto sucesso que seja nos Estados Unidos, Europa ou Japão já é considerada como a grande revelação do ano. E essa revelação chegou rapidamente ao Brasil. Resta ver o que o "Fallen", primeiro cd destes americanos, nos reserva.

Machismo na música: Sharon den Adel e Amy Lee falam sobre o assuntoDream Theater: os segredos do álbum Octavarium

"Going Under", um dos singles lançados, é basicamente um new-metal com vocais femininos e um toque de gótico. De longe se destacam os vocais de Amy Lee e os teclados de David Hodges. Já "Bring me To Life" começa com uma sonoridade tipicamente doom e logo depois entra o peso das guitarras, soando muito interessante, principalmente por investir no peso e nas camadas de teclados com extrema competência, com vocais masculinos limpos se alternando aos vocais de Amy.

O cd todo é recheado de músicas que ora beiram o New metal, como "Everybody's Fool" ou com toques mais heavy como "Tourniquet" (com bons efeitos nos vocais) ou músicas góticas complementadas pelo peso das guitarras como "My Immortall", "Haunted" e a bela "Imaginary". Os destaques ficam para os climas perfeitos atingidos em "Taking Over Me" e "My Last Breath" (uma fusão de New Metal e gótico que não soa entendiante), o lado mais pop de "Hello" (com a bela voz de Amy, de longe o destaque da banda, lembrando muito as excelentes Lana Lane e Sharon Del Addel). Para fechar o cd temos a boa "Whisper", uma música bem pesada e que se diferencia das demais, pelo maior uso de guitarras e efeitos eletrônicos, mas que mantém o nível atingido no cd.

O grande diferencial do Evanescence está em fundir vários estilos com extremo cuidado, não soando exageradamente new, nem exageradamente gótico, ou totalmente heavy. Essa proposta é realmente muito complicada e podemos dizer que a banda atingiu seu objetivo com maestria. Soa original sim, reciclando várias idéias, mas originalidade vem disso, não?

Site oficial: http://www.evanescence.com

Line Up:
Amy Lee - Vocais
Ben Moddy - Guitarras
David Hodges - Teclados
Francesco DeCosmo - Bateria

Lançado em 2003 pela Epic/Sony Music.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Evanescence"


Machismo na música: Sharon den Adel e Amy Lee falam sobre o assuntoMachismo na música
Sharon den Adel e Amy Lee falam sobre o assunto

Evanescence: banda faz show acústico de surpresa na RússiaEvanescence
Banda faz show acústico de surpresa na Rússia

Evanescence: Ben Moody conta sua versão sobre saídaEvanescence
Ben Moody conta sua versão sobre saída

Heavy Metal: cristãos podem aprender muito com o gêneroHeavy Metal
"cristãos podem aprender muito com o gênero"


Dream Theater: os segredos do álbum OctavariumDream Theater
Os segredos do álbum Octavarium

Humor: O dia em que Steve Vai foi humilhado por ChimbinhaHumor
O dia em que Steve Vai foi humilhado por Chimbinha


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

adGoo336