Resenha - Figure No. 5 - Soilwork

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leandro Testa
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Diante do tema de abertura, "Rejection Role" (que também ganhou um vídeo-clipe), cheguei a pressentir que este seria o álbum mais leve e alegre da carreira do Soilwork. "Overload", mais chegada ao seu próprio estilo, possui uma levada bem legal, dotada de certo 'groove', e traz o teclado mais à frente do que o normal, incluindo lampejos industriais (daqueles que muitos por aí torcem o nariz), discretos e compreensíveis já que o instrumento vem ganhando mais espaço no som destes suecos, desde que o pró-ativo Sven Karlsson (egresso do Evergrey) se juntou ao quinteto, e compôs para o novo CD quatro ou cinco canções.

Em 19/10/2007: Soilwork lança o álbum Sworn To A Great DivideWatchMojo: os 10 guitarristas mais subestimados de todos os tempos

Felizmente, quem destitui isso tudo é a faixa-título, botando pra fora toda a agressividade contemporânea do conjunto, bem como a de Björn Strid, que enfatiza suas linhas mais nervosas e guturais.

Daí pra frente, o que se ouve é uma negação e, paralelamente, uma confirmação das minhas suposições iniciais, já que Figure No.5 é igual ou tão pesado quanto Natural Born Chaos, seu antecessor, diferindo sobre este justamente o que conjeturei no início: ele é mais "felizinho", pois bastou Devin Townsend ter incentivado "Speed" a experimentar mais a sua voz, que ele vem fazendo isso livremente, injetando mais empolgação, principalmente nos refrãos.

E não são só neles que o dito-cujo vem utilizando partes limpas, mas sim nos versos e etc, passando numa boa do pacífico ao costumeiro, atingindo até o timbre de Mille Petrozza (Kreator), Phil Anselmo (Pantera), ou mesmo Rob Zombie, como no começo de "The Mindmaker".

É claro que aquele 'frontman', apontado por Rob Halford como influência, não é mais o mesmo, porque nesse meio-tempo ele vem abusando da versatilidade que Deus lhe deu, buscando a diversidade que os arranjos às vezes pecam em não trazer.

E para aqueles que achavam que o sucesso do trabalho anterior, a repercussão entre os mais votados por mídia e fãs, tinha sido cria do produtor acima mencionado, a banda resolveu não esperar sua disponibilidade em março, e aproveitou todo o perfeccionismo que aprendera com ele, para assumir os botões das gravações, contando ainda com o co-auxílio de Daniel Bergstrand (Darkane) e novamente com o velho conhecido Fredrik Nordström.

De resto, o pique das músicas continua sendo reduzido para entrarem os solos melodiosos de guitarra, e a duração delas também está bem menor. A única que foge à regra e ultrapassa o limite dos quatro minutos, também é a única que foge bastante à proposta do Soilwork, soando, lá no meio do disco, como uma tentativa desesperada de atingir um público mais ameno, ou seja, a 'massa roqueira'.

Ainda não entendi se esta foi a melhor forma de passar a mensagem anti-suicida da letra, ou se a intenção era dar uma variada, mas se você é órfão ou uma viúva do In Flames, aqui está o único senão (piorado) que pode lhes desagradar.

Como obra, um passo a frente para o comercialismo, mas quem sabe não esteja aqui a sua solução.

Lançamento europeu pela Nuclear Blast em 21 de abril (nos EUA, 6 de maio), exatamente um ano após o último petardo, mesmo que divididas as atenções com projetos paralelos (como o Terror 2000 e o The Defaced) e a extensa turnê que incluiu terras norte-americanas, toda a Europa e o Japão. E pro leitor, ele parece precipitado?




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Soilwork"


Em 19/10/2007: Soilwork lança o álbum Sworn To A Great Divide

Pra ouvir e discutir: os melhores discos lançados em 2002Pra ouvir e discutir
Os melhores discos lançados em 2002

Metal sueco: site elege as dez melhores bandas da SuéciaMetal sueco
Site elege as dez melhores bandas da Suécia


WatchMojo: os 10 guitarristas mais subestimados de todos os temposWatchMojo
Os 10 guitarristas mais subestimados de todos os tempos

Doentio: Black Metal composto apenas com gritos de pacientes loucosDoentio
Black Metal composto apenas com gritos de pacientes loucos

Capas: 10 das mais belas feitas por artistas dos quadrinhosCapas
10 das mais belas feitas por artistas dos quadrinhos

Metal Sucks: Top 25 vocalistas do metal modernoMetal Sucks
Top 25 vocalistas do metal moderno

Edu Falaschi: os dez vocalistas brasileiros preferidos deleEdu Falaschi
Os dez vocalistas brasileiros preferidos dele

Smashing Pumpkins: Corgan revela quais as drogas que ele usavaSmashing Pumpkins
Corgan revela quais as drogas que ele usava

Slash: o meio digital tirou a magia de ouvir a músicaSlash
O meio digital tirou a magia de ouvir a música


Sobre Leandro Testa

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Leandro Testa no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336