Matérias Mais Lidas

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemAdrian Smith conta como Iron Maiden permaneceu forte e era grunge passou

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemMetade das pessoas com menos de 23 anos desconhecem Pink Floyd, David Bowie e Bon Jovi

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemO dia que Serguei fez um react do clipe de "Recomeçar", o hit do Restart

imagemEddie aparece em versão samurai no primeiro show do Iron Maiden em 2022; veja foto

imagemOzzy Osbourne diz que "tinha muito o que provar" com "No More Tears"

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden tocou no primeiro show de 2022

imagemJen Majura disse que sair do Evanescence não foi decisão dela e recebe apoio dos fãs

imagemSentado em cadeira de rodas, Paul Di'Anno faz primeiro show em sete anos

imagemO clássico do Helloween que fez Angra mudar nome original de "Running Alone"


Resenha - Figure No. 5 - Soilwork

Por Leandro Testa
Em 21/04/03

Nota: 9

Diante do tema de abertura, "Rejection Role" (que também ganhou um vídeo-clipe), cheguei a pressentir que este seria o álbum mais leve e alegre da carreira do Soilwork. "Overload", mais chegada ao seu próprio estilo, possui uma levada bem legal, dotada de certo ‘groove’, e traz o teclado mais à frente do que o normal, incluindo lampejos industriais (daqueles que muitos por aí torcem o nariz), discretos e compreensíveis já que o instrumento vem ganhando mais espaço no som destes suecos, desde que o pró-ativo Sven Karlsson (egresso do Evergrey) se juntou ao quinteto, e compôs para o novo CD quatro ou cinco canções.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Felizmente, quem destitui isso tudo é a faixa-título, botando pra fora toda a agressividade contemporânea do conjunto, bem como a de Björn Strid, que enfatiza suas linhas mais nervosas e guturais.

Daí pra frente, o que se ouve é uma negação e, paralelamente, uma confirmação das minhas suposições iniciais, já que Figure No.5 é igual ou tão pesado quanto Natural Born Chaos, seu antecessor, diferindo sobre este justamente o que conjeturei no início: ele é mais "felizinho", pois bastou Devin Townsend ter incentivado "Speed" a experimentar mais a sua voz, que ele vem fazendo isso livremente, injetando mais empolgação, principalmente nos refrãos.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

E não são só neles que o dito-cujo vem utilizando partes limpas, mas sim nos versos e etc, passando numa boa do pacífico ao costumeiro, atingindo até o timbre de Mille Petrozza (Kreator), Phil Anselmo (Pantera), ou mesmo Rob Zombie, como no começo de "The Mindmaker".

É claro que aquele ‘frontman’, apontado por Rob Halford como influência, não é mais o mesmo, porque nesse meio-tempo ele vem abusando da versatilidade que Deus lhe deu, buscando a diversidade que os arranjos às vezes pecam em não trazer.

E para aqueles que achavam que o sucesso do trabalho anterior, a repercussão entre os mais votados por mídia e fãs, tinha sido cria do produtor acima mencionado, a banda resolveu não esperar sua disponibilidade em março, e aproveitou todo o perfeccionismo que aprendera com ele, para assumir os botões das gravações, contando ainda com o co-auxílio de Daniel Bergstrand (Darkane) e novamente com o velho conhecido Fredrik Nordström.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

De resto, o pique das músicas continua sendo reduzido para entrarem os solos melodiosos de guitarra, e a duração delas também está bem menor. A única que foge à regra e ultrapassa o limite dos quatro minutos, também é a única que foge bastante à proposta do Soilwork, soando, lá no meio do disco, como uma tentativa desesperada de atingir um público mais ameno, ou seja, a ‘massa roqueira’.

Ainda não entendi se esta foi a melhor forma de passar a mensagem anti-suicida da letra, ou se a intenção era dar uma variada, mas se você é órfão ou uma viúva do In Flames, aqui está o único senão (piorado) que pode lhes desagradar.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Como obra, um passo a frente para o comercialismo, mas quem sabe não esteja aqui a sua solução.

Lançamento europeu pela Nuclear Blast em 21 de abril (nos EUA, 6 de maio), exatamente um ano após o último petardo, mesmo que divididas as atenções com projetos paralelos (como o Terror 2000 e o The Defaced) e a extensa turnê que incluiu terras norte-americanas, toda a Europa e o Japão. E pro leitor, ele parece precipitado?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Soilwork: baterista foi esquecido no aeroporto quando a banda veio fazer shows no Brasil



Sobre Leandro Testa

Colaborador sem descrição cadastrada.

Mais matérias de Leandro Testa.