Resenha - Sons of Northern Darkness - Immortal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Gilberto Minholi
Enviar Correções  

9


Atenção meus caros, eis que surge o novo álbum do IMMORTAL, porém não tão novo assim, visto que o mesmo foi lançado no primeiro semestre de 2002. Assim, vamos ao que interessa.

publicidade

Gravado e mixado no Abyss Studios sob a batuta do renomado Peter Tägtgren (HYPOCRISY), e que também já havia trabalhado com a banda em seus dois discos anteriores, "At the Heart of Winter" (1999) e "Damned in Black" (2000), este "Sons of Northern Darkness", pode ser seguramente considerado um dos melhores trabalhos desta horda norueguesa, oriunda da cidade de Bergen, pois consegue dosar de forma correta o peso absurdo, a velocidade extrema, as partes mais cadenciadas (que estão agora mais evidentes) e as letras ou climas gélidos de sua música, aliás, tão gélidos que a cada novo álbum por eles lançado, penso que seria incorreto referir-se como "recém saído do forno"... "recém saído do freezer" soa bem melhor, pois o frio e a escuridão são o assunto predileto dos caras, o que eu particularmente acho ótimo, pois também não gosto nem um pouco de sol e calor. Todas as letras foram escritas pelo ex-guitarrista e atual empresário da banda que atende pelo "angelical" pseudônimo "Demonaz" e giram basicamente em torno de batalhas ou, como já foi citado acima, frio e escuridão. A produção está muito boa e todos os instrumentos podem ser ouvidos com perfeição (grande Peter, valeu!!!!).

publicidade

A pancadaria começa com a melhor de todas, a espetacular e já fadada a hino "One by One", pesadíssima, com várias mudanças de andamento, riffs brutais, bastante rápidos e uma boa carga de Thrash Metal, influência esta também presente na seqüência, com a faixa que dá nome ao álbum e que tem uma introdução de bateria bem interessante, simples e sem frescura, contendo também um daqueles famosos (porém bem feitos) solos barulhentos de guitarra, que lembram uma briga de ratazanas histéricas.

publicidade

Prosseguindo com a audição, daremos de ouvidos com a ‘mid-tempo’ "Tyrants", com suas palhetadas super rápidas e que, aliás, permeiam toda a bolachinha. No meio dela há um dedilhado bem melancólico, macabro e de gelar a alma até que a mesma se eleva, voltando depois a ficar cadenciada. Logo em seguida, porém, temos a matadora "Demonium" que vem arrebentando com tudo, em suma uma porrada na orelha e a sua letra é de uma "candura digna de um discurso papal", se é que vocês me entendem.

publicidade

"Within the Dark Mind", a próxima, vem numa velocidade moderada, mas explode "pra variar". "In my Kingdom Cold" surge de forma rápida e também é recheada de mudanças de andamento, mas então temos uma grata surpresa que atende pelo nome de "Antarctica" (que sede!), pois esta é um espetáculo à parte, têm uma introdução que nos remete ao sombrio e gélido vento polar num clima atmosférico, até cair em sua levada fantástica, e como de praxe, têm um núcleo tenso e psicótico.

publicidade

Para encerrar a festa, "Beyond the North Waves", com uma introdução simples e funcional, com gélidos acordes misturados ao som de água corrente, forte influência de Quorthon, o ‘one man band’ do BATHORY em seu andamento, bastante épico e de certa forma viajante, na qual também desfrutamos de belas frases de guitarra ao seu final e uma parte falada com voz limpa, até terminar num bramido desesperado e ser encerrada pelo frio ameaçador (ouça e entenderás o que quero dizer!).

publicidade

Concluindo, é um ótimo trabalho e que merece ser apreciado não somente pelos fãs de Black Metal, mas também por aqueles que gostam de música bem feita e bem tocada. Não é à toa que eles recentemente receberam duas indicações para o Grammy norueguês, concorrendo na categoria "Metal" junto ao Satyricon e Red Harvest, bem como teve este que vos comento indicado como "Melhor álbum". Temos nele todos os clichês do estilo, influências de thrash e death, vocais podres (do tipo vovô catarrento com bronquite), porém, com personalidade e extrema competência, portanto ouçam, tenham "ótimos" pesadelos com a localidade imaginária Blashyrkh e morram de frio!!!

publicidade

OBS: Esta maldita resenha contém 666 palavras.

Duração – 50:14 (8 músicas)

Formação:
Abbath (guitarras/vocais)
Iscariah (baixo, substituído recentemente por Saroth)
Horgh (bateria)

Website oficial: www.immortal.nu

Material cedido por:
Nuclear Blast/Century Media Records
www.centurymedia.com.br ou www.nuclearblast.de
Telefone: (0xx11) 3097-8117
Fax: (0xx11) 3816-1195
Email: [email protected]

publicidade


Outras resenhas de Sons of Northern Darkness - Immortal

Immortal: resenha de "Sons Of Northern Darkness"

Resenha - Sons Of Northern Darkness - Immortal




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Pabllo Vittar: de Death a Immortal, veja 8 camisetas de metal que a drag já usouPabllo Vittar
De Death a Immortal, veja 8 camisetas de metal que a drag já usou

Immortal: Membros em guerra pelo nome da bandaImmortal
Membros em guerra pelo nome da banda

Pseudônimos no Black Metal: De entidades pagãs a O Senhor dos AnéisPseudônimos no Black Metal
De entidades pagãs a O Senhor dos Anéis


Megiddo: Cuspir fogo no palco exige alguns cuidadosMegiddo
Cuspir fogo no palco exige alguns cuidados

Metal Injection: os cinco bateristas mais insanos do Black MetalMetal Injection
Os cinco bateristas mais insanos do Black Metal


Guns N' Roses x Nirvana: o que ocorreu em 1992 segundo Krist NovoselicGuns N' Roses x Nirvana
O que ocorreu em 1992 segundo Krist Novoselic

Momentos bizarros: histórias de Ozzy, Stones, Who e outrosMomentos bizarros
Histórias de Ozzy, Stones, Who e outros


Sobre Gilberto Minholi

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin