Resenha - Savage Poetry - Edguy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Simas
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


O Edguy é uma banda que apareceu há não muito tempo e logo se tornou uma das grandes revelações do heavy metal melódico. Isso se deu pelo fato do lançamento consecutivo de dois bons discos, "Vain Glory Opera" e "Theater Of Salvation".

Ultimate Classic Rock: as 25 músicas mais tristes da históriaA História da Tatuagem: Forma de expressão artística há mais de 3.500 anos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Além desses, a banda alemã ainda tem mais dois álbuns no seu currículo, sendo que o primeiro, "Savage Poetry", já estava esgotado e freqüentemente era pedido pelos fãs do grupo para ser relançado. Nesse contexto, a banda resolveu dar uma segunda chance a ele, e ao ouvi-lo viram que realmente o material, por diversos motivos, não era de muita qualidade.

Aí veio a idéia de regravá-lo, com novas idéias, novos arranjos, e principalmente com a experiência que o Edguy ganhou desde seu lançamento. Além disso, como bônus, ainda vem a versão original do álbum, gravada em 95, o que é bem legal para compararmos e assim ver o quanto a banda evoluiu nos últimos anos... e não foi pouca coisa.

Um dos grandes destaques é Tobias Sammet, vocalista e principal compositor, que está cantando muito, e é com certeza um dos melhores cantores da nova safra, além de ser um dos poucos que, mesmo cantando de modo bastante agudo, não chateia o ouvinte. O vocal de Sammet, sobre melodias bem trabalhadas, apresenta timbres que lembram bastante o mestre Geoff Tate (Queensryche).

O disco começa com a boa Hallowed e passa pela bem heavy melódico Misguiding Your Life. Key To My Fate é uma excelente faixa, com um refrão poderoso e guitarras pesadas. Mas ouça mesmo Eyes Of The Tyrant e Frozen Candle, pois elas conseguem reunir tudo o que a banda tem de melhor, com grandes vocalizações e grande trabalho por parte das guitarras, além de ótimos duetos, vários solos e uma cozinha impecável. No todo, é um disco que, com certeza, mostra que o Edguy desde seu início já tinha qualidade suficiente para ser o que é hoje, só precisava mesmo de tempo e experiência.

Lógico que algumas músicas resvalam naquele heavy melódico bem comum (mas muito bem feito por eles) , que peca um pouco pela falta de originalidade. Por outro lado, muitas composições são ótimas, e mostram o porquê do Edguy já ter tantos fãs espalhados pelo mundo. Agora vale esperar pelo disco solo de Tobias, que contará com participações especiais de muita gente e que promete ser um grande lançamento.

Material cedido por:
Laser Company Records




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Edguy"


Edguy, Avantasia: Tobias Sammet e os álbuns que mudaram a sua vidaEdguy, Avantasia
Tobias Sammet e os álbuns que mudaram a sua vida

Metal/Hard: Alguns dos maiores e melhores vocalistas atuaisMetal/Hard
Alguns dos maiores e melhores vocalistas atuais


Ultimate Classic Rock: as 25 músicas mais tristes da históriaUltimate Classic Rock
As 25 músicas mais tristes da história

A História da Tatuagem: Forma de expressão artística há mais de 3.500 anosA História da Tatuagem
Forma de expressão artística há mais de 3.500 anos


Sobre Rodrigo Simas

Designer, carioca e tricolor. Começou a ouvir música aos 11 anos, com Iron Maiden, Metallica e Rush. Tem como hobby quase profissional, a música. Além de produzir shows e eventos, trabalhou por 5 anos em loja especializada em Heavy Metal, e já escreveu para alguns sites e revistas de música. Hoje escuta de tudo um pouco, e cada vez mais descobre que existem apenas dois tipos de música: a boa e a ruim, independente do estilo. Bandas e artistas favoritos: Dave Matthews Band, Peter Gabriel, Rush, Iron Maiden, Led Zeppelin, Ben Harper, Radiohead, System of a Down... e a lista continua...

Mais informações sobre Rodrigo Simas

Mais matérias de Rodrigo Simas no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336