Resenha - Rosas e Vinho Tinto - Capital Inicial

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7


E tome rock nacional na veia. Após um hiato de 3 anos, o Capital voltou com o cd "Atrás dos Olhos", tendo uma boa repercussão. O passo seguinte foi a gravação de um acústico para a MTV (que está se especializando em levantar bandas com esses programas) rendendo uma mega turnê e 1,5 milhões de cópias, além de um show excelente no Rock in Rio 3. Quem esperava que depois dessa a banda fosse se apegar ao formato acústico vai quebrar a cara com esse novo cd, "Rosas e Vinho Tinto". A começar pela banda, que perdeu o guitarrista Loro Jones e chamou para seu lugar o competente Yves Passarel (Viper).

Iron Maiden: os fãs mais insuportáveis em lista da MTVPagando mico: 10 maneiras de ser expulso ou humilhado em um show

O resultado é um disco que segue a linha de todos os que a banda já fez antes. Um pop rock bem elaborado, com passagens ora mais agressivas, ora mais calmas, dando um bom resultado. Os violões se fazem presentes sim, mas as guitarras continuam lá, pulsantes e agressivas. O cd abre de cara com a melhor de todas, "220 Volts", onde a guitarra de Yves se faz presente e Dinho Ouro Preto canta uma letra meio sem nexo, porém empolgante. O cd alterna músicas mais rockeiras, como "Enquanto eu Falo", "Algum Dia" e a excelente faixa título, com momentos mais pop como "A sua Maneira", "Inocente", "Pra Ninguém" e a balada "Olhos Vermelhos", com teclados bem colocados. O quinto integrante, desde o acústico, Kiko Zambianchi, novamente marca presença, dando mais um toque pop ao cd. Outro destaque é a balada "Incondicionalmente" muito bem bolada e fazendo jus ao estilo do Capital Inicial. O rock de Brasília ainda vive.

A banda é coesa e sem destaques individuais. Dinho sabe bem usar seu vocal, bem escorado pelos backings de Kiko Zambianchi. Yves foi uma boa escolha, pois toca bem e sabe colocar sua guitarra. E os irmãos Lemos (Fé e Flávio) são uma boa cozinha. Não há nenhum virtuose, mas sim uma banda super entrosada, capaz de produzir um bom cd.

Vale conferir. Um cd de destaque na história da banda. Que bom que eles não ficaram presos ao formato acústico. UFA!



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Capital Inicial"


BRock: Os 10 melhores álbuns dos anos 80BRock
Os 10 melhores álbuns dos anos 80

Batanga: seis roqueiros que fizeram do rock nacional uma decepçãoBatanga
Seis roqueiros que fizeram do rock nacional uma decepção


Iron Maiden: os fãs mais insuportáveis em lista da MTVIron Maiden
Os fãs mais insuportáveis em lista da MTV

Pagando mico: 10 maneiras de ser expulso ou humilhado em um showPagando mico
10 maneiras de ser expulso ou humilhado em um show


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.