Exímios baladeiros: Kiss

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ivison Poleto dos Santos
Enviar correções  |  Ver Acessos

Se fosse somente pela vontade de Mr. Simmons, este artigo nunca seria escrito. Sua visão inicial para o Kiss era ser tudo o que John Denver não era, ou seja, ele tinha a saudável pretensão de que o Kiss fosse a banda mais pesada, mais suja e que não agradasse os pais. Para os anos 1970, eles até que iam bem. No primeiro álbum, há "Black Diamond", mas ela não é uma balada, apenas tem um inicio mais lento para que o circo pegue fogo logo depois.

Contra Costa Times: Os 25 melhores guitarristas da Bay AreaSlipknot: Ana Maria Braga surpreende em abertura do Mais Você

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A primeira balada é "Goin' Blind" que vem em "Hotter Than Hell" de 1974 e é cantada por Gene Simmons. Pode ser considerada como um tema mais lento. Um fato interessante sobre a música é que um ano depois, em 1975, o Rush, que excursionou com o Kiss, escreveu uma espécie de paródia para a música chamada "I Think I'm Going Bald".

Mas é em "Destroyer" de 1976, para muitos o melhor álbum do Kiss, que a verve baladeira pega. De início, Mr. Simmons não concordava de jeito nenhum em gravar "Beth". Dizia que iria arranhar a imagem da banda por não ser uma música típica do grupo, porém foi convencido por Peter Criss e Bill Aucoin, gerente da banda na época. A música foi deliberadamente colocada no lado B para que as rádios tocassem mais "Detroit Rock City". Depois do sucesso, Mr. Simmons mudou radicalmente sua$ opinõe$. Há mais uma balada chamada "Great Expectations" que é cantado por Gene Simmons.

Em "Rock and Roll Over" há a gostosa "Hard Lucky Woman" cantada por Peter Criss, que após o $uce$$o de "Beth" ganhou as bençõe$ de Mr. Simmons.

Em "Love Gun" de 1977, temos a estreia de Paul Stanley como baladeiro oficial em "Then She Kissed Me" um cover do The Crystals".

Em 1981, o Kiss lança "Music from the 'The Elder'", o primeiro álbum conceitual da banda. Dele retiramos "World Without Heroes" com sua bela e comovente letra.

Em "Creatures of the Night", Paul assume de vez os vocais das baladas e vem a interessante "I Still Love You".

Em "Crazy Nights", o Kiss entra definitivamente no ramo das 'power ballads' com "Reason to Live".

"Hot in the Shade" é o próximo e "Forever" estoura.

"Revenge" traz "Every Time I Look at You", mais uma eficiente 'power ballad'.

Com o retorno da formação original em "Psycho Circus", o baladeiro-mór, Peter Criss reassume o posto de cantor das baladas do Kiss com "I Finally Found My Way", porém Gene Simmons também grava a dele com "We Are One".

Bom, a partir daí o Kiss gravou mais dois álbuns: "Sonic Boom" e "Monster", que eu confesso não ter ouvido inteiros, mas está de bom número para uma banda que não queria fazer baladas, não é?


Exímios baladeiros

Exímios baladeiros: ScorpionsExímios baladeiros
Scorpions

Todas as matérias sobre "Exímios baladeiros"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por escolha do autor os comentários foram desativados nesta nota.


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Exímios baladeiros"Todas as matérias sobre "Kiss"Todas as matérias sobre "Gene Simmons"


Contra Costa Times: Os 25 melhores guitarristas da Bay AreaContra Costa Times
Os 25 melhores guitarristas da Bay Area

Slipknot: Ana Maria Braga surpreende em abertura do Mais VocêSlipknot
Ana Maria Braga surpreende em abertura do Mais Você


Sobre Ivison Poleto dos Santos

Veterano das guerras metálicas. Pesquisador, escritor, resenhista, músico frustrado (por isso tudo o anterior). Ao contrário da opinião comum, acho que o melhor do Metal ainda está por vir e que existem grandes bandas novas por aí. Só procurar. No meu caso elas vêm até mim.

Mais matérias de Ivison Poleto dos Santos no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor