Kiss: as cusparadas de sucesso

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fotoboard Tramparia, Fonte: Kiss Nothin' To Lose Ken Sharp
Enviar correções  |  Ver Acessos

GENE SIMMONS, baixista do KISS, não imaginou que seria o escolhido para ser cuspidor de fogo oficial durante as apresentações da banda.

Pink Floyd: dupla sertaneja desvirtua clássico da bandaTop 500: as melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling Stone

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Porém, um dos empresários da banda fez uma pergunta e parece que GENE, que viajava na maionese no momento da questão, não entendeu bulhufas.

A história sobre a cusparada ígnea mais famosa do cenário rock'n'roll, está no trecho retirado do livro Nothin' To Lose - A Formação do KISS 1972-1975, do autor Ken Sharp.

Local de Publicação: São Paulo | Ano: 2013 | Páginas: 560 | Editora Benvirá | Imagem de Capa:  Len DeLessio | Capa adaptada do projeto original de Christopher Truch.
Local de Publicação: São Paulo
Ano: 2013
Páginas: 560
Editora Benvirá
Imagem de Capa: Len DeLessio
Capa adaptada do projeto original de Christopher Truch.

No outono de 1973, Bill Aucoin e Joyce Biawitz tinham assumido o papel de empresários.

O KISS continuava aprimorando seu espetáculo e acrescentando novos efeitos especiais e truques.

JOYCE BOGART-TRABULUS: Howard Marks tinha uma empresa de propaganda e nos dera um espaço no escritório quando fazíamos nosso programa Flipside. Ele tinha acabado de pintar de branco os escritórios. Bill, Neil e eu contratamos um mágico chamado Presto, que entrou em meu escritório recém-pintado para ensinar um dos membros da banda a cuspir fogo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ele fez esse truque de cuspir fogo, e eu ainda me lembro da expressão chocada no rosto do grupo: "Ah, meu Deus, o que é isso?" [risos].

Seu Cifro, trajado com a camiseta do GENE SIMMONS, com o porta disc-man dos anos 90 pendurado na ossada, onde o álbum Destroyer estava tocando no último volume, enquanto posava para os cliques de Fotoboard Tramparia.
Seu Cifro, trajado com a camiseta do GENE SIMMONS, com o porta disc-man dos anos 90 pendurado na ossada, onde o álbum Destroyer estava tocando no último volume, enquanto posava para os cliques de Fotoboard Tramparia.

GENE SIMMONS: Bill Aucoin disse: "Um de seus rapazes deveria cuspir fogo. Quem de vocês não quer fazer isso?" E todo mundo ergueu a mão. Eu achei que ele tinha dito:

"Quem de vocês quer cuspir fogo?". Pensei: "Que inferno, não quero cuspir fogo". Era uma pergunta negativa, e eu me esqueci de erguer a mão, então vacilei. Bill disse: "Ok, SIMMONS, você vai fazer isso".

BILL AUCOIN: Eu não planejava ter GENE cuspindo fogo. Originalmente, tinha PAUL em mente para a tarefa.

Imagem de Contracapa do livro Nothin' To Lose: Norman Seeff
Imagem de Contracapa do livro Nothin' To Lose: Norman Seeff

PAUL STANLEY: Bill tentou criar algumas coisas para eu fazer, mas eu não estava disposto a encher minha boca com querosene [risos]. Então, não fiz isso.

BILL AUCOIN: GENE tinha essa postura de "eu vou fazer tudo", então ele aceitou fazer isso.

JOYCE BOGART-TRABULUS: A primeira vez que GENE cuspiu fogo, soprou tão forte que queimou todas as paredes recém-pintadas de branco e eu tive que chamar o pintor de novo. Ele podia ter incendiado o lugar [risos].

Junto com o fogo, GENE introduziu o truque de cuspir sangue, outra manobra espetacular que acelerou a evolução do show.

GENE SIMMONS: Sempre fui fã de filmes de horror e me lembro de ter ficado profundamente impressionado vendo Christopher Lee como Drácula em um dos filmes do [estúdio] Hammer, O sangue de Drácula ou Drácula, O vampiro da noite.

Lembro do público gritando quando suas presas saíram e ele mordeu o pescoço de uma mulher, e você via o sangue vermelho escorrendo por seu rosto. E em cores! Pensei: não seria legal fazer isso no palco?

PETER "MOOSE" ORECKINTO: Houve muitos rumores ao longo dos anos de que o sangue que GENE usava era uma combinação de sangue de porco e farinha. Isso não é verdade GENE usava um produto feito pela DuPont chamado Sangue Falso.

Eu comprava uma caixa ou duas para cada turnê no City Chemical, em Lower Manhattan. Era produzido para espetáculos teatrais e usado em filmes.

Tinha a mesma aparência e consistência de sangue. Eu o testei uma vez, e tinha um gosto meio de papelão, o tipo de coisa que fazia você querer cuspir rápido, então era perfeito para a cena de cuspir sangue.

Essa matéria faz parte da categoria Trecharias BioRockers e da Biblioteca Cifranegriana - Portalblog cifranegramisterial.com.

Comente: O que você acha das cusparadas de fogo e sangue de Gene Simmons no palco do Kiss?




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Kiss"Todas as matérias sobre "Gene Simmons"Todas as matérias sobre "Paul Stanley"


Kiss: Gene é viciado em sexo, diz Ace FrehleyKiss
"Gene é viciado em sexo", diz Ace Frehley

Kiss: as 10 melhores músicas da banda segundo o WatchmojoKiss
As 10 melhores músicas da banda segundo o Watchmojo


Pink Floyd: dupla sertaneja desvirtua clássico da bandaPink Floyd
Dupla sertaneja desvirtua clássico da banda

Top 500: as melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling StoneTop 500
As melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling Stone


Sobre Fotoboard Tramparia

Fotógrafo artístico que registra e cria cenários com objetos ligados a cultura pop/rock, como CDs, livros, camisetas etc. Edita textos, fotos e divulga bandas no Portalblog cifranegramisterial.com. Desde os tempos de guri, ouve Led Zeppelin, The Cult, Rush, AC/DC, Iron Maiden, Guns N' Roses, Alice In Chains, entre outras inúmeras lendas do rock/metal. Toca piano e teclado, pratica esportes e está sempre em busca de energia rock and roll e da natureza.

Mais matérias de Fotoboard Tramparia no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline