Ideologia Rock: O Golpe de Estado do Rock Nacional

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por David Oaski, Fonte: Ideologia Rock
Enviar correções  |  Ver Acessos


Conheci o Golpe de Estado no ano passado, quando baixei o primeiro álbum da banda, homônimo, lançado em 1986. De cara não pude crer como aquela banda era pouco celebrada e reconhecida nos dias atuais, pois as melodias eram incríveis, as letras muito bem elaboradas e a banda possuía um entrosamento fantástico entre si.

Jim Morrison: ele está vivo e criando cavalos nos EUA?Cristina Scabbia: "Símbolo sexual? Fico surpresa com isto!"

Minha curiosidade aumentou e segui ouvindo os outros álbuns da banda: "Forçando A Barra", de 1988; "Nem Polícia Nem Bandido", de 1989; "Quarto Golpe", de 1991; e "Zumbi", de 1994. A apreciação foi aumentando gradativamente a cada álbum, assim como a qualidade sonora da banda ia se aperfeiçoando a cada novo lançamento.

Na sua fase clássica, a banda era formada por Catalau (vocais), Paulo Zinner (bateria), Nelson Brito (baixo) e Helcio Aguirra (guitarra) e juntos faziam um hard rock cru, com pitadas de blues e até heavy metal, só que ao contrário da maioria de seus contemporâneos, faziam letras em português, sendo essas com uma qualidade invejável a bandas de maior reconhecimento na mídia. Pra se ter uma noção do respeito que o Golpe tinha na cena rock, eles tem parcerias com gente do naipe de Branco Melo e Arnaldo Antunes (Titãs) e Rita Lee, além de terem se apresentado ao lado do Ira!, entre outras bandas.

O ótimo vocalista Catalau também compunha a maior parte das letras da banda e escreveu coisas sensacionais, como "Paixão", "Olhos de Guerra", "Velha Mistura" e "Caso Sério". A cozinha formada por Zinner (que depois tocaria na banda da Rita Lee) e Nelson também é algo a ser destacado, pois além de muito entrosados preenchem devidamente cada espaço da melodia, que é capitaneada por Helcio, certamente um dos melhores guitarristas do Brasil, vide a variedade de riffs e qualidade dos solos da discografia do Golpe.

Por fazer um tipo de som visto pelas rádios e gravadoras como pouco acessível, o Golpe de Estado sempre ficou relegado ao segundo ou terceiro escalão do rock nacional, sendo pouco reconhecido fora da sua cidade natal, São Paulo. Enquanto bandas da época (segunda metade da década de 80) faziam um som mais comercial, como Legião Urbana, Capital Inicial, Biquini Cavadão e RPM, o Golpe preferiu seguir seus ideais e fazer aquilo que eles realmente acreditavam. No entanto, apesar da boa repercussão dos discos e shows bem requisitados em São Paulo, eles não chegaram perto de alcançar as massas como os outros citados.

Chega a ser revoltante ver tantas bandas medíocres fazendo sucesso dentro do cenário do rock nacional e notar como o Golpe de Estado nunca recebeu o devido reconhecimento, mas de qualquer forma, os álbuns e vídeos da apresentações estão na Internet pra qualquer um que tenha curiosidade localizar.

É fundamental ressaltar que a banda segue na ativa, com Helcio e Nelson da formação original, o talentoso vocalista Dino Linardi (Catalau virou evangélico e conta histórias parecidas com as de Rodolfo, ex-Raimundos) e Roby Pontes na bateria. Eles seguem fazendo diversos shows Brasil afora e lançaram um álbum ano passado: "Direto do Fronte", com participação de Dinho Ouro Preto no primeiro single: "Rockstar", que brinca com os perrengues da profissão de roqueiro que a banda conhece bem.

Se não conhece o Golpe de Estado, corra atrás do material, pois é hard rock do bom, feito por músicos honestos e talentosos, que seguiram ao pé da letra a ideologia rock n' roll.

David Oaski

Disponível também em:
http://rockideologia.blogspot.com.br/2013/07/o-golpe-de-esta...




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Golpe De Estado"


Jim Morrison: ele está vivo e criando cavalos nos EUA?Jim Morrison
Ele está vivo e criando cavalos nos EUA?

Cristina Scabbia: Símbolo sexual? Fico surpresa com isto!Cristina Scabbia
"Símbolo sexual? Fico surpresa com isto!"

Contra Costa Times: Os 25 melhores guitarristas da Bay AreaContra Costa Times
Os 25 melhores guitarristas da Bay Area

A7X: Curiosidades sobre a banda que talvez você não saibaA7X
Curiosidades sobre a banda que talvez você não saiba

Álbuns: os vinte piores discos de todos os temposÁlbuns
Os vinte piores discos de todos os tempos

Nergal: rock pode ser perigoso, diz ao citar chute de Josh Homme em fotógrafaNergal
"rock pode ser perigoso", diz ao citar chute de Josh Homme em fotógrafa

Michael Jackson: o rei do pop cometeu alguns plágios na carreira?Michael Jackson
O rei do pop cometeu alguns plágios na carreira?


Sobre David Oaski

David Oaski é editor do blog Ideologia Rock, colunista do site Stereo Pop Club e colabora frequentemente com os sites Galeria Musical e Whiplash, além de já ter escrito para outras plataformas online. Amante de música (principalmente rock) independente de rótulos, escreve por hobby e para exercitar o senso crítico.

Mais matérias de David Oaski no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336