Matérias Mais Lidas

Guns N' Roses: Axl entendia que as coisas mudaram, mas Slash tinha virado um personagemGuns N' Roses
Axl entendia que as coisas mudaram, mas Slash tinha virado um personagem

Vocalistas: 12 velhinhos que ainda mandam muito bem ao vivoVocalistas
12 "velhinhos" que ainda mandam muito bem ao vivo

Van Halen: a diferença entre David Lee Roth e Sammy Hagar, segundo Alex Van HalenVan Halen
A diferença entre David Lee Roth e Sammy Hagar, segundo Alex Van Halen

Elize Ryd: como Anette Olzon, ex-Nightwish, foi principal inspiração no AmarantheElize Ryd
Como Anette Olzon, ex-Nightwish, foi principal inspiração no Amaranthe

AC/DC: por que Bon Scott não era só um bêbado lunático, segundo ex-baixistaAC/DC
Por que Bon Scott não era só um "bêbado lunático", segundo ex-baixista

Nirvana: músico canadense muito parecido com Kurt Cobain faz sucesso no TikTokNirvana
Músico canadense muito parecido com Kurt Cobain faz sucesso no TikTok

Machine Head: Phil Demmel não tem a mínima vontade de voltar a falar com Robb FlynnMachine Head
Phil Demmel não tem a mínima vontade de voltar a falar com Robb Flynn

Mamonas Assassinas: a história por trás do enigmático CreuzebekMamonas Assassinas
A história por trás do enigmático "Creuzebek"

Smith/Kotzen: primeiro álbum da dupla será lançado em março; confira capa e tracklistSmith/Kotzen
Primeiro álbum da dupla será lançado em março; confira capa e tracklist

Robert Fripp: veja cover de Welcome to the Jungle com esposa segurando halteresRobert Fripp
Veja cover de "Welcome to the Jungle" com esposa segurando halteres

Megadeth: quando a MTV ferrou a banda ao rejeitar clipe de A Tout Le MondeMegadeth
Quando a MTV ferrou a banda ao rejeitar clipe de "A Tout Le Monde"

Black Sabbath: avó de Iommi era brasileira e pais eram católicosBlack Sabbath
Avó de Iommi era brasileira e pais eram católicos

Iced Earth: Schaffer será extraditado para Washington; não há decisão sobre fiançaIced Earth
Schaffer será extraditado para Washington; não há decisão sobre fiança

Chris Jericho: ele não liga para Sebastian Bach e se diz fã dos primeiros do Skid RowChris Jericho
Ele não liga para Sebastian Bach e se diz fã dos primeiros do Skid Row

Dream Theater: bateria do próximo álbum já está gravada, segundo Mike ManginiDream Theater
Bateria do próximo álbum já está gravada, segundo Mike Mangini


Matérias Recomendadas

Avenged Sevenfold: 10 músicas que podem fazer você mudar de idéiaAvenged Sevenfold
10 músicas que podem fazer você mudar de idéia

Steven Tyler: primeira vez aos 7 anos, com duas gêmeasSteven Tyler
Primeira vez aos 7 anos, com duas gêmeas

Journey: o famoso erro geográfico em Don't Stop Believin'Journey
O famoso erro geográfico em "Don't Stop Believin'"

Nirvana: quem é o bebê da capa de Nevermind?Nirvana
Quem é o bebê da capa de Nevermind?

Bruce Dickinson: sua coleção de clássicos do MetallicaBruce Dickinson
Sua coleção de clássicos do Metallica

Dead Daisies
Stamp

Concrete Blonde: A história da banda e seu som único

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collector's Room
Enviar Correções  

publicidade

Música é algo muito pessoal. Cada pessoa tem uma relação diferente com os sons. Uma banda que significa muito para mim pode não dizer nada para você, assim como uma composição que marcou um momento da sua vida muito provavelmente não terá o mesmo significado para outro indivíduo. Escrevo isso porque é exatamente essa situação que me veio à cabeça quando decidi escrever sobre a banda norte-americana Concrete Blonde. A relação que tenho com a música do grupo é muito profunda, intensa, repleta de memórias. Mas, provavelmente, outras pessoas não sintam algo parecido ou, até mesmo, nunca tenham ouvido falar dos caras. O Concrete Blonde me traz de volta os tempos de universidade durante a década de 90. Foi nesse período que conheci e me apaixonei pela música desta banda única e fascinante. Vamos ver se eu consigo contar a história deles pra vocês.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O embrião da banda nasceu em 1982, em Los Angeles, quando a vocalista e baixista Johnette Napolitano e o guitarrista James Mankey formaram o Dream 6. O conjunto durou pouco e lançou apenas um EP, auto-intitulado, pela gravadora francesa Happy Hermit, mas que não deu em nada. A dupla seguiu na ativa compondo e se apresentando pela Califórnia, e em 1986 assinou com a I.R.S. Records. Por sugestão do colega de selo Michael Stipe, vocalista da então novato R.E.M., resolveram trocar o nome para Concrete Blonde, termo que, segundo Stipe, descrevia com perfeição o contraste entre o som pesado e cheio de energia com as letras extremamente introspectivas de Johnette.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Uma curiosidade: "concrete blonde" era também um termo depreciativo aplicado às bandas de hard rock de Los Angeles, cujos músicos usavam e abusavam de permanentes e sprays fixadores para armar as suas discutíveis cabeleiras. Bata o olho em algumas fotos do período de nomes como Ratt e Poison e entenda.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Johnette e Mankey chamaram então o baterista Harry Rushakoff (que havia tocado no Special Effect, primeira banda de Al Jourgensen, do Ministry), entraram em estúdio e saíram de lá com um excelente disco de estreia. Lançado em 1986, "Concrete Blonde", o álbum, foi aclamado pela crítica, que adorou o rock alternativo com elementos de punk e gótico do trio. Produzido por Earle Mankey - guitarrista do Sparks e responsável por álbuns das Runaways, The Dickies e The Three O’Clock -, o LP trazia doze faixas refrescantes, todas compostas por Johnette Napolitano - as exceções são a instrumental "True", de James Mankey, e a ótima versão para "Beware of Darkness", de George Harrison.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Nesse primeiro disco já ficaram claras as principais características do grupo. Tendo como elemento principal a bela voz grave de Johnette, sempre emoldurada pela guitarra cheia de personalidade de Mankey, o Concrete Blonde chamou a atenção com composições fortes e muito bem construídas como "Dance Along the Edge", "Over Your Shoulder" e "Cold Part of Town". Ao lado delas, explosões sonoras que mostravam as raízes punks do trio e soavam como verdadeiros tapas na orelha como "Your Haunted Head" e "Still in Hollywood". E, fechando com chave de ouro, as pequenas jóias pops "Song for Kim (She Said)" e "Little Sister".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O disco rendeu três singles - "Still in Hollywood", "Dance Along the Edge / Make Me Cry" e "True / True II" e recebeu boas críticas na imprensa especializada. O trio rodou os Estados Unidos tocando sem parar, e retornou ao estúdio somente em 1988.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Trabalhando novamente com Earle Mankey, contando com a mixagem de Chris Tsangarides e com mais um guitarrista na formação - Alan Bloch -, a banda gravou dez novas faixas, que foram lançadas no início de 1989 no álbum "Free". O som estava diferente, com uma personalidade mais forte, com menos elementos do punk e uma bem-vinda maior presença de características góticas.

Está em "Free" o primeiro grande hit do Concrete Blonde, "God is a Bullet", parceria de James Mankey e Johnette Napolitano - que, mais uma vez, respondeu por todas as composições. O disco é mais pesado, mais sombrio, que o debut. Destaque para "Roses Grow" - uma espécie de rap construído apenas com a bateria e os vocais de Johnette -, "Scene of a Perfect Crime", a arrepiante "Little Conversations", "Carry Me Away" e o pop perfeito de "Happy Birthday". Vale mencionar também a boa releitura de "It’s OInly Money", do Thin Lizzy, e a linda capa, criada por Johnette em parceria com a artista Anne Sperling.

Devido ao vício em heroína, Harry Rushakoff deixou o grupo em 1990. Para o seu lugar a banda recrutou o ex-baterista do Roxy Music, Paul Thompson, e voltou a ser apenas um trio. A entrada do experiente músico colocou o Concrete Blonde um nível acima, e o resultado foi o espetacular "Bloodletting", lançado em 19 de setembro de 1990 e o trabalho preferido de grande parte dos fãs.

A veia gótica ficou ainda mais saliente no terceiro disco, produzido pela própria banda ao lado de Chris Marshall. As dez composições formam um painel que retrata com perfeição o início da década de noventa no rock norte-americano. O álbum conta com as participações especiais de Peter Buck, guitarrista da banda amiga R.E.M., tocando mandolin em "Darkening of the Light", e Andy Prieboy, do Wall of Voodoo, responsável pelo teclado na versão de "Tomorrow, Wendy", do seu próprio grupo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Uma verdadeira obra-prima, "Bloodletting" é um clássico do rock alternativo ianque. Novamente com todas as faixas compostas por Johnette Napolitano, o disco tem grandes músicas como "Bloodletting (The Vampire Song)", "The Sky is a Poisonous Garden", a já citada "Darkening of the Light" e a doce "Lullabye". Mas os pontos mais altos são "Caroline"- uma espécie de road song gótica -, a linda "Joey" - cuja letra conta a história da paixão de um homem pelo álcool e é uma das mais pessoais escritas por Johnette - e "Tomorrow, Wendy", que se transformou em hino graças à letra, que conta os últimos momentos de uma paciente terminal de AIDS - a doença vivia, naquela época, os seus primeiros e aterrorizantes anos, apavorando milhões em todo o planeta.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Bloodletting" foi o mais próximo que o Concrete Blonde chegou do mainstream. O sucesso inesperado de "Joey" - a música chegou à posição 19 nas paradas da Billboard - fez o trio arranhar o sucesso, e a faixa acabou se transformando em um dos maiores hits do rock americano da década de noventa, presente em dezenas de compilações.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O passo seguinte foi o também excelente "Walking in London", que chegou às lojas em 10 de março de 1992. No disco, o trio retomou a parceria com o renomado Chris Tsangarides, responsável pela produção, ao lado do grupo. O LP marcou também o retorno de Harry Rushakoff após um período em uma clínica de reabilitação. O baixista Tom Petersson, do Cheap Trick, participou tocando em várias faixas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Walking in London" trouxe o Concrete Blonde explorando uma sonoridade um pouco mais pesada, mas mesmo assim mantendo o ambiente sombrio marcante do gótico. Johnette, novamente responsável por todas as faixas - a exceção é o cover para "It’s a Man’s World", clássico de James Brown -, experimentou em algumas canções, como na bela "Led cceurs jumeaux", cantada em francês, e na própria releitura de "It’s a Man’s World", que aparece como um surpreendente blues gótico. A marcante faixa-título, a linda "Why Don’t You See Me" e "Someday?" - outra jóia pop - são os destaques.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O Concrete Blonde atingiria o ápice no disco seguinte, o espetacular "Mexican Moon", lançado em 19 de outubro de 1993. Explorando na maioria das faixas letras inspiradas no Dia dos Mortos mexicano, Johnette Napolitano alcançou o topo como compositora. Produzido pela banda e por Sean Freehill, o trabalho é praticamente um disco de hard rock, e tem pouco da sonoridade gótica dos álbuns anteriores. Paul Thompson assumiu novamente a bateria, tocando na maioria das faixas enquanto Rushakoff passava por uma nova internação.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A linda faixa-título, que também marca presença em uma interessantíssima versão cantada em espanhol batizada como "Bajo la Lune Mexicana", é uma das melhores músicas da carreira do grupo. Além dela, a pesada "Heal It Up" - cujo clipe rolou bastante na MTV brasileira -, "Rain", "Close to Home" e "End of the Line" - de Bryan Ferry - são os principais destaques de um trabalho excelente.

Infelizmente, "Mexican Moon" acabou sendo o canto do cisne do Concrete Blonde. A banda se separou após a turnê. Mas os fãs não ficaram na mão. Em 1994 foi lançada a ótima compilação "Still in Hollywood", com faixas ao vivo, b-sides e material inédito, e em 1996 foi a vez da coletânea "Recollection" chegar às lojas. Se você nunca ouviu o grupo, recomendo esses dois CDs.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Entretanto, o fim foi apenas temporário. A banda retornou em 1997 com o curioso "Concrete Blonde y Los Illegals", gravado ao lado da banda punk Los Illegals. O disco é bem interessante, e duas das dez faixas entram, certamente, entre os melhores momentos da carreira do grupo - "Viva La Vida" e "La Llorona". O retorno acabou sendo breve, e os caras se separaram mais uma vez.

O retorno definitivo do Concrete Blonde aconteceu somente em 2001, e de lá para cá a banda tem se mantido ativa, ainda que um tanto bissexta. Desde então já lançaram dois trabalhos de estúdio - "Group Therapy" (2002) e "Mojave" (2004) -, ambos apenas medianos, além do duplo ao vivo "Live in Brazil" (2003), gravado durante a turnê brasileira de 2002. Atualmente, ao lado da dupla Johnette e Mankey está o batera Gabriel Ramirez Quezada.

Johnette Napolitano vive em Los Angeles cercada por dezenas de gatos e lançou alguns álbuns solos no decorrer dos anos. Já James Mankey gravou com a banda Sparks e também colocou no mercado um disco instrumental em 2003.

A força do Concrete Blonde está nas composições de sua líder, vocalista e baixista. Extremamente talentosa e com um talento nato para a melodia, Johnette Napolitano, apesar de pouco reconhecida, é uma das maiores compositoras do rock norte-americano da década de noventa. Seu trabalho é profundo, extremamente pessoal e tocante, causando identificação com pessoas das mais variadas classes e países. No Brasil, a banda é associada ao surf devido à grande popularidade que possui junto aos adeptos do esporte, mas a sua música vai muito além disso. Complexa, densa e dona de uma beleza arrebatadora, a obra do Concrete Blonde está entre os pontos mais altos do rock produzido nos Estados Unidos nas últimas décadas.

Se você nunca ouviu o grupo, aproveite este texto e conheça já os discos. Se já conhece, redescubra. Afinal, nunca é demais ouvir música de qualidade.


Tunecore
Malvada
Como consegui viver de Rock e Heavy Metal
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


King Diamond: O que significa ser Satanista?King Diamond
O que significa ser Satanista?

Mini Iron Maiden: tocando Ghost Of The Navigator na escolaMini Iron Maiden
Tocando "Ghost Of The Navigator" na escola


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.