Madame Saatan: 'Nunca pensei em compor em outra língua'

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Breno Airan, Fonte: Rock na Velha
Enviar Correções  


A revista Rock Meeting deste mês de agosto traz, na capa da sua 35ª edição, a banda paraense MADAME SAATAN. E nada como uma frontwoman.

Os olhares roquísticos dos homens na plateia, cabeceando o ar em diversas investidas, por vezes para apreciar a beleza de uma bela madame de um ângulo melhor.

publicidade

Foi assim com as garotas do VIXEN, THE RUNAWAYS, CRUCIFIED BARBARA e com a cantora do WARLOCK, a alemã DORO.

Mas a coisa ganha sempre nova forma quando a competência e o talento vêm à tona. A voz, subestimada enquanto a boca está fechada, dá um sopro de razão, e os olhos, lugar aos ouvidos.

É basicamente o que se sente ao se escutar o quarteto paraense da Madame Saatan.

publicidade

SAMMLIZ, a frontwoman, tem tudo para dar certo. É bonita, carismática e muito inteligente. Suas letras não apenas impulsionam o ouvinte a um universo diferente, como encarnam toda a regionalidade necessária no fazer musical no Brasil. E o resto da banda não é resto.

De Belém do Pará

A primeira banda de Heavy Metal do país a lançar um álbum – neste caso, um vinil - foi a STRESS, banda formada em 1974, no Pará, mas que só colocou o trabalho, digamos, à venda, em 1982, com um disco homônimo.

publicidade

Desses meandros do carimbó, o grupo Madame Saatan surge em Belém. Sim, o quarteto é de Belém. Terra de Fafá de Belém, Leila Pinheiro e a da banda brega independente Calypso.

Em 2003, eles se juntaram para dar mais luz ao espetáculo de teatro "Ubi Rei – Uma Odisseia em Bundalelê".

A trilha sonora ficou a cargo de SAMMLIZ, nos vocais, ÍCARO SUZUKI, no baixo, IVAN VANZAR, na bateria, e ED GUERREIRO, nas guitarras.

publicidade

Desde esse primeiro contato, elaborando as canções para o espetáculo, a trupe não quis mais parar de tocar e criou-se a Madame Saatan. Com dois "as" mesmo no nome do capiroto...

Com claras influências do carimbó, do lundu e da guitarrada em sua musicalidade, o grupo lançou seu debut em 2007, de forma independente, muito depois de colocar na praça o primeiro EP, "O Tao do Caos", em 2004.

publicidade

O disco de estreia lhes rendeu olhares de soslaio da crítica e muitos deles avassaladores para a bela vocalista Sammliz. Logo, ela se mostrou competente; toda a banda. Sendo assim, conquistaram o Prêmio Dynamite de melhor álbum de Heavy Metal, em 2008.

Decerto, a pegada em "Messalina Blues" mostra que os quatro já estavam entrosados.

O regionalismo latente em "Gotas em Caos de Selva Avenida" e em "Vela" só deixam acesas as iluminuras da Madame.

publicidade

Há também dois registros em película desse primeiro álbum. O clipe de "Devorados", por exemplo, foi gravado numa palafita, na Vila da Barca, dessa forma, mostrando outro cenário de Belém, além daquele dos cartões postais.

O outro, de "Vela", no Círio de Nazaré, em meio a devotos na tradicional festa da capital paraense - ambos os registros foram captados pela diretora e documentarista Priscila Brasil.

publicidade

Peixe-homem

A produção do "novo" disco deles, intitulado "Peixe Homem" e lançado em agosto do ano passado, foi do premiado Paulo Anhaia, o qual já trabalhou com artistas como VELHAS VIRGENS, CPM22 e CHARLIE BROWN JR.

A masterização não ficou muito atrás. O engenheiro de áudio foi Alan Douches, que tem no currículo a presença de AEROSMITH, MASTODON e MISFITS, em seus estúdios nos Estados Unidos.

Com efeito, o resultado acabou sendo o que o headbanger brasileiro estava precisando num momento de estagnação do cenário criativo: temos em mãos uma das bandas mais coesas dos últimos tempos.

A Rock Meeting conversou com a vocalista Sammliz, que tem 35 anos e é formada em Relações Públicas, Gestão Cultural e Radialismo. Ela falou a respeito dessa nova fase – já que agora todos eles estão morando em São Paulo – e o repórter aqui (com toda a modéstia que lhe cabe) pode garantir ao leitor que as músicas "Respira", "Fúria", "Até o Fim", "Sete Dias", "Cicatriz", "A Foice" e "Rio Vermelho" são o que há de mais forte e original no rock atual.

O trabalho da cozinha e das linhas de guitarra com um quê de thrash pontuam que beleza e competência podem, sim, andar juntas.

Os novos clipes

A direção dos clipes dos singles "Respira" e "Até o Fim" ficou a cargo de P.R. Brown, que já esteve à frente de trabalhos do SLIPKNOT, SMASHING PUMPKINS, PRINCE e AUDIOSLAVE.

Tomadas gravadas no Parque dos Igarapés, em Belém, por exemplo, contam com uma equipe de profissionais de mais de 20 pessoas. Uma delas, comparsa de P.R. Brown, o diretor de fotografia Jaron Presant, fez "retratos" realmente bem encaixados no que a música se propusera.

Entrevista

Pouca gente sabe, mas uma das primeiras bandas efetivamente de Heavy Metal é de Belém do Pará, a Stress. Como é carregar esse legado e essa bandeira hoje em dia?

Fazemos parte de uma cena que tem um bom e vasto histórico ligado ao Rock e ela vive em processo de renovação. Temos muito orgulho em fazer parte dela.

Como é, então, a cena no Pará? Certamente não há somente carimbó e Calypso.

A cena musical no Pará é rica e diversa. Carimbó, lundu, siriá, guitarrada, tecnobrega, pop, MPB e Rock dão o tom da cidade, e há uma quantidade expressiva de ótimos artistas atuando no estado, com alguns até despontando nacionalmente. A cena atual do Pará é o que há.

Falando na banda Calypso, que veio do meio independente, vocês também tiveram dificuldades no começo. Como foi essa fase?

O Calypso ainda é a maior banda independente no Brasil, e nós, para construir uma carreira, assim como qualquer banda, precisamos nos dedicar e trabalhar muito. No começo e durante todo o processo, você encontra dificuldades, e o desafio é superá-las e continuar. Tivemos, e ainda temos, muitas dificuldades. Viver somente da música que fazemos ainda não é possível.

A história de vocês começou em 2003, depois do quarteto fazer uma trilha sonora para a peça "Ubi Rei – Uma Odisseia em Bundalelê". Como decidiram se juntar para tocar rock?

Todos nós já havíamos passado por diversas bandas. Comecei com 15 anos, e os meninos começaram muito cedo também. Éramos amigos, e quando nos reunimos para esboçar o que viria a se tornar o Madame Saatan, estávamos fartos de tocar na noite e queríamos voltar a fazer som autoral. Logo nesse início, quando a banda nem nome tinha e estávamos trabalhando em nossas primeiras composições, fomos convidados para compor a trilha desse espetáculo em que eu trabalhava na produção na época, que é baseado no clássico Ubu Rei. A banda fez sua estreia dentro do teatro, já que, além de compor a trilha, a executamos ao vivo durante toda a temporada, que durou cerca de dois meses.

Como vocês veem os rótulos direcionados à banda? O que na verdade vocês se consideram?

Somos uma banda de Rock.

Que lembrança mais marcante vocês têm dos primeiros shows? Verdade que vocês já tocaram até em boate GLS? E dos espetáculos recentes? Como é a reação do público, digamos, "não acostumado" com um som pesado e elaborado?

Nosso primeiro show como Madame Saatan foi na Praça da República, como parte de divulgação do espetáculo do qual fazíamos parte. Foi durante a tarde, em um domingo, e caiu uma chuva daquelas típicas de Belém, enquanto desmontávamos o equipamento. Curiosos, bêbados, mendigos e hippies eram a grande maioria do público nesse dia, e fizemos a festa com eles. Não lembro de ter tocado com a banda em boate GLS, mas é uma ótima ideia. Se alguém nos convidar, iremos com todo prazer, porque temos muito respeito pelo público LGBT. Gostamos de tocar para todo tipo de público, e ano passado aconteceu bastante de tocarmos com artistas de outros estilos, variando do rap ao popular, e foi excelente a aceitação. Ao final de muitas dessas apresentações, não raro vêm até nós pessoas que dizem não gostar de rock, mas que gostaram de nós. Conseguir fãs improváveis é bem gratificante (risos).

A Madame Saatan, apesar de ser da região Norte, tem algo que o conecta com o Nordeste. Refiro-me ao fato de a banda ter saído da terra natal para "tentar a sorte grande" em São Paulo. O que acabaram absorvendo nessa estadia?

Estamos há quatro anos em São Paulo, e decidimos ficar na cidade para facilitar nossa circulação. A primeira vez que viemos para SP foi para participar de um projeto no CCBB e para gravar um programa da MTV. Logo depois, voltamos para divulgar o disco anterior, e foi quando uma empresa, a Equipo, nos ofereceu contratos como endorsers de algumas marcas (ESP/Groovin/Stagg/Samson/Hartke) e ainda bancou nossa primeira tour pelo Nordeste. Achamos que era um ótimo sinal para ficar, e assim foi. Nesses quatro anos, passamos por muita coisa e nos fortalecemos através das dificuldades que surgiram. Muitas coisas boas aconteceram; conhecemos pessoas maravilhosas e cá estamos, na missão.

Essa nova moradia acaba influenciando de alguma forma no processo criativo e de composição?

Tudo pelo qual você está passando, vivendo e sentindo, assim como um lugar novo para onde você se mudou, influencia de alguma forma seu processo criativo.

Se eu fizesse um Top 5 dos melhores lançamentos nacionais de 2011, certamente o mais recente trabalho da Madame Saatan, o "Peixe Homem", estaria no meio. Afinal, qual seria o conceito do tal peixe-homem?

Obrigada! Ele fala sobre nós e nossas mudanças internas e externas. Nossa metade peixe, fazendo referência às nossas raízes, e a outra metade urbana, caótica e passional. A água, como símbolo de "impermanência", costura o disco todo.

A "cozinha" da banda está mais precisa. Dá para notar referência do regionalismo em canções como "Sete Dias", "A Foice" e "Sombra em Você". Isso é algo intrínseco, ou vocês querem soar como tal?

Deixamos as coisas rolarem e não ficamos preocupados se alguma dessas referências vai ou não aparecer. Não pensamos nisso enquanto compomos. Faz parte de nós.

Ed Guerreiro tem uma pegada bem thrash nas guitarras, e Ícaro Suzuki encaixa muito bem suas linhas de baixo em cada lacuna. Contexto ideal para se cantar em inglês. Mas vocês vão na contra-mão, provando que dá para fazer diversas nuances interessantes em português. Isso foi definido desde o começo da Madame?

Nunca pensamos em compor em outra língua que não fosse o português, e não acho que o Metal, apesar de não ter sido um estilo criado aqui, não possa ser incorporado ao nosso idioma. Acho que a língua só é um entrave quando a banda tentar emular uma banda gringa. Aí, é provável que soe estranho realmente, mas é onde justamente mora o desafio. Não tenho absolutamente nada contra bandas brasileiras que fazem seu som em inglês; adoro várias, mas explorar o potencial do nosso idioma junto ao som pesado poderia ser um bom "novo" caminho. Gostaria de ver cada vez mais bandas fazendo isso.

Para conferir a entrevista na íntegra, clique no link abaixo.

http://issuu.com/rockmeeting/docs/rm35

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Wonder Years: O soundtrack do grande sucesso de público e críticaWonder Years
O soundtrack do grande sucesso de público e crítica

Led Zeppelin: por que Robert Plant não gosta de cantar Stairway to Heaven?Led Zeppelin
Por que Robert Plant não gosta de cantar "Stairway to Heaven"?


Sobre Breno Airan

Acima de tudo, um forte. Ser roqueiro no Nordeste é estar cercado de olhares de soslaio. Mas ele sabe ser simpático. Começou a escutar Heavy Metal ainda na barriga da mãe. A seu pai, uma verdadeira enciclopédia do estilo, deve tudo. Aos 14 anos, pediu para uma tia R$ 12 de presente de Natal, foi a uma loja de CDs usados e catou logo o "Rust in Peace", do Megadeth - em perfeito estado, inclusive. Daí por diante, a paixão só vem aumentando. É editor do blog Rock na Velha, integrante do blog Combe do Iommi e colaborador da revista alagoana Rock Meeting. Ainda tem tempo para ser jornalista e de tocar baixo em sua banda de Hard Rock, a Azul Manteiga.

Mais matérias de Breno Airan no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin