Steve Stevens

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Por Otávio Augusto Juliano
Enviar correções  |  Ver Acessos

Steve Stevens nasceu no Brooklyn, Nova York, dia 5 de maio de 1959. Aos 7 anos de idade ganha sua primeira guitarra e desde então começa a demonstrar a extrema facilidade com que maneja o instrumento, treinando diariamente. Durante o início da sua adolescência vem a sofrer um grave acidente na mão direita, mas consegue se recuperar, voltando a tocar normalmente.

5000 acessosSlayer: Tom Araya revela seus ídolos do baixo5000 acessosBruce Dickinson: "Não entrei na música para pegar mulher"

Em 1979, forma sua primeira banda, Fine Malibus. Começa a tocar em clubes e a mostrar sua incrível capacidade e habilidade com a guitarra, usando diversas técnicas e riffs pouco usuais, destacando-se por seu virtuosismo. A banda chega a gravar um álbum, mas não o lança. Após alguns anos, mais precisamente em 1982, junta-se a Peter Criss (baterista do Kiss), que estava em carreira solo e grava seu primeiro álbum, como músico convidado. A canção “First Day in the Rain”, do disco Let Me Rock You é de sua autoria, sendo ele o responsável pela guitarra da música.

Surge então o grande ápice da sua promissora carreira, quando conhece Billy Idol, por intermédio de um amigo em comum. Entra em estúdio e grava o álbum Billy Idol. O visual diferente de ambos dá certo (Billy Idol seguia o estilo punk enquanto Steve tinha visual totalmente Hard Rock) e é lançado o segundo álbum, em 1983, de nome Rebel Yell. Resulta em enorme sucesso, devido aos hits que emplaca. A banda sai em turnê durante os anos seguintes.

Em 1986, o terceiro álbum, Whiplash Smile, é levado às lojas. Nesse mesmo ano Steve se junta a Harold Faltemeyer para compor a música “Top Gun Anthem”, parte integrante da trilha sonora do filme Top Gun (Ases Indomáveis). Com isso, ganha o prêmio Grammy como melhor performance instrumental de Pop Music. Grava também as guitarras da música “Dirty Diana”, do álbum Bad, do Michael Jackson.

Billy Idol começa a trilhar por um caminho no qual bases eletrônicas e sintetizadores são usados e isso desagrada Stevens, que acaba por deixar a banda em 1988, exatamente pela divergência de idéias. No ano seguinte forma sua própria banda: Steve Stevens´s Atomic Playboys. Lança um álbum auto intitulado e sai em turnê pela América, promovendo o disco. Na formação estavam Perry McCarty nos vocais, Thommy Price na bateria e Phil Ashley nos teclados, além, é claro, de Stevens fazendo as guitarras, o baixo e ainda assumindo o vocal na música “Womam of 1000 Years”. Na seqüência, a promissora banda encerra suas atividades com apenas um único álbum lançado (muito difícil de ser encontrado no Brasil, somente por encomenda).

No início da década de 90, Steve realiza diversos trabalhos com variados músicos, dentre os principais destaca-se a união com Michael Moore (ex-Hanoi Rocks), dando origem ao grupo Jerusalem Slim. Até que em 1993 junta-se a Vince Neil (na época ex-vocalista do Mötley Crüe) e grava o brilhante álbum Exposed, atualmente relançado com faixa bônus. Ingressa em turnê pela América e pelo Japão e depois deixa a banda.

Em 1994, volta a trabalhar com Billy Idol para compor a música de nome “Speed”, parte integrante da trilha sonora do filme Velocidade Máxima, álbum que também tem faixas tocadas pelo Kiss e Blues Traveler. Participa também da trilha sonora do filme Ace Ventura: Pet Detective, cujo ator principal é Jim Carrey, e mais tarde do álbum em homenagem ao guitarrista Stevie Ray Vaughan.

No ano de 1997, cria um projeto de realização de músicas instrumentais com Terry Bozzio e Tony Levin, chamado de Bozzio-Levin-Stevens. Dois álbuns são lançados: Black Light Syndrome (1997) e Situation Dangeours (2000). Nessa mesma época realiza alguns trabalhos com Kyosuke Himuro, ficando bastante conhecido e respeitado no Japão, em razão da turnê ao lado do músico japonês.

Em função da uma grande paixão pela música flamenca, Stevens lança em 1999 o álbum Flamenco a Go-Go, onde fica claramente demonstrado todo o seu talento e versatilidade, em 10 faixas de deixar qualquer um impressionado, incluindo a música “Dementia”, gravada ao vivo no Yokohama Stadium (com direito ao clipe da apresentação, na versão faixa bônus para computador).

Após 12 anos do fim de sua parceria com Billy Idol, em meados de 2000, Steve volta a se encontrar com seu parceiro de composições e shows, o que resulta no muito bem executado álbum VH-1 Storytellers, gravado ao vivo. É também lançado o DVD do show, onde percebe-se facilmente que, mesmo após anos de distância, ambos continuam a formar a incrível dupla de tanto sucesso alcançado na década de 80.

Na verdade, Steve Stevens consegue cativar qualquer fã de guitarra, destacando-se não somente pelos riffs incríveis e extremamente rápidos, mas mostrando também muita competência na execução de composições mais lentas para trilhas sonoras, bem como sendo muito versátil para utilizar o ritmo flamenco em suas músicas.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net



0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Steve Stevens"


SlayerSlayer
Tom Araya revela seus ídolos do baixo

Bruce DickinsonBruce Dickinson
"Não entrei na música para pegar mulher!"

W. Axl RoseW. Axl Rose
Português quando estão resolvendo algum rolo dele

5000 acessosAtores de Hollywood no mundo da música5000 acessosLed Zeppelin: o lendário solo de bateria de John Bonham5000 acessosÁlbuns ao vivo: 10 grandes registros da história do rock5000 acessosMegadeth: Marty Friedman foi a "arma secreta" de Rust In Peace, diz Mustaine4124 acessosDavid Coverdale: os álbuns com o cantor, do pior para o melhor5000 acessosMustaine: como foi a viagem de ônibus depois de ser expulso do Metallica?

Sobre Otávio Augusto Juliano

Otávio é paulistano, tem 29 anos e faz algo nada a ver com o Rock: é advogado. Por gostar muito de música e não possuir talento algum para tocar instrumentos musicais, tornou-se um comprador compulsivo de cds. Sempre interessado em leitura ligada ao Rock e Metal, começou a enviar algumas pequenas colaborações para a Whiplash e hoje contribui principalmente com textos relacionados ao Hard Rock, estilo musical de sua preferência. De qualquer forma, é eclético e não dispensa álbuns de todas as demais vertentes do Metal, sendo fã incondicional de W.A.S.P., Mötley Crüe e dos trabalhos do guitarrista Steve Stevens.

Mais matérias de Otávio Augusto Juliano no Whiplash.Net.