Frank Zappa

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Márcio Ribeiro
Enviar correções  |  Comentários  | 

Enquanto no âmbito do rock 'n' roll a maioria dos artistas creditam a inspiração para se tornar um músico a artistas como Elvis Presley, Chuck Berry ou Little Richard, Frank Zappa confessava que embora adorasse r&b e fizesse parte desta geração, sua curiosidade e interesse por ser compositor e músico nasceu ao ouvir o disco Ionization do compositor erudito Edgar Varese.

635 acessosPunk e Progressivo: dois artistas que tentaram juntar ambos5000 acessosDeath Metal: as 10 melhores bandas de acordo com a AOL

Sempre um menino atirado, chegou a pedir aos pais, como presente de aniversário, a permissão para fazer uma ligação interurbana para Nova York para poder conversar com o mestre. Zappa era ainda um adolescente no científico quando falou com a senhora Varese, Edgar estando em viagem pela Europa. Frank Zappa acabaria nunca conhecendo pessoalmente o mestre, mas faria constantes referências a sua música durante a carreira, tornando celebre a frase "O compositor moderno se recusa a morrer." pronunciada por Varese em 1921.

Nascido Frank (e não Francis) Vincent Zappa, em Baltimore, no dia 21 de dezembro de 1940, mas crescendo e vivendo toda sua vida na California, nos arredores de Los Angeles, Frank Zappa, ainda adolescente, conhece e faz amizade com Don Vliet. Juntos formam algumas bandas como the Omens e the Soots, tocando o material r&b de costume. Tocou também em bandas multirraciais, coisa difícil e inaceitável para a época. Durante a faculdade, atuou como tocador de bumbo na banda oficial do time de futebol americano da universidade, até ser expulso por ser pego fumando com o uniforme da banda. Cigarros e café, por toda sua vida, se mostraram ser seus dois maiores vícios depois da música.

Após a faculdade, no final da década de 50, casou e investiu seus talentos em uma firma de cartões para todas as ocasiões, escrevendo seus dizeres. A frustração do seu meio de vida, acoplado ao relacionamento insosso dentro do casamento, o leva ao divorcio. Abandonando as duas frentes, conseguiu através do contato de um ex-professor, um contrato para compor a trilha sonora para um filme B. Algumas músicas desta trilha reapareceriam em discos futuros de sua carreira, como por exemplo, a canção "Duke Of Prunes." Com o dinheiro de "Run Home Slow", titulo do filme, Zappa compra uma guitarra e um pequeno estúdio de gravação à beira da falência em Cucamonga, que batiza de Studio Z. Nele Zappa passaria a morar e trabalhar exclusivamente com música.

Para se sustentar tocava em diversas bandas de fim de semana, como também gravava e compunha material para diversos artistas da região, de menor ou nenhuma expressão. A sua banda mais constante, mesmo que com uma formação em constante mutação, é The Blackouts, com quem toca por quase quatro anos.

Um dia ele recebe a incumbência de fazer uma gravação "picante" com insinuações sexuais, supostamente para alegrar uma festa.Com a ajuda de uma amiga, que ele apelidou de Suzy Creamcheese, eles fizeram alguns barulhinhos com um colchão de mola e soltaram gemidos e risadas e no dia seguinte, entregou a fita para o seu cliente esperando a recompensa financeira combinada. Acontece que o cliente era um policial disfarçado e Zappa foi preso em flagrante por confeccionar material pornográfico. Passou alguns dias na cadeia antes de seu pai chegar de Baltimore para pagar sua fiança e poder liberá-lo. De positivo, como ex-detento, Frank Zappa não poderá mais, segundo a lei, ser convocado as forças armadas, perdendo assim a oportunidade de lutar no Vietnã.

Nesta fase entre 61/62, Zappa começa a compor uma opera rock chamada "I Was A Teenage Malt Shop", projeto que permaneceria inacabado. Nesta mesma época, Zappa compra de um estúdio de cinema diversos cenários futuristas, que montou no Studio Z. Resolveu então escrever um roteiro para uma ficção cientifica, que depois tentaria filmar com a ajuda dos amigos. Assim Frank Zappa cria para Don Vliet o personagem Captain Beefheart, personagem central do filme intitulado "Captain Beefheart vs. The Grunt People". O termo Beefheart sendo inspirado no tio de Vliet que curiosamente usava esta expressão para designar seu próprio membro. Don Vliet assumiria a partir de então o nome Captain Beefheart para o resto de sua carreira artística.

Ainda em 1962, Zappa recebe um segundo convite para fazer uma trilha sonora para outro filme, "The World's Greatest Sinner", hoje relegado à controvertida glória de filme cult. Zappa, morando no estúdio, passa a ser um maníaco por gravações, se tornando um ás na arte de corte (com o uso de uma gilete) e edição. Com a ajuda de um técnico, ele transforma o estúdio em três, e depois cinco canais, se especializando também na técnica de overdub. Isto, quando a industria sequer tinha ainda instalado a máquina de quatro canais e a gravação estéreo como padrão de mercado.

Conhece, se apaixona, e quase de imediato, casa com Gail Zappa, sua companheira para o resto da vida. Logo ela estaria dando luz à primeira filha do casal, Moon Unit Zappa. Sempre tendo grande interesse voltado para som percussivo, arranja uma apresentação musical utilizando uma bicicleta como instrumento, conseguindo com a curiosidade, uma aparição no programa de televisão "The Steve Allen Show" em 1963.

No ano seguinte foi convidado pelo amigo Ray Collins a substituir o antigo guitarrista de sua banda The Soul Giants. A formação incluía Dave Coronado no sax, o mexicano Roy Estrada no baixo e Jimmy Carl Black, um autêntico índio Cheyenne, na bateria. Coronado acabaria preferindo sair da banda uma vez que Zappa convencera todos a tocar suas composições. Zappa assumiria o controle da banda e mudaria o nome para the Muthers e depois Mothers. Como golpe publicitário, realizam um show de inauguração oficial da banda no dia das mães.

Durante sua pior fase financeira, a banda juntava cascos de garrafas, levantando assim dinheiro para comprar pão e mortadela para ter o que comer nos ensaios. Justamente nesta fase é que Tom Wilson, produtor da MGM Records foi convencido a sair do bar Whiskey Au-Go-Go onde estava, e atravessar a rua para outro bar, ouvir the Mothers, que naquele exato momento estava tocando uma versão de um número de r&b, totalmente irrelevante ao material normalmente tocado pela banda. Wilson, com pressa, ouviu dois minutos e mandou contratar, em um dos maiores golpes de sorte de uma banda na historias do rock.

A gravadora exige que the Mothers mude de nome pois em inglês, um Mother (mãe) se referindo a alguém do sexo masculino, é implicitamente associado ao palavrão Motherfucker. A banda então aceita a sugestão da gravadora e passa a usar o adendo The Mothers of Invention (As Mães da Invenção). Gravado no estúdio da MGM e lançado em 1966 pela sua subsidiaria, a Verve Records, o álbum duplo "Freak Out!", dá inicio a uma carreira extremamente produtiva, embora na época poucos especulariam sobre o tempo de duração da banda ou sua demanda comercial.

O disco une material de doo-wop com música eletroacústica, distribuindo igualmente sátira e crítica às composições, além de uma complexidade estrutural, apesar de algumas limitações de sua banda. Canções como "Go Cry On Somebody Else's Shoulder" e "You're Probably Wondering Why I'm Here", demonstram bem este aspecto satírico/analítico enquanto apresentado em formato de rock simples e doo-wop. Outras peças como "Help! I'm A Rock", "Who Are The Brain Police" e "Return Of The Son Of Monster Magnet", exigem uma maior aceitação de, como diria o próprio Frank Zappa, "coisas que não são normais." O disco passa a ser respeitado como cult na Europa, embora com pouca ou nenhuma repercussão positiva nos Estados Unidos. Para muitos, Freak Out! é o primeiro disco conceitual do rock e por pouco não é o primeiro álbum duplo do rock também.

Seu próximo disco, "Absolutely Free", faria outro marco importante para sua imagem na Europa como artista intelectual sério. O disco oferece novamente seu humor ácido e crítico direcionados a América e sua mentalidade industrial onde rege a quantidade sobre a qualidade, criticando também o americano comum por aceitar e encorajar esta postura. Assim, na Europa, tornam-se clássicos do underground canções como "Plastic People", "Call Any Vegetable", "Brown Shoes Don't Make It" e "America Drinks And Goes Home."

Seus shows são divertidos e o grosso de seu público passa a ser formado cada vez mais por uma minoria estudantil americana. Sua persona de "Mestre de Cerimonias" é bem ao estilo dos anos 50, uma arte ao seu ver em extinção. Trata sua audiência paternalmente, "Good night boys and girls", ao mesmo tempo que deixa acesso livre para a plateia participar do show, subindo no palco e interagindo com a banda em mini peças teatrais, que compõe boa parte de sua apresentação ao vivo. Sua capacidade de dominar uma audiência e manter este controle sobre eles, é impar. Sua música flutua entre doo-wop, free jazz, r&b, música de câmara e eletroacústica. Suas composições, principalmente suas partituras percussivas, tem em si grandes doses da influência de Varese.

Aos poucos, além de engraçados e divertidos para o público assistir, seus shows começam a atrair outros músicos a quererem se afiliar a banda. Vão entrando e compondo as diversas formações dos Mothers of Invention músicos desconhecidos como Elliot Ingber, Billy Mundi, os irmãos Bunk e Buzz Gardner, Don Preston e possivelmente o mais talentoso destes, Ian Underwood, bacharel em piano e exímio saxofonista.

Em 1967, aproveitando uma temporada da banda em Nova York, Zappa assina um contrato com a Columbia Records, gravando uma serie de composições com a orquestra da gravadora. Zappa alegaria depois que ele acreditava que seu contrato com a MGM como membro dos Mothers of Invention, não o impediria de ter outro contrato com outra gravadora sob seu nome pessoal. Evidentemente que a MGM travou a fita e uma vez o equívoco fosse resolvido entre as duas gravadoras e o artista, Zappa usaria este material mixando também material experimental que inclui conversações, lançando tudo com o curioso nome de "Lumpy Gravy".

Outro disco marco de sua carreira seria o álbum "We're Only In It For The Money", um disco analítico da América, mormente da costa oeste, no ano de 1967. O disco questiona o movimento Flower Power, como também satiriza o hippie de ocasião e todo o movimento de San Francisco, então no seu auge. Acusa a tradicional usurpação de idéias "alternativas" pela industria tornando-as em produtos para consumo de massa. Esta observação fica clara quando Zappa utiliza o layout do disco Sgt Pepper's Lonely Hearts Club Band dos Beatles para fazer uma paródia.

O disco é proibido de ser lançado com a capa original, por estar infringindo direitos de criação e o processo atrasa em quase um ano o lançamento. Zappa inverte as capas, utilizando então a capa de dentro como capa externa e vice versa, conseguindo assim driblar a acusação, e o disco chega às lojas em 1968.

O ano de 1968 foi em si um ano marcado pela política e lutas estudantis ao redor do mundo. Na Tchecoslováquia, jovens usariam a canção "Plastic People", do álbum Absolutely Free, como hino de protesto durante as manifestações em Praga. Atitudes similares aconteceriam na Polônia. Na América, a controvérsia da capa de We're Only In It For The Money como também sua crescente popularidade na Europa, chama a atenção da crítica americana para a banda; muitos ainda não entendendo o material. Zappa continua sendo completamente ignorado pela mídia e grande público, mas respeitado entre ouvidos mais treinados e exigentes.

Grava então sua ode para o doo-wop, estilo muito popular antes da Beatlemania, que é o disco "Cruising with Ruben & the Jets". Paralelamente, posa sentado de calça arreada, sobre uma privada, para um poster publicitário. Com isto, Frank Zappa passa a ser um nome que todo mundo ouviu falar mais quase ninguém realmente ouviu. Por conseguinte, muitas coisas ditas a seu respeito são falsas. Entre as mentiras mais famosas, existe um de que Frank Zappa havia comida cocô no palco em um dos seus shows. Ele passaria boa parte de sua vida negando tal feito.

Durante o período entre 1967 e 1969, Zappa tem aproveitado cada oportunidade para escrever uma vasta gama de material de música de câmara. Diferente da maioria dos músicos que conhecemos, Zappa não compõe utilizando um piano ou violão. Ele compõe música usando apenas a caneta e o papel. Elas nascem em forma de partituras para depois algum dia serem efetivamente executadas por músicos.

Zappa organiza então este material mais recente, arranjando-o para uma trilha sonora, e aproveita para escrever o roteiro para um filme de monstro, tipicamente B (tão comum após a Segunda Guerra) que ele batiza de "Uncle Meat". Sem conseguir os devidos fundos, apenas parte do material musical seria lançado em seu álbum duplo, "Uncle Meat" de 1969. Levaria outros dois anos para conseguir colocar a maior parte da trilha, desta vez em outro filme escrito por ele, já com outro roteiro e concepção, agora chamado, "200 Motels" (1971).

Entre 1968 e 1969, a MGM/Verve andava mal das pernas, e Zappa funda sua própria gravadora, a Bizarre Records. Paralelamente vários membros dos Mothers of Invention são substituídos. Zappa e Ian Underwood gravam então um dos discos mais queridos de sua discografia: "Hot Rats". Nele há a participação de um jovem violonista francês chamado Jean Luc Ponty. Frank Zappa, ainda viria a produzir o primeiro disco de Ponty, intitulado "King Kong", com Ponty interpretando composições do próprio Zappa, várias ainda inéditas até então.

"Hot Rats" também oferece a colaboração de Captain Beefheart e traz à tona o violonista Sugar Cane Harris, tocando violino elétrico pela primeira vez. Harris voltaria a participar de seu próximo e ultimo disco com os Mothers of Invention, "Burnt Weeny Sandwich".

Zappa também contrata para a Bizzare Records uma banda com um nome único, Alice Cooper, os aconselhando apenas a mudar de visual, então excessivamente normal. Entre outras bandas a fazerem parte do novo selo, sendo gravados, produzidos ou orientados por Frank Zappa, estão Tim Buckley, Captain Beefheart & His Magic Band, a dupla Judy Henske & Jerry Yester (ex- Lovin' Spoonful), Tim Dawn, Wild Man Fisher e The GTO's. Nem todos marcaram a indústria.

Em 1970, a banda Mothers of Invention seria desfeita para retornar alguns meses depois com outra formação, agora sendo tratados apenas como the Mothers. Neste período de transição Zappa lança "Weasels Ripped My Flesh", uma coletânea de material ainda inédito de várias fases da banda. Da ultima formação dos Mothers, permanecem Ian Underwood e Don Preston. Zappa encontra e contrata Jeff Simmons para o baixo, e um pianista achado em um barzinho de Los Angeles, chamado George Duke. Duke iria depois seguir uma carreira de muito sucesso na década de setenta, mormente seus trabalhos com Stanley Clark. Soma-se então ao grupo a dupla de vocalista da banda the Turtles, Mark Volman e Howard Kaylan, como também o ex-baterista do John Mayall's Bluesbreakers, Ansley Dunbar.

Por limitações financeiras Zappa é obrigado a vender a Bizarre Records e todo o seu catalogo para a Warner Brothers, que mantém o selo da Bizarre apenas para os discos dos Mothers, agora Bizarre/Reprise. Os demais artistas que permaneceram com a Warner foram repassados para sua subsidiaria Reprise Records. Musicalmente, o período entre 1970 e 1972 encontraria Zappa fazendo um maior uso de piadas picantes e contando longas histórias com intervenções musicais e trilha sonora, aproveitando bem a força de locução da dupla Volman e Kaylan, que passam a ser apelidados de Flo & Eddie. Sua intenção é de tentar fazer suas composições mais complexas, um pouco mais acessíveis para um público jovem e pouco intelectualizado. Deste período, Zappa lança "Mothers Live Fillmore East: June 1971", "200 Motels" (The Mothers + A Orquestra Filarmônica de Londres) e "Just Another Band From L.A.".

Durante a sua excursão Européia no final do ano, a má sorte lhe causa inúmeros prejuízos. Primeiro, em Montreux, um incêndio causado por alguém da plateia soltando um rojão, queima o teatro onde a banda estava tocando, causando a perda de todo o teatro e, evidentemente, do equipamento da banda que lá estava. Este incidente ficaria famoso nos versos da música "Smoke On The Water" da banda Deep Purple. Tiveram que alugar equipamentos para o restante da excursão. Pouco depois, durante outra apresentação, alguém cismado que a namorada estava mais interessada em Zappa, consegue subir no palco. O rapaz se aproxima de Zappa enquanto este estava concentrado em meio a um solo de guitarra, e empurra o músico para dentro do fosso da orquestra. Pego de surpresa, Zappa cai de mau jeito, sobre o pescoço (o que mudaria sua voz para uma região mais grave) e quebra a perna, tendo que ser hospitalizado. O restante da excursão foi cancelada e a banda desintegrou.

Zappa então passa a escrever incessantemente material orquestral. Monta uma banda com um naipe colossal de sopros, reunindo os melhores músicos de estúdio de Los Angeles, e faz uma pequena série de apresentações pelos Estados Unidos. Apesar do prazer profissional, o capricho estava saindo demasiadamente caro para manter e a banda teve que ser desfeita. Apenas um número menor de músicos foram mantidos. Deste período, Zappa grava e lança os discos "Waka Jawaka" e "The Grand Wazoo".

A partir de 1973, Zappa já não é mais visto pela critica especializada como um aloprado e sim como um músico sério, mesmo que excêntrico. Sua fama de carrasco se espalha, obrigando seus músicos a estudar e estudar e estudar, para conseguir executar material de alto nível de dificuldade. Para isto, antes de levar uma banda para a estrada, Zappa passa dois meses ensaiando seis dias por semana, com um mínimo de seis horas, chegando as vezes a dez horas por dia. Quem não se enquadra é despedido. Outra curiosidade em relação a sua fama de organizador é que nenhum músico pode subir no palco intoxicado. Zappa é claro quando diz que não se interessa pelo comportamento de ninguém na vida particular, mas a sua música já é difícil o suficiente estando sóbrio. Quem for pego "doidão" antes de entrar em cena é sumariamente despedido, seja ensaio ou show.

Ele enterra de vez seu selo Bizarre e lança seus discos agora sob o selo DiscReet/Straight Records, sua filial dentro da Warner Brothers. Reúne o melhor de suas bandas anteriores como o casal Ian e Ruth Underwood, George Duke, Jean-Luc Ponty e Sal Marquez. Também traz novos membros: Ralph Humphrey e os irmãos Bruce e Tom Fowler. O resultado é um dos seus discos mais populares entre o público jovem de 1973, chamado apropriadamente de "Over Nite Sensation". Canções como "Dinah-Moe Hum", "Montana" e "Camarillo Brillo" serão preferidas entre as rádios universitárias e rádios FM da época.

Zappa segue compondo material cada vez mais jazzista e que desafia cada vez mais os músicos de sua banda. Entre 1973 e 1975 além dos já mencionados, ele tocaria com Jack Bruce, Jim Gordon, Jeff Simmons, Napolean Murphey Brock, Chester Thompson, Don Preston, Tony Duran, Sugar Cane Harris, Walt Fowler, Denny Walley e o velho bluseiro, Johnny 'Guitar' Watson. Os discos "Aposterphe(')", "Roxy And Elsewhere" e "One Size Fits All" lhe rendem respeito igualmente dentro da comunidade jazzista e roqueira.

Em 1976, Zappa, desanimado com seu contrato com a Warner, é informado que está devendo seis álbuns antes de poder considerar seus compromissos com a gravadora como concluídos. Ele desmonta sua banda, nunca mais usando o nome Mothers. Passa praticamente o ano no estúdio e quando excursiona, o faz com um pequeno quarteto, que inclui Terry Bozzio, Napoleon Murphey Brock, Roy Estrada e André Lewis.

No estúdio, grava e produz uma serie de composições que engloba desde o âmbito mais jazzista até o puro orquestral. Entre estas gravações, também monta rapidamente um disco onde toca praticamente todos os instrumentos. O disco, chamado "Zoot Allures", teria na capa, a formação de sua próxima banda.

Com Terry Bozzio na bateria, Patrick O'Hearn no baixo e Eddie Jobson nos teclados, somados ao cantor Ray White, a percussionista Ruth Underwood, e mais o naipe de sopros do SNL, Zappa passa a semana de Natal e Ano Novo tocando em Nova York, rendendo inclusive uma passagem no prestigioso programa Saturday Night Live.

Zappa monta então para 1977 uma caixa de cinco discos chamado "Läther" e o entrega para a Warner, considerando assim, seu contrato com a gravadora devidamente encerrado. Ele pede então a devolução de todos os rolos de fita masters de todos o seu catalogo de discos. A Warner porém recusa-se a lançar a caixa, considerando o formato excessivamente anti-comercial. A gravadora também informa ao artista que todo seu catalogo pertence à gravadora e não a ele. Dá-se inicio a uma disputa judicial entre Frank Zappa e a Warner Brothers que só seria vencido pelo artista em 1979. Neste interim a Warner lança aos pingos boa parte do material contido em Läther em quatro álbuns separados. São eles, "Zappa In New York" (2LP), "Sleep Dirt", "Studio Tan" e "Orchestral Favorites".

Zappa excursiona durante os anos de 1977 e 1978 com o que muitos consideram sua banda mais pesada. Além dos já citados Terry Bozzio e Patrick O'Hearn, estão Ed Mann nas percussões; uma dupla de tecladistas, o austríaco Peter Wolf e o nicaragüense Tommy Mars; Roy Estrada nos vocais e por último, um guitarrista que Zappa encontrou em um barzinho de quinta categoria perdido no Texas. O rapaz é ninguém menos do que Adrian Belew.

Enquanto seu processo com a Warner corre, ele monta sua própria gravadora, a Zappa Records. Sua gravadora fecha contrato de distribuição com a CBS Records e tem como seu primeiro produto no mercado o álbum "Sheik Yerbouti", seguido pelos dois LP's "Joe's Garage - Act I" e "Joe's Garage Act II & III", com um elenco que inclui o guitarrista novato Warren Cucurullo, o baterista Vinnie Colaiuta, o baixista Arthur Barrow e o vocalista Ike Willis. Zappa, em dezembro, terminaria o ano lançando o filme "Baby Snakes", que mostra os melhores momentos de sua já tradicional temporada de Halloween em Nova York do ano anterior.

Uma vez ganha a disputa judicial com a Warner Brothers, Zappa retoma posse de todas as fitas mestres do seus discos anteriores. Investe seu dinheiro em um pequeno complexo de estúdios batizado curiosamente de The Utility Muffin Research Kitchen e seu estúdio No.1 de Joe's Garage. O complexo inclui também um escritório que cuida de mercadoria a ser vendida para o público via correspondência. Este setor de sua empresa é, em si, uma empresa à parte, chamada Barfko Swill, dirigida e comandada por Gail Zappa, sua esposa. Zappa encosta a Zappa Records e seu contrato deficitário com a CBS e cria outro selo, o Barking Pumkin Records.

Lança então três LP's só de solos de guitarras, pensando em um público específico de guitarristas, e possivelmente outros estudantes de música. FZ não crê, a princípio, que vá ter uma grande procura. Engano seu. Estes discos não são encontrados em lojas, sendo adquiridos nos Estados Unidos apenas através de correspondência. São eles "Shut Up N' Play Yer Guitar", "Shut Up N' Play Yer Guitar Some More" e "The Return Of The Son Of Shut Up N' Play Yer Guitar". Para a Europa, ele permite o lançamento em lojas dos três discos em formato de caixa tripla. Este formato se mostra extremamente popular e começaria a ser importado para os Estados Unidos.

Assim sendo, em 1981 Zappa lança a caixa tripla também na América no mesmo dia que seu mais novo álbum duplo, "Tinseltown Rebellion" de gravações ao vivo realizadas no inicio do ano. A banda basicamente é a mesma, porém com duas modificações e duas adições. A soma de mais um tecladista, Bob Harris que já tocara com Zappa em 1971 e 1972, além da volta do cantor Ray White; na bateria, o estreante David Logemann e na guitarra, um rapaz recém saído da faculdade chamado Steve Vai que continuaria com Zappa até 1984 seguindo então para fama mundial como um dos mais hábeis guitarristas vivos.

Ainda em 1981, Zappa lançaria outro álbum duplo de material de estúdio chamado "You Are What You Is". A temática do disco seguiria com pesadas críticas à proliferação de programas televisivos regidos por pastores evangelistas. Zappa questiona abertamente as fortunas que estas igrejas repentinas levantam, sem precisarem pagar impostos. Canções que abrangem estes temas são "The Meek Shall Inherit Nothing" (O Humilde Não Herdará Nada) e "Heavenly Bank Account" (Sagrada Conta Bancaria).

Outro assunto que passaria a freqüentar este e os próximos discos do Zappa é o uso excessivo de cocaína pela sociedade moderna. A canção "You Are What You Is" teria seu video clip banido pela MTV por mostrar um sósia do então presidente Ronald Reagan sentando na cadeira elétrica e sendo executado por um negro. Reagan, como alguns já devem ter esquecido, enquanto governador da California no final da década de sessenta, foi acusado de ter pertencido quando jovem, ao grupo racista conhecido como Klu Klux Klan.

Em 1982, Zappa conheceria seu primeiro Top 10 hit com a canção "Valley Girl". A canção basicamente consiste em uma bateria (Chad Wackerman), um baixo (Scott Thunes) e a voz de sua filha Moon Unit Zappa recitando uma história sobre uma adolescente da região do San Fernando Valley. A intonação típica da região é na voz de Moon ironizada, ela criando no processo, alguns termos que se tornarão gíria em todo o país, graças ao sucesso da canção. O estilo "Geração Valley" seria tão popular, que até hoje é imitada por personagens adolescentes como no filme "As Patricinhas" ou o desenho "South Park".

A imprensa começa a tratá-lo como gênio incompreendido. Sua vitória contra a poderosa gravadora Warner Brothers em 1979 lhe dá mais respeito entre uma maior gama de artistas. Com o seu vasto catálogo de discos, suas bandas, um celeiro de talentos, e agora dono de sua própria empresa, o termo sucesso é constantemente aplicado para definí-lo. Nunca Frank Zappa esteve tão respeitado pela critica especializada, e, assim sendo, passa a freqüentar as capas das melhores revistas sobre música do mundo.

Zappa segue o restante da primeira metade da década de 1980 excursionando e produzindo discos de complexidade musical e relativa variedade temática. Destes, possivelmente o melhor seja o "Them Or Us", primeiro a conter uma participação de seu filho, Dweezil Zappa.

Em destaque fica também o disco "LSO Vol.1", disco lançado pelo selo Zappa Records que contém a Orquestra Sinfônica de Londres tocando material inédito do compositor. O Vol.2 sairia em 1987. Agora com um contrato de distribuição com a EMI, o selo arranja para que Zappa trabalhe com Pierre Boulez, resultando no LP "A Perfect Stranger".

Zappa também investe no ramo de vídeos, abrindo sua firma Honker Videos, o logo sendo o formato de seu nariz protuberante. Com a Honker, Zappa passa a controlar lançamentos de suas apresentações, como também relançamentos de seus primeiros filmes. Entram assim no mercado sete títulos diferentes, de material antigo embora inédito, como "Uncle Meat", até coisas mais recentes como "Does Humour Belong In Music?" que contém uma parte da apresentação de sua banda em Nova York em 1984.

Para aumentar ainda mais a variedade de gêneros e estilos na sua discografia, Frank Zappa descobre a existência de um músico italiano barroco chamado Francesco Zappa. Sua pesquisa o leva a encontrar uma série de partituras deste obscuro músico e a coincidência do nome o leva a gravar este material, utilizando um instrumento recém lançado no mercado, o Synclavier.

Com uma ação levantada por um grupo de senhoras, esposas de senadores, que vão ao congresso pedir que se estude uma maneira eficaz de censura para músicas consideradas obscenas, Frank Zappa é um dos primeiros a gritar contra. Ele faz campanha defendendo a primeira emenda da constituição que declara a liberdade de expressão. O processo segue durante o curso do ano de 1986 e acaba com uma legislação que não censura o material artístico a ser lançado, mas cria a obrigação por parte das gravadoras, a terem que colocar um adesivo avisando que o material contido na obra pode ter linguagem considerada agressiva para o consumidor.

Em meio a este debate público na América, Zappa lança o disco "Frank Zappa Meets The Mothers Of Prevention", que explora o assunto com o tema "Porn Wars". O material mistura composições no Synclavier com algumas com banda "viva". Ciente do nível de dificuldade de suas composições e a dedicação exigida para músicos poderem executá-las corretamente, Zappa vê no Synclavier sua chance para conquistar uma liberdade como compositor. Agora ele não é mais limitado a escrever música que seja humanamente possível tocar. A máquina pode executar a canção em tempos humanamente impossíveis se ele puder escrever para isso. Zappa então declara para o espanto de muitos, sua intenção de abandonar a guitarra e não mais excursionar com banda, se dedicando exclusivamente a composições com o Synclavier. O primeiro de tais trabalhos é o disco "Jazz From Hell" que receberia seu primeiro e único Grammy.

O ano de 1987 é dedicado ao relançamento em vinil de todo seu antigo catalogo da Verve e Bizarre, agora pelo selo Barking Pumpkin, no que foi chamado de "The Old Masters Box 1, 2 e 3". Ele aproveita para lançar uma fita cassete para uma edição especial da revista Guitar World recheada de solos ainda inéditos, chamada "The Guitar World According To Frank Zappa".

Curiosamente em 1988 ele volta atrás e resolve excursionar novamente. Monta uma banda contendo uma grande quantidade de sopros, recurso ausente em suas bandas desde 1976 e excursiona Europa. Durante a metade da excursão americana dores obrigam ao cancelamento do tour. Levaria outros quatro anos até ele se pronunciar publicamente como tendo câncer na próstata. Um dos primeiros a defender a mudança do mercado para gravação digital, fecharia negócios com a Rycodisc que passaria a lançar todo o seu catalogo em CD. Zappa passaria então a se dedicar a editar e mixar um vasto material guardado em seu cofre. Este material seria periodicamente lançado como a série "You Can't Do That On Stage Anymore", tendo o volume 6 sua última edição.

Ainda em 1988 lançaria o álbum duplo chamado simplesmente de "Guitars", novamente como no projeto "Shut Up N' Play Yer Guitar", contendo somente solos. Tira o ano para se candidatar à presidência dos Estados Unidos. Em seu discurso oficial para candidatura ele declara, "Não conseguiria ser pior do que os que já passaram por lá". Seu último lançamento em vinil foi o álbum duplo ao vivo, "Broadway The Hard Way", onde a temática continua a debochar das relações de interesse mútuo entre políticos e pastores evangélicos.

Em 1989 lança sua biografia, "The Reel Frank Zappa Book", como também fecha contrato com a Rhino Records para lançar oficialmente todo material incluídos nos seus piratas mais populares. Tática sem precedente, a intenção é obviamente vencer o mercado da pirataria lançando o mesmo material oficialmente e assim, passar a lucrar com estes discos que há anos circulam no mercado. Assim nasce a serie "Beat The Boot! Vol. 1 & 2".

Na década de noventa, Zappa lança o material da sua última excursão em dois CD's duplos, chamados The Best Band You Never Heard In Your Life e Make A Jazz Noise Here. Outros CD's, todos duplos, exploram fases mais antigas de sua carreira, como Playground Psychotic, contendo a fase com a dupla Mark Volman e Howard Kaylan, como também Ahead Of Their Time, oferecendo uma apresentação do Mothers of Invention no Albert Hall em 1968.

Seu último disco vivo foi o CD de música de câmara, The Yellow Shark, realizado graças ao grupo alemão chamado The Ensemble Modern. Zappa que já tinha praticamente desistido de gravar um trabalho mais erudito, dado a dificuldade em conseguir uma grande quantidade de músicos a estudar obsessivamente as partituras e os fundos que estes ensaios, nem sempre produtivos custam, teve com o Ensemble Modern, a grata surpresa e prazer de encontrar um grupo de músicos totalmente dedicados a sua música.

O material estreou em 1992, durante uma feira cultural em Berlim, na Alemanha, onde Frank Zappa assistiu a primeira de uma serie de apresentações. Se sentindo mal, voltou imediatamente para California. Lá, ele editou, mixou e lançou o disco.

Frank Zappa veio a falecer pouco depois, no dia 4 de dezembro de 1993 em sua residência em Canoga Park, Califórnia. Ele deixa uma viuva, Gail Zappa e quatro filhos, Moon Unit, Dweezil, Ahmit e Diva Zappa. Deixa também quase prontos dois álbuns. O primeiro foi lançado no primeiro aniversário de morte, chamando-se Civilization - Phase III, uma espécie de seqüência de Lumpy Gravy, utilizando gravações de falas e temas tocado no Synclavier. Depois, seria lançado pela família Lost Episodes, oferecendo material gravados entre 1962 e 1969.

A família Zappa funda The Zappa Family Trust que cuida de todo o espólio do artista e periodicamente lança um CD novo. Geralmente o material consiste em coletâneas ocasionalmente oferecendo algumas faixas com versões alternativas para poder também atrair o interesse do fã fervoroso. Para estes, as opções mais interessantes são os CD's Mystery Disc e Cucamonga, totalmente dedicados a oferecer gravações obscuras do artista.

Em 11 de Maio de 1980, foi descoberto pelo astrônomo tcheco, L. Brozek, um pequeno planeta entre Marte e Jupiter. O planeta tem um curso elíptico que dura aproximadamente quatro anos e oito meses, em tempo terreno, para dar uma volta completa pelo sol. A ele foi dado o número oficial de 3834. Surgiu então a idéia de um professor italianos a batizar a pedra sideral com um nome que homenageia Frank Zappa. Depois de um ano de campanha, e esforços combinados, que incluiram correspondência maciça pela internet por parte de fãs, como também uma carta de bons votos do Diretor de Política Externa da Tchecoslováquia Dr. Pavel Seifter, escrito em nome do chefe de estado daquela nação, Presidente Vaclav Havel, e do oportuno apoio de Dr. Brain Marsden do Minor Planet Center (Centro de Planetas Menores), uma ramificação do Smithsonian Astrophysical Observatory (Observatório Smithsonian de Astrofísica), que levou a proposta para a instituição competente, a International Astronomical Union (União Astronômica Internacional). Foi oficialmente homologado o nome do planeta para (3834) Zappafrank no dia 22 de Julho de 1994.

Com a noticia de que Frank Zappa havia se tornado nome de um pequeno planeta dentro do nosso sistema solar, outro professor, Dr. Bob Belas, assistente no Sensory Transduction Center of Marine Biotechnology, que faz parte do Instituto de Biotecnologia da Universidade de Maryland, situado em Baltimore, cidade onde Frank Zappa havia nascido, identificou um gen dentro de uma bacteria Proteus que libera uma enzima "IgA Protease." Esta enzima está sendo extra oficialmente batizada de zapA. Faltam ainda os trâmites legais para o nome ser oficial. Tendo agora um planeta homenageando Frank Zappa, conhecendo o seu senso de humor tão especial, podemos procurar um novo significado em seus dois títulos, "Cosmic Debris" (74) e "Help!, I'm A Rock" (66).

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

635 acessosPunk e Progressivo: dois artistas que tentaram juntar ambos0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Frank Zappa"

19661966
Diversos grupos no caminho que levaria à psicodelia

Pirações SonorasPirações Sonoras
Os 50 álbuns mais estranhos da música

Highways to HellHighways to Hell
As ruas mais rock'n roll do planeta

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Frank Zappa"

Death MetalDeath Metal
As 10 melhores bandas de acordo com a AOL

GhostGhost
Uma foto assustadora dos bastidores do RIR

ProstitutasProstitutas
3 das mais famosas e devassas do cenário Rock

5000 acessosMusas do Metal: as bandas que elas ouvem quando estão em casa5000 acessosIron Maiden: mulheres em uniforme de couro e com spikes5000 acessosFotos de Infância: Slayer5000 acessosGibson Magazine: os melhores baixistas de todos os tempos5000 acessosGhost: uma jogada de marketing sensacional3373 acessosMegadeth: para Dave Mustaine, Grammy seria melhor se fosse só dele

Sobre Márcio Ribeiro

Nascido no ano do rato. Era o inicio dos anos sessenta e quem tirou jovens como ele do eixo samba e bossa nova foi Roberto Carlos. O nosso Elvis levou o rock nacional à televisão abrindo as portas para um estilo musical estrangeiro em um país ufanista, prepotente e que acabaria tomado por um golpe militar. Com oito anos, já era maluco por Monkees, Beatles, Archies e temas de desenhos animados em geral. Hoje evita açúcar no seu rock embora clássicos sempre sejam clássicos.

Mais matérias de Márcio Ribeiro no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online