Brujeria: show destruidor no Rio de Janeiro

Resenha - Brujeria (Teatro Odisseia, Rio de Janeiro, 17/05/2018)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por César Rezende
Enviar correções  |  Ver Acessos











Caros leitores, o que esperar de um show do BRUJERIA? A junção de: tradição; potência musical; momentos de catarse embalados pela instigação guiada por letras polêmicas e temáticas; o som de uma voz rasgada e pulsante; a distorção das cordas; o pulsar veloz da bateria.

Ao ler a lista entende-se o motivo pelo qual o Teatro Odisseia - localizado nas proximidades dos Arcos da Lapa, no Rio de Janeiro - recebeu um grande número de fãs e admiradores de diversos gêneros do metal extremo.

O evento realizado pela Produtora Obscur. iniciou-se pontualmente, demonstrando boa organização e respeito ao público. Ao adentrar a casa de shows, as pessoas podiam acessar facilmente a área de merchandising - localizada no andar superior - para adquirir os materiais das bandas.

Oriundos do bairro de Bangu e aficionados torcedores do clube de futebol Flamengo, a banda ATAQUE PERIFÉRICO iniciou a noite de espetáculos com uma explosão de hardcore direto e intenso.

Foi o primeiro show que pude acompanhar da banda e, ao meu ver, foi muito bom. A temática do grupo, que aborda o futebol e características da periferia urbana em suas letras, casou perfeitamente com a velocidade e intensidade dos instrumentos. Os músicos demonstravam enorme felicidade e gratidão pela oportunidade de participar do evento, realizando até mesmo um discurso de agradecimento e elogios à produção.

Ao término da primeira apresentação, no momento da pausa, pude ir ao bar e deparei-me com a venda de um chopp artesanal. A cervejaria Sundog Brewing oferecia por um preço acessível uma ótima bebida para que os amantes de fermentados de cevada pudessem somar os prazeres palatáveis e auditivos.

A banda NO TRAUMA iniciou então sua apresentação como segunda atração da noite, trazendo mais peso, preparando os ouvidos do público para o show do Brujeria de forma gradual positiva.

Os músicos apresentaram um som embasado no hardcore porém com passagens de metalcore e groove metal. Na minha opinião, no quesito percussão, Marvin Freitas - mais conhecido como "o barba"- foi o destaque do evento. Saliento que a banda No Trauma realizou um show visceral, pois além do talento, a emoção de dividir o palco com os ídolos do BRUJERIA era inefável e fazia com que a felicidade fosse o maior dos combustíveis da máquina do rock.

O aclamado momento do show da banda mais tradicional da noite aproximava-se pois o palco já estava sendo preparado para receber os renomados músicos.

Ao ouvirem a cantiga tradicional mexicana que introduz a música "Cuiden a los niños" seguida pela guitarra isolada de Anton Reisenegger, o público ficou ensandecido e extasiado ao deparar-se com o início do show da banda BRUJERIA. No momento inicial da primeira música a roda punk logo se abriu e o espetáculo começou de forma intensa e direta, como esperado por todos. "La Ley De Plomo" foi tocada na sequência e - mais lenta e pesada - fez com que os fãs batessem cabeça e apreciassem as passagens solo do contrabaixo tocado por Patrik Jensen.

Logo no início da curta, porém intensa canção "El Desmadre", a levada "grind" causou grande manifestação de catarse ao público.

A música "Viva Presidente Trump!" embasou a temática e as artes visuais das camisetas vendidas e da ornamentação do show.

Grandes sucessos seguiam quando repentinamente a introdução suave da aclamada "Brujerizmo" chamou ainda mais a atenção dos fãs - ansiosos pelo início de uma das músicas de maior destaque da banda. Do início ao fim do clássico, todos cantavam junto com BRUJO e SANGRON a letra guiada pelo compasso marcado, com toda força.

Antes da música "Consejos Narcos" uma fã foi escolhida da platéia para ilustrar a música manuseando um cartaz contendo duas faces: numa escrito "SÍ" e na outra "NO". A temática da canção aborda escolhas entre diversos pontos de opinião alternando entre o positivo e o negativo.

O show infelizmente chegou ao fim com a canção "Matando Güeros" teatralmente ilustrada por BRUJO e SANGRON empunhando facões personalizados com a bandeira mexicana.

Logo após o encerramento do evento os integrantes do BRUJERIA conversaram com os fãs, tiraram fotos e distribuíram autógrafos.

A saída da casa de shows foi tranquila, com facilidade de pagamento da comanda e fila bem organizada.

Classifico o evento, de forma geral, com nota máxima!

Set list BRUJERIA:

1) Cuiden A Los Niños
2) La Ley De Plomo
3) El Desmadre
4) Colas De Rata
5) La Migra
6) Hechando Chingasos
7) Viva Presidente Trump!
8) Angel
9) Satongo
10) Desperado
11) Raza Odiada (Pito Wilson)
12) Brujerizmo
13) Anti-Castro
14) Divicion Del Norte
15) Marcha De Odio
16) Revolucion
17) Consejos Narcos
18) No Aceptan Imitaciones
19) Matando Güeros
20) Encerramento com a música "Marijuana"

Set list NO TRAUMA:

1) Demoniocracia
2) Quimera
3) Fuga
4) Forca
5) Sawabona Shikoba
6) Igualdade
7) Viva Forte
8) Massa de Manobra

Set list ATAQUE PERIFÉRICO:

1) Introdução
2) Flamengo é Pica
3) Samba RN / Baile Funk / "Caverão"
4) No Meu Quebro / Lembrar Você
5) Senador Bagdá / Diversão
6) Saudades do Galinho / Sem Futuro
7) DFC
8) Dezembro de 81 / Na Contensão / Siglas / Omisso
9) Esperto / Zé Povinho / Reginha



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Brujeria"


Brujeria: bruxaria, assassinatos no México e tráfico?Brujeria
Bruxaria, assassinatos no México e tráfico?

Brujeria: O tão falado show da favela cariocaBrujeria
O tão falado show da "favela" carioca


Creed: nomeada pior banda dos anos 1990 pela Rolling StoneCreed
Nomeada pior banda dos anos 1990 pela Rolling Stone

Runaways: Jackie Fox conta como foi estuprada por Kim FowleyRunaways
Jackie Fox conta como foi estuprada por Kim Fowley

Pantera: odiei gravar Cowboys From Hell, diz Phil AnselmoPantera
"odiei gravar Cowboys From Hell", diz Phil Anselmo

Fotos: confira 10 das mais curiosas no mundo do Rock - Parte 1Fotos
Confira 10 das mais curiosas no mundo do Rock - Parte 1

Em cana: os rockstars em suas fotos mais constrangedorasEm cana
Os rockstars em suas fotos mais constrangedoras

Faraônico: homem constrói mansão para abrigar seus LPs de vinilFaraônico
Homem constrói mansão para abrigar seus LPs de vinil

Anos 80: Dez grandes discos de estreia - Parte 2Anos 80
Dez grandes discos de estreia - Parte 2


Sobre César Rezende

César Rezende. 28 anos. Duque de Caxias - RJ.

Mais matérias de César Rezende no Whiplash.Net.